O povo do rio: variações míticas e variações antropológicas sobre a origem e a diferenciação dos grupos inỹ

Eduardo Soares Nunes

Resumo


Os Karajá, Javaé e Ixỹbiòwa são três grupos indígenas que habitam a calha do rio Araguaia. Todos falam variantes de uma mesma língua (família Karajá, tronco Macro-Jê) e utilizam o mesmo termo de autodesignação: inỹ. As inúmeras similaridades entre eles tornam evidente que fazem parte de um mesmo conjunto. Por muito tempo, com efeito, os Javaé e Ixỹbiòwa foram tratados como “subgrupos” karajá, ao lado dos “karajá propriamente ditos”. A predominância desse modelo hierárquico, entretanto, acabou por eclipsar muitas das diferenças entre os três grupos. Esse texto trata das narrativas karajá sobre a origem e a diferenciação da humanidade inỹ, procurando extrair daí um modelo alternativo para pensar a relação entre os três grupos que fuja tanto de um esquema hierárquico (três “subgrupos karajá”), quanto de uma segmentação dura entre “três grupos distintos”; pois há, entre Karajá, Javaé e Ixỹbiòwa, não apenas diferenciações, como também identificações. O que a mitologia aqui tratada evidencia é que, desde o surgimento mesmo da humanidade, não há mais que uma polaridade elementar, aquela entre Eu e Outro, a emergir no seio de uma unidade aparente e replicando-se a cada novo nível de contraste, ou em cada nova “unidade”.


Palavras-chave


Inỹ-Karajá; mitologia; dualismo em perpétuo desequilíbrio.

Texto completo:

PDF

Referências


BANDEIRA DE MELLO, Darcy Siciliano. Carta de Darcy Siciliano Bandeira de Mello ao encarregado da Inspetoria do estado de Goyaz do SPI, Alencarliense Fernandes da Costa, 16/01/1930. Arquivos do Museu do Índio, Rio de Janeiro, 1930.

DAVIS, Irvine. Some Macro-Jê relationships. International Journal of American Linguistics, v. 1, n. 34, p. 42-47, jan. 1968.

DONAHUE, George. A contribution to the ethnography of the Karajá indians of central Brazil. 1982. Tese (Doutorado em Antropologia) - Universidade da Virgínia, Virgínia, EUA, 1982.

ERENHEICH, Paul. Contribuições para a etnologia do Brasil. Revista do Museu Paulista, v. 2, p. 7-135, 1948.

FERNANDES DA COSTA, Alencarliense. Relatório anual da inspetoria de Goyaz do SPI, ano de 1930. Arquivos do Museu do Índio, Rio de Janeiro, 1931.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O cru e o cozido. Mitológicas 1. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

______. História de Lince. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

LIPKIND, William. Carajá Cosmography. The Journal of the American Floklore, v. 53, n. 210, p. 248-51, 1940.

NUNES, Eduardo S. Transformações karajá: os “antigos” e o “pessoal de hoje” no mundo dos brancos. 2016. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade de Brasília (UnB), Brasília, 2016.

______. No asfalto não se pesca. Parentesco, mistura e transformação entre os Karajá de Buridina (Aruanã – GO). 2012. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade de Brasília (UnB). Brasília, 2012.

PÉTESCH, Nathalie. A trilogia Karajá: sua posição intermediária no continuum jê-tupi. In: VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo B.; CARNEIRO DA CUNHA, Manuela M. (Org.). Amazônia: etnologia e história indígena. São Paulo: NHII-USP/Fapesp, 1993. p. 365-81.

______. La pirogue de sable. Modes de representations e d’organization d’une societe du fleuve: les Karajá de l’Araguaia (Brésil Central). 1992. Tese (Doutorado) - Université de Paris x (Natèrre), Paris, 1992.

PIMENTEL DA SILVA, Maria S.; ROCHA, Leandro M. Linguagem especializada. Mitologia Karajá. Goiânia: Editora UCG, 2006.

RIBEIRO, Eduardo Rivail. A grammar of Karajá. 2012. Tese (Doutorado em Linguística) - Universidade de Chicago, Chicago, Illinois, EUA, 2012.

RODRIGUES, Patrícia de M. Terra Indígena Utaria Wyhyna (Karajá) / Iròdu Iràna (Javaé). Relatório de Identificação e Delimitação. Brasília: FUNAI, 2008a.

______. A caminhada de Tanỹxiwè: uma teoria Javaé da história. 2008b. Tese (Doutorado em Antropologia) - Universidade de Chicago, Chicago, Illinois, EUA, 2008b.

______. O povo do meio: tempo, cosmo e gênero entre os Javaé da Ilha do Bananal. 1993. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Universidade de Brasília (UnB), Brasília, 1993.

TAVEIRA, Edna L. M. Etnografia da cesta Karajá. Goiânia: Editora UFG, 2012.

TORAL, André. Cosmologia e sociedade Karajá. 1992. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, 1992.

 




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/tellus.v18i36.489

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN Impresso: 1519-9452 - até TELLUS ano 14, n. 27, jul./dez. 2014
ISSN Eletrônico: 2359-1943