Tembiasakue Rapê: a longa estrada Guarani na história e na memória- reconstruindo o passado, ressignificando o presente e trilhando o futuro.

Rosalvo Ivarra Ortiz, Almires Martins Machado

Resumo


Ao longo dos séculos o Guarani foi visto como objeto de estudo e do direito, sendo-lhe negada a característica de agente de sua própria memória/história/narrativa, como protagonista dinâmico, ativo e consequentemente sem espaço para manifestar-se, era o indígena domesticado sobressaindo à imagem genérica construída pelo senso comum ao longo da trágica história que todos já conhecem. Entretanto, assim como os demais seres humanos que habitam a imensidão do planeta terra, enquanto indígenas temos o passado bem vivo na nossa memória e na a capacidade de reconstituir o nosso passado; nosso futuro depende muito da habilidade de compreender e tirar boas lições do que nos aconteceu em outrora. O passado é relembrado por meio das narrativas na fala dos tujá’i (velhinhos), contadores de história Guarani. Conhecimento que é transmitido nas conversas na opy(casa ritual), na beira do fogo quando dos acampamentos de pescaria, caçadas ou ainda nos momentos em que seus olhos e alma parecem voltar no tempo e as narrativas fluem como as águas de um igarapé, adentrando a noite. Para que nosso modo de vida percorra outros modos de narrar o passado e o presente, busca-se a qualificação nos meios acadêmicos, uma abrangência maior de conhecimento enquanto sociedade Guarani e as interações com a sociedade não indígena, engendrando novos conceitos, experiências interpretativas sobre o outro e o que foi dito sobre nós de forma autoritária e violento. É uma tentativa de compreender, traduzir e a posteriori interpretar, para conhecerem-se melhor ambas as sociedades e ampliar os horizontes de conhecimentos e possibilidades, sabendo de antemão que essas aproximações humanas não são tão tranquilas quanto parecem ser. Ser mediador dessa realidade não é nada fácil, ou seja, é um grande desafio.


Palavras-chave


Guarani, Memória/História, Cosmologia.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Centro Gráfico do Senado Federal, 1988. 292p.

CARDOSO DE OLIVEIRA, R. Índio e o mundo dos brancos. Campinas, SP: UNICAMP, 1996.

CLASTRES, P. A sociedade contra o Estado. 5. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1990.

DAMATTA, R. Explorações: ensaio de sociologia interpretativa. Rio de Janeiro: Rocco, 1987.

EREMITES DE OLIVEIRA, J.; PEREIRA, L. M. “Duas no pé e uma na bunda”: da participação terena na guerra entre o Paraguai e a Tríplice Aliança à luta pela ampliação dos limites da Terra Indígena Buriti. Revista Eletrônica História em Reflexão, Dourados, MS, v. 1, n. 2, p. 1-20, jul./dez. 2007.

GEERTZ, C. O saber local. Novos ensaios de Antropologia interpretativa. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

KRENAK, A. Novas exigências globais e realidades indígenas regionais.  Belo Horizonte: Bay, 1998.

LOPES DA SILVA, A. Mito, razão, história e sociedade. In: LOPES DA SILVA, A.; GRUPIONI, L. D. B. (Org.). A temática indígena na escola. Brasília: MEC/MARI/Unesco, 1995.

MACHADO, A. M. De incapaz a mestrando. Revista Tellus, Campo Grande, MS, ano 7, n. 13, p. 155-61, out. 2007.

MACHADO, A. M.; IVARRA ORTIZ, R. Mbaraka ju: arte, memória e fala sagrada Guarani. REA - Revista Euroamericana de Antropología, Salamanca, n. 5, p. 73-81, 2018.

PACHECO, R. A. S. Direito indígena: da pluralidade cultural a pluralidade jurídica. Revista Tellus, Campo Grande, MS, ano 6, n. 11, p. 121-44, out. 2006.

ROCHA, E. O que é etnocentrismo. São Paulo? Brasiliense, 2007.

SHADEN, E. Aspectos fundamentais da cultura Guarani. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1974.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/tellus.v18i37.525

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN Impresso: 1519-9452 - até TELLUS ano 14, n. 27, jul./dez. 2014
ISSN Eletrônico: 2359-1943