Na trilha dos Urupás: estudos de antropologia etnopedagógica

  • Joselia Gomes Neves UNIR - Fundação Universidade Federal de Rondônia
Palavras-chave: Povo Urupá, Txapacura, Amazônia, Memória Indígena, Lei 11.645/2008.

Resumo

O estudo ora apresentado trata de uma reflexão historiográfica de perspectiva educativa, elaborado no período de 2013 a 2016 em Ji-Paraná, Rondônia. Constitui um produto acadêmico oriundo da Linha de Pesquisa Antropologia Etnopedagógica: Povos Indígenas, Interculturalidade e Currículo, que tem se dedicado a estudar os povos indígenas da Amazônia na perspectiva da Lei Federal nº 11.645/2008. Essa Lei tornou obrigatório o ensino da história e da cultura indígena no currículo da educação básica das escolas brasileiras. Vale salientar que, desde 2005, o Grupo de Pesquisa em Educação na Amazônia (GPEA) da Universidade Federal de Rondônia, Campus de Ji-Paraná, tem elaborado estudos sobre a temática indígena. A pretensão é que este pequeno estudo contribua na agregação dos saberes locais e na lacunar História Regional sobre os Povos Indígenas de Rondônia – os de ontem e os de hoje. Trata-se de uma sistematização interdisciplinar elaborada a partir de fontes bibliográficas e documentais. Propõe um diálogo inicial entre as áreas da Educação, Antropologia, Arqueologia e Etno-História. Reúne um conjunto de dados sobre o Povo Indígena Urupá, - sua localização, língua, contato e um pouco de sua cultura, habitantes tradicionais da região e na atualidade considerados extintos. Apesar dessa condição, o nome Urupá está presente em toda a cidade. Essas reminiscências mobilizaram a realização do presente estudo.

Biografia do Autor

Joselia Gomes Neves, UNIR - Fundação Universidade Federal de Rondônia

Docente da Fundação Universidade Federal de Rondônia, Campus de Ji-Paraná. Vinculada ao  Departamento de Ciências Humanas e Sociais. Líder do Grupo de Pesquisa em Educação na Amazônia. Coordenadora da  Linha de Pesquisa Antropologia Etnopedagógica: Povos Indígenas, Interculturalidade e Currículo. joselia.neves@pq.cnpq.br

Referências

ALMEIDA, Carina Santos de; NÖTZOLD, Ana Lúcia Vulfe. O impacto da colonização e imigração no Brasil meridional: contágios, doenças e ecologia humana dos povos indígenas. Tempos Acadêmicos, n. 06, p. 1-18, 2008. Disponível em: <periodicos.unesc.net/historia/article/download/431/440>. Acesso em: fev. 2014.

ANDRADE, O. O santeiro do mangue e outros poemas. São Paulo: Globo; Secretaria do Estado da Cultura, 1991.

APONTES, Selmo Azevedo. Descrição gramatical do Oro Waram, variante Wari’ norte (Pakaa Nova, Txapakura): fonologia, morfologia e sintaxe. 2015. Tese (Doutorado em Linguística) - Faculdade de Letras da UFMG, Belo Horizonte, MG. 2015.

BARTOLOMÉ, Miguel Alberto. As etnogêneses: velhos atores e novos papéis no cenário cultural e político. Mana, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 39-68, abr. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/readcube/epdf.php?doi=10.1590/S0104-93132006000100002&pid=S0104-93132006000100002&pdf_path=mana/v12n1/a02v12n1.pdf&lang=pt>. Acesso em: 10 fev. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Lei n º 939, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 10 jan. 2011.

______. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Brasília, DF, 2008. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm >. Acesso em: 10 jan. 2014.

______. Ministério da Educação. Parecer CNE/CEB nº 14/2015, de 11 de novembro de 2015. Diretrizes Operacionais para a implementação da história e das culturas dos povos indígena na Educação Básica, em decorrência da Lei nº 11.645/2008. Brasília, DF, 2015. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=27591-pareceres-da-camara-de-educacao-basica-14-2015-pdf&category_slug=novembro-2015-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 22 abr. 2016.

______. Ministério da Educação. Educação escolar indígena: diversidade sociocultural indígena ressignificando a escola. Cadernos Secad, Brasília, DF, caderno 3, 3 abr. 2007.

BORGES, Aline de Gregório Alves. Colonização e descolonização em Diaruí, um olhar sob a perspectiva do indígena. Revista Igarapé, Porto Velho, RO, v. 4, n. 1, p. 51-68, set./dez. 2014.

CAVALCANTE, Washington Heleno. O Posto Indígena Rodopho Miranda e os índios Arikemes:processo de desagregação cultural sob a tutela do SPI. In: CONGRESSO INTERNACIONALDE HISTÓRIA, 4., 23-25 set. 2014, Jataí. Anais... Jataí: UFG. Disponível em:<www.congressohistoriajatai.org/anais2014/Link%20(274)>. Acesso em: 20 out. 2015.

D’ABBEVILLE, Claude. História da Missão dos Padres Capuchinhos na Ilha do Maranhão. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Editora da USP, 1975.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas. Tradução de Salma Tannus Muchail. 8. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

______. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HUGO, Vitor. Desbravadores. 2. ed. Rondônia: BERON, 1991a. v. I.

______. Desbravadores. 2. ed. Rondônia: BERON, 1991b. v. II.

LEONEL JR., Mauro. Etnodicéia Uruéu-au-au: o endocolonialismo e os índios no centro de Rondônia, o direito à diferença e à preservação ambiental. São Paulo, SP: IAMÁ; FAPESP, 1995.

LÉVI-STRAUSS, C. Tristes trópicos. Lisboa: Ed. 70; São Paulo: Martins Fontes, 1981.

MANO, Marcel. A cerâmica e os rituais funerários: xamanismo, antropofagia e guerra entre os Tupi-Guarani. Interações - Cultura e Comunidade, Belo Horizonte, v. 4, n. 5, p. 111-128, jun. 2009. Disponível em: <periodicos.pucminas.br/index.php/interacoes> Acesso em: 15 maio 2015.

MÉTRAUX, Alfred. Tribes of Eastern Bolivia and the Madeira headwaters. In: J. Steward (ed.), Handbook of South American indians, 3. Washington: Government Printing Office. 1948. Disponível em: <http://etnolinguistica.wdfiles.com/local--files/hsai%3Avol3p381-454/vol3p381-454_eastern_bolivia.pdf Acesso em: 15 maio 2015.

MEIRELES, Denise Maldi. Guardiães da fronteira: Rio Guaporé, século XVIII. Petrópolis: Vozes, 1989.

MILLER, Eurico Theofilo. A Cultura Cerâmica do Tronco Tupí no alto Ji-Paraná, Rondônia, Brasil: algumas reflexões teóricas, hipotéticas e conclusivas. Revista Brasileira de Linguística Antropológica, Brasília, DF, v. 1, n. 1, p. 35-136, jul. 2009. Disponível em: <http://periodicos.unb.br/index.php/ling/article/view/7964/6069>. Acesso em: 15 maio 2014.

NEVES, Josélia Gomes. Pedagogia Arqueantropológica: na trilha dos Urupá. Partes, São Paulo, ano V, set. 2012. Disponível em: <http://www.partes.com.br/educacao/urupa.asp>. Acesso em: 22 maio 2014.

______. Currículo intercultural: processo de aplicação da Lei 11.645 /2008 nas escolas públicas da Amazônia. Partes, São Paulo, v. 15, 2013. Disponível em: <http://www.partes.com.br/2013/05/15/curriculo-intercultural/>. Acesso em: 17 out. 2014.

NIMUENDAJU, Curt. Textos indígenas: relatórios, monografias, cartas. São Paulo: Loyola, 1982.

_____ . Os Índios Parintintin do Rio Madeira. Journal de la Société des Américanistes, Paris, v. 16, n. 1, p. 201-278, 1924. Disponível em: <http://www.persee.fr/web/revues/home/prescript/article/jsa_0037-> Acesso: 10 mar. 2015.

NIMUENDAJU, C.; BENTES, E. H. R. do Valle. Chapacura Wanham, Madeira. Colaboração de Victor A. Petrucci. Wikipédia, [s.d.]. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Urup%C3%A1s>. Acesso em: 5 maio 2016.

PORTO ALEGRE, Maria Sylvia. Rompendo o silêncio: por uma revisão do “desaparecimento”dos povos indígenas. Alagoas Real, Alagoas, 5 fev. 2012. Disponívelem: <http://alagoasreal.blogspot.com.br/2012/02/rompendo-o-silencio-por-umarevisao-do.html>. Acesso em: 20 set. 2015.

RODRIGUES, A. D. Línguas brasileiras: para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo: Loyola, 1986.

RONDON, Cândido Mariano da Silva. Índios do Brasil do Centro ao Noroeste e Sul de Mato-Grosso. Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura; CNPI, 1946. v. I.

RONDÔNIA. Convênio nº 001. Unir e o município de Ji-Paraná, objetivando a cooperação financeira e administrativa do Campus Urupá da Fundação Universidade de Rondônia. Ji-Paraná: UNIR, junho, 1988.

ROQUETTE-PINTO, Edgard. Rondônia. São Paulo: Editora Nacional; Brasília: INL, 1975.

SANTOS, Matias Belido dos. Práticas mortuárias entre os povos indígenas no Pantanal Mato-Grossense: arqueologia, etno-história e etnologia. 2009. 131f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2009.

SCARAMUZZA , Genivaldo Frois.; COSTA, Keila Dias da. Por uma Pedagogia Arqueantropológica: refletindo os achados pré-históricos em Rondônia, resgatando o saber local. Disponível em: <http://www.equiponaya.com.ar/articulos/educacion01.htm Acesso em: 20 abr. 2016.

SILVA, Amizael Gomes da. No rastro dos pioneiros: um pouco da história rondoniana. Porto Velho: SEDUC, 1984.

SILVA, Cliverson Gilvan Pessoa da.; COSTA, Angislaine Freitas. Um quadro histórico das populações indígenas no alto Rio Madeira durante o século XVIII. Amazônica - Revista de Antropologia, Belém, PA, v. 6, n. 1, p. 110-139, 2014. Disponível em: <http://www.periodicos.ufpa.br/index.php/amazonica/article/viewFile/1751/2188>. Acesso em: 15 nov. 2015.

SILVA, Otavio F. Ferreira. Exploração e levantamento do rio Jamari. Rio de Janeiro: Papelaria Luiz Macedo, 1920.

TAVARES, Manuel. Despensar as pedagogias coloniais e os seus pressupostos epistemológicos. In: COLÓQUIO DE PESQUISA SOBRE INSTITUIÇÕES ESCOLARES. PEDAGOGIAS ALTERNATIVAS, 8., 2011, São Paulo. Anais... São Paulo: Uninove, 2011. Disponível em: <http://www.uninove.br/marketing/viii_coloquio/pdfs/Manuel_Tavares.pdf>. Acesso em: 12 out. 2013.

VILAÇA, Aparecida. Quem somos nós: os Wari’ encontram os brancos. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2006.

WALSH, Catherine. Interculturalidade crítica e pedagogia decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver. In. CANDAU, Vera Maria (Org.). Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009.

Publicado
2016-07-11