Povos indígenas da Amazônia: do caminho da canoa à ressignificação das culturas e línguas

Palavras-chave: sociolinguística, cultura amazônica, tronco linguístico, ressignificação

Resumo

Este artigo traz um relato sobre as experiências dos povos indígenas da Amazônia na construção e uso de embarcações bũgu (casco de tronco de árvore) e igara (canoa de madeira) desde a chegada das primeiras civilizações na região amazônica, assim como a evolução que ocorreu na construção de embarcações de grande porte como igarité (barco) e igaritéasu (navio) com a chegada dos europeus, e posteriormente, se faz uma breve analogia entre tronco da árvore e tronco linguístico relacionando aos povos indígenas que perderam suas línguas maternas e adotaram como língua de comunicação o Nheengatu. A metodologia utilizada foi de abordagem etnográfica. O estudo faz parte do projeto de doutorado em andamento: A situação sociolinguística e de letramento em nheengatu dos alunos e professores das escolas indígenas do município de Manaus, cujo objetivo nesse trabalho foi de contextualizar os aspectos socioculturais à situação sociolinguística desses povos a partir de suas vivências e experiências do dia a dia ao processo de aquisição e uso da língua Nheengatu, fazendo uma breve analogia entre o termo tronco da árvore e o termo tronco linguístico. O estudo constatou, a partir do contexto sociocultural, que os povos indígenas constroem e usam o bũgu desde suas primeiras gerações, o qual faz parte da cultura da população amazônica e é utilizado como o principal meio de transporte nos rios ygarapé (caminho da canoa) na Amazônia, e no contexto sociolinguístico, averiguamos que os povos Baré, Mura e Warekena perderam suas primeiras línguas maternas e assimilaram a língua Nheengatu e o português brasileiro.

Biografia do Autor

Ademar dos Santos Lima, Universidade de Brasília (UNB)

Doutorando em Linguística pela Universidade de Brasília (UnB). Mestre em Letras e Artes pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Licenciado em Letras/Língua e Literatura Inglesa pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Professor de Nível Superior na Secretaria Municipal de Educação de Manaus.

Rosineide Magalhães de Sousa , Universidade de Brasília (UNB)

Pós-doutorado em Linguística Aplicada pela Universidade de Campinas. Doutora em Linguística pela Universidade de Brasília (UnB). Mestre em Linguística pela UnB. Graduada em Letras pela Universidade Católica de Brasília. Professora associada na Universidade de Brasília (UnB). Atua na Licenciatura em Educação do Campo, na área de linguagem, e na pós-graduação em Linguística. É líder do grupo de pesquisa (Socio) Linguística, Letramentos Múltiplos e Letramento, certificado pelo CNPq.

Referências

BAGNO, Marcos. Dicionário de sociolinguística. São Paulo: Parábola, 2017.

BANIWA, Augusto. Imagens de canoas do rio negro. 2020. 1 fotografia.

CARADINA, Gabriel. A evolução do transporte. São Paulo: Conjovem, 2019.

CARVALHO, Paulo Ernani Ramalho. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília: Embrapa, 2003. v. 1

CAVALIER-SMITH, T. A revised six-kingdom system of life. London: Cambridge University Press, 1998.

CENATTI, Márcio José. Homem: ser de transcendência. São Paulo: Ixtlan, 2013.

COLOMBO, Cristovão. Diários de descoberta da América: as quatro viagens e o testamento. Tradução de Milton Persson. São Paulo: L&PM Pocket, 1984.

CORDEIRO, Florêncio; LIMA, Ademar dos Santos; CRUZ, Aline; CASTRO, Ana Júlia Miranda; SOUSA, Rosineide Magalhães. Mayé yamunhã bũgu: uma abordagem sociolinguística sobre a origem do casco de madeira. Brasília: Cambridge Open Engage, 2020.

DAVIES, Douglas. The evocation symbolism of trees. In: COSGROVE, Denis; DANIELS, Stephen. (Ed.). The iconography of landscape: essays on the symbolic representation, design and use of past environments. Cambridge: University Press, 2002; p. 32-42.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

HYMES, Dell. Foundations in sociolinguistics: an ethnographic approach. Philadelphia: University of Pennylvania Press, 1972.

IBGE. Panorama de Manaus. IBGE, [s.l.], [s.d.]. Disponível em: http://cod.ibge.gov.br/3WL. Acesso em: 29 out. 2020.

ISAIAS. Sagrada Bíblia Católica: Antigo e Novo Testamentos. Tradução de José Simão. São Paulo: Sociedade Bíblica de Aparecida, 2008. 1118 p.

JUNG, Carl Gustav. O homem e seus símbolos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1995.

KANT, Emmanuel. Crítica da faculdade do juízo. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

LEWIS, Alice Carrol. Landscape in the Mind. In: RODBELL, Phillips D. (Ed.). Proceedings of fourth urban forestry conference. Missouri: The American Forest Association, 1990.

NÉMETH, Peter Santos. O feitio da canoa caiçara de um só tronco: a cultura imaterial de uma nação, em 25 linhas. São Paulo: Instituto Costa Brasilis, 2011. (Dossiê)

PAIVA, Vera Lúcia Menezes de Oliveira. Manual de pesquisa em estudos linguísticos. São Paulo: Parábola, 2019.

PROFESSORES INDÍGENAS (P1; P2; P3; P4; P5). Gravação de conversas e narrativas. [jul. 2016]. Pesquisa de observação participante: Ademar dos Santos Lima. Manaus, 2018. 1 arquivo .mp3 (90 min.).

PUREMANÃ, Kim. Fotografias dos cascos do Tarumã Açú. 2020. 2 fotografias.

QUEIXALÓS, Fancesc; RENAULT-LESCURE, Odile. (Org.). As línguas amazônicas hoje. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2000.

RODRIGUES, Aryon Dall'Igna. Línguas brasileiras: para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo: Edições Loyola, 2013.

SOUZA, Rafaela. Biomas brasileiros. Brasil Escola, [s.l.], [s.d.]. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/brasil/biomas-brasileiros.htm. Acesso em: 19 jul. 2020.

STEEGE, Hans ter; PITMAN, Nigel; SABATIER, Daniel. Hyperdominance in the Amazonian tree Flora. Science, Exeter, v. 342, n. 6156, p. 29, 2013

TARALLO, Fernando. A pesquisa sociolinguística. 7. ed. São Paulo: Ática, 2003.

WUNENBURGER, Jean-Jacques. La vie des images. Grenoble: Presses Universitaires de Grenoble, 2002.

Publicado
2021-08-16