Os conhecimentos dos guardiões dos modos de ser – teko jára, habitantes de patamares de existência tangíveis e intangíveis e a produção dos coletivos kaiowá e guarani

Palavras-chave: kaiowá e guarani, cosmologia indígena, gestão territorial

Resumo

O artigo reflete sobre os conhecimentos mobilizados na produção e reprodução dos coletivos kaiowá e guarani no MS, considerando o sistema de conhecimento por eles definido como tradicional – ava reko ymaguare. Tal sistema se articula a partir de princípios basilares na construção da pessoa e na conduta social. As frentes de expansão econômica impuseram o confinamento territorial e, nesse cenário adverso, os líderes elaboram estratégias de transformação em seu próprio sistema social, experimentando formas de agremiações coletivas, por eles denominadas de ava reko pyahy. Assim, os xamãs – Ñanderu – acionam referenciais do próprio sistema de conhecimentos para compreender, transformar e transgredir o confinamento territorial e a escassez de recursos ambientais. Os Ñanderu persistem no esforço de levantar parentelas e aldeias, em conexão com os teko jára, guardiões de modalidades de ser, efetivadas em planos de existência tangíveis e intangíveis, insistindo na conectividade entre os diversos planos do cosmos.

 

Biografia do Autor

Eliel Benites, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

Doutor em Geografia pela Universidade Federal da Grande Dourados – UFGD, Mestre em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Graduado em licenciatura indígena pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Professor no curso de Licenciatura Intercultural Indígena - Teko Arandu na UFGD.

Levi Marques Pereira, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

Doutor em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo - USP. Mestre em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Graduado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCCAMP). Professor no curso de Licenciatura Intercultural Indígena - Teko Arandu na UFGD e nos programas de pós-graduação em Antropologia e História da mesma instituição.

Referências

BENITES, Eliel. Tekoha Ñeropu’ã: aldeia que se levanta. Revista NERA, Presidente Prudente, v. 23, n. 52, p. 19-38, 2020. [Dossiê].

BENITES, Eliel. Oguata Pyahu (uma nova caminhada) no processo de desconstrução e construção da educação escolar indígena da reserva indígena Te’ýikue. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS, 2014.

BENITES, Tonico. Rojerokyhina ha roikejevytekohape (rezando e lutando): o movimento histórico dos AtyGuasu dos Ava Kaiowa e dos Ava Guarani pela recuperação de seus tekoha. 2014. Tese (Doutorado em Antropologia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 2014.

BRAND, Antonio Jacó. O impacto da perda da terra sobre a tradição Kaiowa/Guarani: os difíceis caminhos da Palavra. 1997. Tese (Doutorado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 1997.

DESCOLA, Philippe. La selva culta: simbolismo y praxis en la ecología de los Achuar. México: ABYA-YALA, 1988

GALLOIS, Dominique Tilkin. O movimento na cosmologia Waiãpi: criação, expansão e transformação do universo. 1988. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 1988.

NASCIMENTO, Silvana Jesus. A circulação de crianças guarani e kaiowá: entre políticas e moralidades. 2020. Tese (Doutorado em Antropologia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2020.

PEREIRA, Levi Marques. Imagem Kaiowá do sistema social e seu entorno. 2004. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2004.

PEREIRA, Levi Marques. Os Kaiowá em Mato Grosso do Sul: módulos organizacionais e humanização do espaço habitado. Dourados: UFGD, 2016.

PIERRI, Daniel Calazans. O perecível e o imperecível: reflexões guarani mbyá sobre a

existência. São Paulo: Editora Elefante, 2018.

SCHADEN, Egon. Aspectos fundamentais da cultura Guarani. 30. ed. São Paulo: EPU/EDUSP, 1974.

SOARES, Elemir. Transformações nos papéis desempenhados pelas lideranças tradicionais na reserva indígena de Caarapó, a partir da entrada de líderes evangélicos

(1980-2017). 2020. Dissertação (Mestrado em história) – Universidade Federal da Grande, Dourados, MS, 2020.

SOARES-PINTO, Nicole. De coexistências: sobre a constituição de lugares djeoromitxi. R@u, Florianópolis, v. 9, n. 1, p. 62-82, jan./jun. 2017.

VALIENTE, Celuniel Aquino. Modos de produção de coletivos kaiowá na situação atual da reserva de Amambai, MS. 2019. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2019.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A inconstância da alma selvagem – e outros ensaios de Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.

Publicado
2021-08-16
Seção
Dossiê: Povos Indígenas, Populações Tradicionais e os Estudos Críticos do Desenv