Foras-da-História

Palavras-chave: história, banco mundial, desenvolvimento, povos indígenas

Resumo

Esse texto, ao debruçar-se sobre um dispositivo técnico elaborado pelo banco mundial, que dispõe sobre projetos de desenvolvimento para povos indígenas e da África Subsaariana, busca examinar que espécie de juízo estaria posto ao se pensar as noções de história e de diferença em termos daquilo que lhe faltaria a essas populações quando comparadas ao nosso próprio regime de existência. Assim, ao se indagar sobre o que se encontra em questão ao se pensar esses coletivos como gente “fora da história”, esse texto busca retornar à alguma discussão em antropologia sobre a noção de história, bem como ao material etnográfico sobre os Ayoreo, um povo falante de uma língua Zamuco que habita a região do Chaco Paraguaio.

Biografia do Autor

Leif Grünewald, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Doutor e mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Graduado em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Realizou estágio de pós-doutoramento no programa de pós-graduação em Antropologia na Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), e foi professor visitante no mesmo programa de pós-graduação. Atuou em 2019 como visitante na Escola de Ciências Sociais da University of Kwazulu-Natal (UKZN), na África do Sul. Realizou estágio de pós-doutoramento no Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e atualmente encontra-se vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica da PUC-Rio e como pesquisador externo/visitante na Université Toulouse IIJean Jaurès. Tem interesse na área de Etnologia Indígena, particularmente em dois aspectos dessa subdisciplina: (1) regimes indígenas de produção de conhecimento e conexão com os modelos sociocosmológcios de coletivos ameríndios das terras baixas da América do Sul; e (2) na articulação de ideias ameríndias transmitidas etnograficamente com determinadas ideias referenciais de alguma filosofia da diferença.

Referências

BLASER, Mario. The charnacoco endurance: global politics in the local village. 1997. Dissertação (Mestrado em Antropologia e Sociologia) – Universidade Carleton, Canadá, Ottawa, 1997.

CLASTRES, Pierre. Arqueologia da violência. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

DELEUZE, Gilles. L’Image Mouvement. Paris: Éditions de Minuit, 1983.

DELEUZE, Gilles. Difference et Répetition. Paris: Presses Universitaires de France, 1968.

FAUSTO, Carlos; HECKENBERGER, Michael. Time and memory in indigenous Amazonia. Gainesville: Florida University Press, 2007.

FISCHERMANN, Bernd. Zur weltsicht des ayoréode ostboliviens. Bonn: Rheinischen Friedrich-Wilhelms-Universität, 1988

GOLDMAN, Marcio. Alguma antropologia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999.

GRÜNEWALD, Leif. O fascismo dos homens bons: sobre padres e os ayoréode do alto Paraguay. 2015. Tese (Doutorado em Antropologia) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, 2015.

LÉVI-STRAUSS, Claude. La Pensée Sauvage. Paris: Plon, 1962.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Race et histoire. Paris: UNESCO, 1952.

MELATTI, Julio Cezar. O messianismo krahó. São Paulo: Herder, 1972.

OVERING, Joanna. O mito como história: um problema de tempo, realidade e outras questões. Mana, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 107-40, 1995.

VILLAGRA, Rodrigo. The two shamans and the owner of the cattle: alterity, storytelling and shamanism amongst the angaité of the paraguayan Chaco. 2010. Tese (Doutorado em Antropologia) – Universidade de Saint Andrews, Escócia, Saint Andrews, 2010.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Metaphysiques cannibales: lignes d'anthropologie post-structurale. Paris: Presses Universitaires de France, 2010.

Publicado
2021-08-16
Seção
Dossiê: Povos Indígenas, Populações Tradicionais e os Estudos Críticos do Desenv