Ava reko como resistência dos Kaiowá e a instalação de uma Missão Protestante para a integração dos Kaiowa de Ka’aguyrusu em Douradina, MS

Palavras-chave: Kaiowá e Guarani, tekohá, espiritualidade

Resumo

Este artigo pretende explorar a forma como uma missão protestante influenciou no relacionamento dos indígenas Kaiowá com o tekoha (lugar de viver), as implicações que se deram a partir da introdução da crença monoteísta em uma única divindade, também como se deu o relacionamento desses indígenas com a crença protestante. Partimos da ideia de que a percepção do mundo para os Kaiowá possui especificidades únicas, e que essas refletem diretamente na forma de ser (Ava Reko), de se relacionar entre si, com a natureza e o cosmos. Com isso a vida (teko) desses indígenas é vivida a partir destas perspectivas, sempre perpassando pela ótica espiritual e consequentemente refletindo na forma organizacional dessas comunidades.

Biografia do Autor

Gileandro Barbosa Pedro, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

Doutorando em História pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Mestre em História pela UFGD. Graduado em Matemática pelo Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN). Professor na Secretaria de Educação de Douradina, MS (Aldeia Panambi).

Ebifânia da Silva Ortiz, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

Mestranda em Antropologia pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Graduada em Ciências Sociais pela UFGD. Professora na Secretaria de Educação de Douradina, MS (Aldeia Panambi).

Referências

CAVALCANTE, Thiago Leandro Vieira. Colonialismo, território e territorialidade: a luta pela terra dos Guarani e Kaiowa em Mato Grosso do Sul. Assis: UNESP, 2013.

CRESPE, Aline C. L. Mobilidade e temporalidade Kaiowá: do tekoha à reserva, do tekoharã ao tekoha. 2015. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal da Grande Dourados, Cidade, MS, 2015. Disponível em: http://www.ppghufgd.com/wp-content/uploads/2017/02/Aline-Castilho-Crespe_tese.pdf. Acesso em: 6 jun. 2020.

FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO [Funai]. Requerimento de autorização para atuação de missionário entre os Indígena, de 15 jan. 1970. Dourados: FUNAI, 1970. Disponível em: http://www.docvirt.com/docreader.net/DocReader.aspx?bib=MI_Arquivistico&Pesq=%22miss%c3%a3o%20Evang%c3%a9lica%20pr%c3%b3%20reden%c3%a7%c3%a3o%22&pagfis=133920. Acesso em: 5 jun. 2020.

GRESSLER, Lori Alice; SWENSSON, Lauro Jopperet. Aspectos históricos do povoamento e da colonização do Estado do Mato Grosso do Sul: Destaque especial ao município de Dourados. São Paulo: Dag Gráfica e Editorial Ltda, 1988.

JOÃO, Izaque. Jakaira Reko Nheypyrũ; Marangatu Mborahéi: origem e fundamentos do canto ritual Jerosy Puku entre os Kaiowá de Panambi, Panambizinho e Sucuri’y. 2011. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2011.

MORAES, José Augusto dos Santos. A presença Kaiowá na antiga vacaria: (re)ocupação territorial e (des)fragmentação social (1830-2017). 2020. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2020.

MOTA, Juliana Grasiéli Bueno. Territórios, multiterritorialidades e memórias dos povos Guarani e Kaiowá: diferenças geográficas e as lutas pela des-colonização na reserva indígena e nos acampamentos-tekoha – Dourados/MS. 2015. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Presidente Prudente, SP, 2015.

PEREIRA, Levi Marques. Os Kaiowá em Mato Grosso do Sul: módulos organizacionais e humanização do espaço habitado. Dourados: UFGD, 2016.

VIETTA, Katya. "Pastor dá conselho bom": missões evangélicas e igrejas neopentecostais entre os Kaiowá e os Guarani em Mato Grosso do Sul. Tellus, Campo Grande, n. 4, p. 109-35, 2003.

Publicado
2021-08-16
Seção
Dossiê: Povos Indígenas, Populações Tradicionais e os Estudos Críticos do Desenv