Visões Kaiowá sobre os suicídios

  • Katya Vietta

Resumo

O alto de índice de suicídios levou os Kaiowá e Guarani, ao longo do ano de 1995 – ano em que se evidencia o maior índice –, a promoverem uma série de reuniões, com a participação de lideranças políticas e religiosas, além de vários segmentos da população. As reuniões tiveram como propósito discutir o problema e buscar alternativas para minimizá-lo. Os depoimentos a seguir retratam alguns aspectos que permearam essas discussões. Os caciques Júlio Lopes e Hortêncio Ricalde foram entrevistados por ocasião da primeira reunião, realizada para tal objetivo, ocorrida, na Reserva Indígena de Caarapó. Suas análises sobre os suicídios destacam os aspectos de caráter cosmológico, que permeiam o fenômeno, enfatizando, entre outros aspectos, o destino da alma humana após a morte. O depoimento de Feliciano Gonçalves, antiga liderança política da reserva de Caarapó, centra-se em uma abordagem socioeconômica, relacionando, entre outros fatores, a falta de perspectiva na produção e o alcoolismo à prática do suicídio.
Publicado
2014-11-18
Seção
Documentos