A caça e os caçadores Tapirapé da Aldeia Tapi’itãwa

Palavras-chave: conhecimento tradicional, alimentação, povos indígenas, Mato Grosso

Resumo

O artigo discute a importância da caça no universo do povo Tapirapé. Estudamos as práticas de caça, as cosmologias, os rituais e o processo de formação do homem caçador a partir dos princípios da cultura Tapirapé. A caça exerce papel fundamental na soberania e segurança alimentar das famílias indígenas, sendo o porcão/queixada uma das carnes preferidas, tanto para a alimentação cotidiana como para os rituais e festas. Desenvolvemos o estudo a partir de uma perspectiva etnográfica, com o emprego de entrevistas e observação participante. O estudo foi conduzido na aldeia Tapi’itãwa, em Mato Grosso, durante o período de abril a dezembro de 2018. A caça, por fim, é um universo que envolve questões de ordem material e simbólica, por isso é tão fundamental na cultura e na vida do povo Tapirapé.

Biografia do Autor

Edivaldo Soares Silva, Universidade do Estado de Mato Grosso (UFMT)

Mestre em Ciências Ambientais pela Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat). Secretário Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, Turismo e Comércio de Confresa, MT.

Flávio Bezerra Barros, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Mestre em Ciências Biológicas (Zoologia) pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Doutor em Biologia da Conservação pela Universidade de Lisboa, Portugal. Professor associado do Instituto Amazônico de Agriculturas Familiares da Universidade Federal do Pará (INEAF/UFPA). Professor permanente nos Programas de Pós-Graduação em Antropologia (PPGA) e Agriculturas Amazônicas (PPGAA) da UFPA e em Ciências Ambientais (PPGCA) da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat). Bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq. Líder do Grupo de Estudos Interdisciplinares sobre Biodiversidade, Sociedade e Educação na Amazônia (BioSE/CNPq).

Referências

ALMEIDA, Angela Maria de Oliveira. A pesquisa em representações sociais: fundamentos teórico-metodológicos. Serviço Social, v. 9, p. 129-58, 2001.

ARRUDA, Angela. Despertando do pesadelo: a interpretação. In: MOREIRA, A. S. P et al. Perspectivas teórico-metodológicas em representações sociais. João Pessoa: Editora Universitária – UFPB, 2005.

BALDUS, Herbert. Tapirapé: tribo Tupi no Brasil Central. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1970.

BARROS, Flávio Bezerra. Os caçadores do Riozinho do Anfrísio: saberes e práticas culturais entre narrativas e imagens. Muiraquitã: Revista de Letras e Humanidades, v. 5, n. 1, p. 152-86, 2017.

BECHELANY, Fabiano Campelo. Suasêri: a caça e suas transformações com os Panará. 2017. 316 f. Tese (Doutorado em Antropologia) - Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

BELTRÁN, Enrique. La administración de la fauna silvestre. In: INSTITUTO MEXICANO DE RECURSOS NATURALES RENOVABLES. Mesas redondas sobre problemas de caza y pesca deportivas en México. México: Ediciones del Instituto Mexicano de Recursos Naturales Renovables, 1966. p. 225-59.

BRASIL. Decreto de 8 de setembro de 1998. Homologa a Terra Indígena Urubu Branco, no Estado de Mato Grosso. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/dnn/Anterior%.htm. Acesso em: 19 mar. 2019.

COOKE, Richard G. Los habitos alimentarios de los indigenas precolombinos de Panama. Revista Médica Panamá, v. 6, n. 1, p. 65-89, 1981.

CUNHA, Manuela Carneiro; ALMEIDA, Mauro Barbosa. Enciclopédia da Floresta. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

DAMATTA, Roberto. O que faz o Brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

FIGUEIREDO, Rodrigo Augusto Alves; BARROS, Flávio Bezerra. A comida que vem da mata: conhecimentos tradicionais e práticas culturais de caçadores na Reserva Extrativista Ipaú-Anilzinho. Fragmentos de Cultura, v. 25, n. 2, p. 193-212, abr./jun. 2015.

FIGUEIREDO, Rodrigo Augusto Alves de; BARROS, Flávio Bezerra. Caçar, preparar e comer o ‘bicho do mato’: práticas alimentares entre os quilombolas na Reserva Extrativista Ipaú-Anilzinho (Pará). Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Ciências Humanas, v. 11, n. 3, p. 691-713, set./dez. 2016a.

FIGUEIREDO, Rodrigo Augusto Alves de; BARROS, Flávio Bezerra. Sabedorias, cosmologias e estratégias de caçadores numa unidade de conservação da Amazônia. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 36, p. 223-37, abr. 2016b.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1978.

LINARES, Olga F. “Garden Hunting” in the American Tropics. Human Ecology, v. 4, n. 4, p. 331-49, 1976.

LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso. A Pesquisa em educação: abordagem qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MAIA, Lícia de Souza Leal. Vale a pena ensinar matemática. In: BORBA, Rute; GUIMARÃES, Gilda (Org.) A pesquisa em educação Matemática: repercussões na sala de aula. São Paulo: Cortez, 2009.

OJASTI, Juhani; DALLMEIER, Francisco (Ed.). Manejo de Fauna Silvestre Neotropical. SI/MAB. Washington D.C: Smithsonian Institution/MAB Biodiversity Program, 2000. [Series # 5].

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O trabalho do antropólogo. 2. ed. Brasília: Paralelo 15; São Paulo: Editora Unesp, 2000.

RAMOS, Alcida Rita. Sociedades Indígenas. São Paulo: Editora Ática, 1988.

SANTOS-FITA, Dídac; NARANJO, Eduardo; RANGEL-SALAZAR, José Luís. Wildlife uses and hunting patterns in rural communities of the Yucatan Peninsula, Mexico. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, v. 8, n. 28, 2012.

SILVERWOOD-COPE, Peter L. Os makú: povo caçador do Noroeste da Amazônia. Brasília: Editora da UnB. Coleção Pensamento Antropológico, 1990.

SOUSA, Fagner Freires de; VIEIRA-DA-SILVA, Camila; BARROS, Flávio Bezerra. ‘Comida do sítio, comida de festa’: apropriações e usos alimentares do miriti nos contextos rural e urbano de Abaetetuba, Pará. Acta Scientiarum: Humam and Social Science, Maringá, v. 38, n. 2, p. 143-51, 2016.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Araweté: o povo do Ipixuna. São Paulo: Cedi, 1992.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio. Mana, v. 2, n. 2, p. 115-44, 1996.

WAGLEY, Charles. Lágrimas de boas-vindas: os índios Tapirapé do Brasil. Tradução de Elizabeth Mafra Cabral Nasser; revisão técnica de Berta G. Ribeiro. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1988. (Coleção Reconquista do Brasil, 2ª série; v. 147).

WOORTMANN, Klaas. Quente, frio e reimoso: alimentos, corpo humano e pessoas. Caderno Espaço Feminino, v. 19, n. 1, jan./jul. 2008.

Publicado
2020-11-12