Constituindo uma pesquisa autoetnográfica a partir da minha trajetória e concepção intercultural Kaiowá

  • Lidio Cavanha Ramires Programa de Pós-Graduação em Educação - Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Resumo

O presente artigo apresenta minha trajetória de vida como Kaiowá e a sua influência no esboço da pesquisa autoetnográfica, no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE), da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). A autoetnografia que construí no mestrado é a partir do campo empírico estruturado na comunidade Kaiowá e Guarani, falante da língua materna do tronco linguístico Tupi Guarani, na Reserva Indígena Te’ýikue, município de Caarapó, Mato Grosso do Sul (MS). Para isso, foi possível constituir os processos metodológicos da pesquisa, a partir dos aportes teóricos dos estudos culturais, pós-críticos e colonialidade do saber que potencializam e estabilizam os saberes holísticos Kaiowá e Guarani, para dialogar com o conhecimento científico. Nesse sentido, vislumbra que a pesquisa transita entre a educação Kaiowá e Guarani, educação escolar indígena, as teorias já constituídas e a autoetnografia, evidenciando os processos de produção de dados no dia a dia que percorremos (como Kaiowá e Guarani), acontecem em movimentos de ziguezaguear. No caso desta pesquisa, destaco que o desenvolvimento se constituiu com o princípio de autoetnografia, a partir da vivência e experiência de vida no berço cultural da educação Kaiowá e Guarani; desde a minha infância vivi e convivi, perpassando em todas as fases, praticando os afazeres, os valores e constituindo-os saberes conforme o fundamento da educação Kaiowá e Guarani. Nessa concepção, os passos utilizados para o desenvolvimento da presente pesquisa eu denomino como autoetnografia, porque trazem concepções holísticas de dentro para fora no campo epistêmico. Como membro da comunidade, oriundo do mundo Kaiowá e Guarani e falante da língua materna, aproprio-me do mundo letrado para trazer e ressignificar os saberes Kaiowá e Guarani a partir da nossa cosmovisão, potencializando-o como ciência, onde vai desterritorializar o campo empírico da nossa pesquisa, abrindo caminhos para os novos territórios da pesquisa.

Palavras-chaves: educação Kaiowá e Guarani; educação escolar indígena; saberes tradicionais; processo próprio de ensino-aprendizagem.

 

Biografia do Autor

Lidio Cavanha Ramires, Programa de Pós-Graduação em Educação - Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)
Possui Magistério Ára Vera, formação de professores Guarani e Kaiowá em nível médio (2002); Graduação em Licenciatura Intercultural Indígena pela Universidade Federal da Grande Dourados (2011). Mestrando na Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) no Programa de Pós-Graduação em Educação, turma 2014, na linha de pesquisa Diversidade Cultural e Educação Indígena e bolsista do Observatório de Educação - OBEDUC/UCDB/CAPES e pesquisador da Ação Saberes Indígenas na Escola no Cone Sul de Mato Grosso do Sul pela IES - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Núcleo Universidade Federal da Grande Dourados. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em MATEMÁTICA E EDUCAÇÃO INTERCULTURAL, atuando principalmente nos seguintes temas: kaiowá e guarani, estudos culturais, processo próprio de ensino-aprendizagem, metodologia pós-críticas em educação e educação escolar indígena.

Referências

BATISTA, Teresinha Aparecida da Silva. A luta por uma escola indígena em Te’ Yikue, Caarapó/MS. 2005. 155f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS, 2005.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BENITES, Eliel. Oguata Pyahu (uma nova caminhada) no processo de desconstrução e construção da educação escolar indígena da Aldeia Te’ýikue. 2014. 130f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS, 2014.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Tradução de Miryan Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

BRAND, A. J. Memória e história entre os Kaiowá/Guarani ou até onde o presente segue como ponte pela qual o passado constrói o futuro? História Unisinos, São Leopoldo, RS, v. 6, n. 6, p. 285-306, 2002.

______. Programa Kaiowá/Guarani - um trabalho de parceria em favor dos Kaiowá/Guarani. Multitemas, Campo Grande, MS, n. 4, p. 45-67, out. 1997.

COSTA, Marisa Vorraber. Novos olhares na pesquisa em Educação. In: COSTA, M. V. (Org.). Caminhos investigativos: novos olhares na pesquisa em educação. Rio de Janeiro: PD&A, 2002. p. 13-22.

DONALD, James. Liberdade bem-regulada. In: SILVA, Tomaz Tadeu (Org.). Pedagogia dos monstros: os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 61-88.

FRANCO, Maria Amélia do R. Santoro. A metodologia de pesquisa educacional como construtora da práxis investigativa. Nuances, Presidente Prudente, SP, n. 9-10, p. 189-208, 2003.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves. Metodologias de pesquisa pós-critica ou sobre como fizemos nossas investigações. In: MEYER, D. E.; PARAÍSO, M. A. (Org.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012. p. 15-22.

NASCIMENTO, Adir Casaro; XAVIER, Cláudia Pereira; VIEIRA, Carlos Magno Naglis. Os “outros” e os espaços educativos de Mato Grosso do Sul: diferenças culturais e educação. In: NASCIMENTO, Adir Casaro; LOPES, Maria Cristina Paniago; BITTAR, Mariluce (Org.). Relações interculturais no contexto de inclusão. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2012. (Série Educação Geral, Educação Superior e Formação Continuada do Educador).

PARAÍSO, Marilucy Alves. Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação e currículo: trajetórias, pressupostos, procedimentos e estratégias analíticas. In: MEYER, D. E.; PARAÍSO, M. A. (Org.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012. p. 23-45.

Publicado
2016-08-29