A construção da identidade guarani no período colonial

  • Celuniel Aquino Valiente Universidade Federal da Grande Dourados
Palavras-chave: identidade, Guarani, período colonial.

Resumo

Com o intuito de fornecer subsídios para o entendimento da instituição do saber colonial, o artigo pretende esboçar uma análise acerca de como se construiu, ao longo do período colonial, uma identidade “guarani” entre as sociedades indígenas que estão situadas no atual estado de Mato Grosso do Sul. Através do exame da bibliografia sobre o tema, percebeu-se que a construção, tanto material/territorial como simbólica, de grupos sociais que se identificam (ou são identificados) como “guarani” somente pode ser compreendida por meio da análise das experiências políticas, impostas pelos colonizadores, que tentaram uniformizar e subalternizar sociedades culturalmente heterogêneas.

Biografia do Autor

Celuniel Aquino Valiente, Universidade Federal da Grande Dourados
Granduado em Ciências Sociais (UEMS) e Mestrando em Antropologia (UFGD)

Referências

BENITES, Tonico. Índios que vivem em reservas estão confinados, diz líder guarani-kaiowá. Entrevista concedida a Paula Bianchi. UOL, Notícias, Rio de Janeiro, 23 nov. 2015. Disponível em: <http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2015/11/23/os-indios-que-vivem-em-reservas-estao-confinados.htm>. Acesso em: 20 jun. 2016.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

BRAND, A. J. O confinamento e seu impacto sobre os Paì-Kaiowá. 1993. Dissertação (Mestrado em História) – Pontifícia Universidade Católica (PUC-RS), Porto Alegre, RS, 1993.

CHAMORRO, G. Historia Kaiowá. Das origens aos desafios contemporâneos. São Bernardo do Campo: Nhanduti Editora, 2015.

CONFLITOS de direitos sobre as terras Guarani Kaiowá no estado de Mato Grosso do Sul. Conselho Indigenista Missionário – Regional Mato Grosso do Sul; Comissão Pró Índio de São Paulo; Procuradoria Regional da República da 3ª região. São Paulo: Palas Athena, 2000.

FREITAS DA SILVA, A. L. Reduções Jesuítico-Guarani: espaço de diversidade étnica. São ­Bernardo do Campo: Nhanduti Editora, 2013.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. São Paulo: DP&A Editora. 2003.

HALL, S. Quem precisa de identidade. In: SILVA, Tomaz Tadeu; HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Editora Vozes, 2008.

MALDI, Denise. De confederados a bárbaros: a representação da territorialidade e da fronteira indígenas nos séculos XVIII e XIX. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 40, n. 2, 1997.

MARTINS, G. R. Breve painel etno-histórico de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: Editora UFMS, 2002.

PEREIRA, Levi M. Mobilidade e processos de territorialização entre os Kaiowá atuais. Revista Eletrônica Historia em Reflexão, Dourados, v. 1, n. 1, 2007.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. Buenos Aires: CLACSO. 2005

SOUSA, N. M. A redução de Nuestra Señora de la Fe no Itatim: entre a cruz e a espada. Campo Grande: UCDB, 2004.

VERON, Valdelice. Paletra proferida. In: ENCONTRO DE ACADÊMICOS INDÍGENAS DE MATO GROSSO DO SUL, 8., 13 e 14 nov. 2015, Dourados, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul.

VIETTA, Katya. Histórias territoriais: a privatização das terras kaiowá como estratégia para a guarnição da fronteira brasileira e outras histórias. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 7, n. 2, p. 26-63, jul./dez. 2013.

Publicado
2017-09-01
Seção
Escritos Indígenas