Antropologias latino-americanas – por uma crítica decolonial

  • Esmael Alves de Oliveira Universidade Federal da Grande Dourados
  • Augusto Marcos Fagundes Oliveira Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)
Palavras-chave: decolonialidade, subalternidades, resistências, políticas, po-éticas.

Resumo

O que diferentes autores latino-americanos nos ajudam a pensar em relação à especificidade da América Latina e que, de algum modo, permanecem invisibilizados nas discussões hegemônicas? Se a antropologia e o fazer antropológico se constituem enquanto uma política de conhecimento (ALMEIDA, 2004; RIBEIRO, 2006), seria a produção latino-americana uma alternativa de contraposição ao establishment, ou seja, de des-centramento das lógicas eurocêntricas? Seria uma posição efetivamente plural, na qual se celebra a diversidade com estratégias que subverteriam práticas e paradigmas monolíticos? Tais produções acadêmicas agenciariam a emergência de sujeitos periféricos, muitas vezes invisibilizados nos contextos locais, à produção intelectual? Tomando como base essas indagações e à luz das reflexões de pensadores latino-americanos, buscamos refletir algumas estratégias para uma práxis antropológica decolonial.

Biografia do Autor

Esmael Alves de Oliveira, Universidade Federal da Grande Dourados
Professor Adjunto-1, em regime de dedicação exclusiva, do curso de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Antropologia (PPGAnt) da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Federal da Grande Dourados (FCH/UFGD). Possui graduação em Licenciatura Plena em Filosofia pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM (2007); Especialização em Antropologia -UFAM (2008); Mestrado em Antropologia Social - PPGAS/UFAM (2009); Doutorado em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina - PPGAS/UFSC (2014), com estágio doutoral na Universidade Eduardo Mondlane (UEM/Moçambique). Pesquisador vinculado ao Núcleo de Estudos de Identidades e Relações Interétnicas (NUER/UFSC) e ao Grupo de Pesquisa sobre Justiça, Multiculturalismo e Sociedade (DIVERSO/UFGD). Membro do Comitê de Antropologia Visual da Associação Brasileira de Antropologia - ABA (Gestão 2015-2016). Áreas de interesse: Antropologia Urbana, Antropologia do Corpo e da Saúde, Gênero e Sexualidade.
Augusto Marcos Fagundes Oliveira, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)
Doutor em Antropologia Social (PPGAS/UFSC), professor do curso de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Letras: linguagens e representações da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC).

Referências

ALMEIDA, Mauro W. B. de. A etnografia em tempos de guerra: contextos temporais e nacionais do objeto da antropologia. In: PEIXOTO, Fernanda Arêas; PONTES, Heloísa; SCHWACZ, Lilia Moritz (Org.). Antropologias, histórias, experiências. Belo Horizonte: Editora da Universidade Federal de Minas Gerais, 2004. p. 61-81.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ANDREWS, George Reid. América afro-latina: 1800-2000. São Carlos, SP: EdUFSCar, 2014.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

CASTAÑEDA, Carolina. Pensamentos críticos desde e para a América Latina. Caderno IHU, São Leopoldo, RS, ano 11, n. 44, p. 9-15, 2013.

CENTRO CULTURAL ANTONIO CARLOS CARVALHO. Ensaio Aberto inaugura Armazém da Utopia, na Zona Portuária, no Armazém 6, com Tributo ao Dia da Consciência Negra. 19 nov. 2010. Disponível em: <http://www.cecac.org.br/Coluna/Cia.Ens.Aberto-A_Pedra_do_Cais-20.11.10.htm>. Acesso em: 21 jan. 2012.

CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: Antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1998.

D’SOUZA, Radha. As prisões do conhecimento: pesquisa ativista e revolução na era da “globalização”. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010.

ENSAIO ABERTO. Uma pequena história da companhia ensaio aberto. [s.d.]. Disponível em: <http://www.ensaioaberto.com/peqhistoria.htm>. Acesso em: 26 nov. 2011.

______. A ciência de um novo público. [s.d.]. Disponível em: <http://www.ensaioaberto.com/cnp.htm>. Acesso em: 26 nov. 2011.

ESCOBAR, Arturo. El lugar de la naturaliza y la naturaliza del lugar: ¿globalización o ­postdesarrollo? In: LANDER, Edgardo (Org.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciências sociales – perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

FOUCAULT, Michel. O discurso não deve ser considerado como... In: ______. Ditos e escritos – arte, epistemologia, filosofia e história da medicina. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2011.

______. Microfísica do poder. 24. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2007.

GILROY, Paul. Entre campos: nações, culturas e o fascínio da raça. São Paulo: Annablume, 2007.

______. O atlântico negro: modernidade e dupla consciência. São Paulo/Rio de Janeiro: Editora 34/Universidade Cândido Mendes/Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001.

GRASSI, Antonio. Abertura. In: INSTITUTO ENSAIO ABERTO. Ensaio aberto. 1. ed. Rio de Janeiro: Instituto Ensaio Aberto, 2012.

LANDER, Edgardo. Ciencias sociales: saberes coloniales y eurocéntricos. In: LANDER, Edgardo (Comp.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2003.

LLANCAQUEO, José L. Cabrera. Derechos humanos de los pueblos indígenas, producción de discurso e intelectuales indígenas. In: TAPIA, Pedro Canales; REA, Carmen (Ed.). “Claro de luz” - descolonización e intelectualidades Indígenas en Abya Yala, siglos XX y XXI. Santiago, Chile: IDEA-USACH, 2013.

LOBO, Luiz Fernando. Uma tonelada por dia. In: COMPANHIA ENSAIO ABERTO. Caderno de apoio. Rio de Janeiro: Armazém da Utopia, 2011.

MEMMI, Albert. Retrato do colonizado precedido do retrato do colonizador. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

MENEZES, Elieyde Sousa de; OLIVEIRA, Esmael Alves de. Fascículo 25 – Movimento de lésbicas, gays, bissexuais e travestis de Manaus/Amazonas. Manaus: Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia, 2009.

MIGNOLO, Walter. Histórias locais/projetos globais. Colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003a.

______. La colonialidad a lo largo y a lo ancho: El hemisferio occidental en el horizonte colonial de la modernidad. In: LANDER, Edgardo (Comp.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2003b.

OLIVEIRA, Augusto Marcos Fagundes. Recomposiciones étnicas y construcción nacional: portugués y lenguas indígenas en Brasil. In: SBERRO, Stéphan; HARPELLE, Ronald N. (Org.). Language and power: a linguistic regime for North America. Ontario: Lakehead University, Centre for Northern Studies, 2013. Studies Series 22, p. 235-48.

PRATT, Mary Louise. Os olhos do império: relatos de viagem e transculturação. Bauru, SP: EDUSC, 1999.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciências sociales – perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

RESTREPO, Eduardo; ESCOBAR, Arturo. Antropologías en el mundo. Jangwa Pana – Revista de Antropología, Santa Marta, Colômbia, n. 3, p. 110-131, jul. 2004.

RIBEIRO, Gustavo Lins. Antropologias mundiais: para um novo cenário global na antropologia. Revista Brasileira de Ciências Sociais - RBCS, São Paulo, v. 21, n. 60, p. 147-85, fev. 2006.

SAID, Edward. Orientalismo: o oriente como invenção do ocidente. São Paulo: Cia das Letras, 2007.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: UFMG, 2010.

TAPIA, Pedro Canales. Intelectualidad indígena en América Latina: debates de descolonización, 1980-2010. Universum, Talca, Chile, v. 2, n. 29, p. 49-64, dez. 2014.

______. Descolonización e “intelectualidades étnicas” en Abya Yala, 1980-2010. In: TAPIA, Pedro Canales REA, Carmen (Ed.). “Claro de luz” - descolonización e intelectualidades Indígenas en Abya Yala, siglos XX y XXI. Santiago, Chile: IDEA-USACH, 2013.

VIANNA, Luiz Fernando. Entrevista com Luiz Fernando Lobo. In: INSTITUTO ENSAIO ABERTO. Ensaio aberto. 1. ed. Rio de Janeiro: Instituto Ensaio Aberto, 2012.

ZAPATA, Claudia (Comp.). Intelectuales indígenas piensan América Latina. Quito: Editorial Abya Yala, 2007. Serie Tinkuy, n. 2, Universidad Andina Simón Bolívar - Centro de Estudios Culturales Latinoamericanos de la Universidad de Chile.

Publicado
2017-12-19