Memória e movimento social: repercussões do NEIRO na formação docente indígena em Rondônia - do Projeto Açaí à Licenciatura Intercultural

  • Joselia Gomes Neves Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR)
Palavras-chave: novos movimentos sociais, Amazônia, formação docente indígena, NEIRO, interculturalidade.

Resumo

O texto em tela trata de uma reflexão sobre a importância dos novos movimentos sociais da Amazônia na tematização e redefinição de políticas públicas específicas a favor de grupos tradicionalmente excluídos. O objetivo foi analisar a atuação do Núcleo de Educação Escolar Indígena de Rondônia (NEIRO) no surgimento de dois eventos de formação docente indígena: o curso de magistério em nível médio, o Projeto Açaí (1998) e, posteriormente, o curso de graduação, a Licenciatura em Educação Básica Intercultural (2008). A elaboração deste estudo, desenvolvido em Ji-Paraná, Rondônia, ocorreu no segundo semestre de 2016 e meados do primeiro semestre de 2017. A metodologia adotada considerou, além da pesquisa bibliográfica, a pesquisa documental - materiais disponibilizados na internet, arquivos pessoais dos autores (fotografias, fôlderes) bem como registros memoriais. A sistematização final permite afirmar que o NEIRO teve um papel importante para as políticas públicas educacionais diferenciadas referentes à formação para professores e professoras indígenas em Rondônia, seja porque criou mecanismos de visibilidade junto ao poder público, seja porque contribuiu na elaboração dos projetos em perspectivas diferenciadas, tanto o Projeto Açaí como a Licenciatura Intercultural. 

Biografia do Autor

Joselia Gomes Neves, Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

Docente da Fundação Universidade Federal de Rondônia, Campus de Ji-Paraná. Vinculada ao  Departamento de Ciências Humanas e Sociais. Líder do Grupo de Pesquisa em Educação na Amazônia. Coordenadora da  Linha de Pesquisa Antropologia Etnopedagógica: Povos Indígenas, Interculturalidade e Currículo. joselia.neves@pq.cnpq.br

Referências

ABRANTES, Cristovão Teixeira. Da maloca à escola: uma análise da prática educativa e da formação de professores indígenas do povo Cinta Larga de Rondônia. 2007. 200f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente) - Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Porto Velho, 2007.

______. Organização dos professores indígenas de Rondônia e noroeste de Mato Grosso: relações com políticas públicas de educação e as escolas indígenas. In: MARFAN, Marilda Almeida (Org.). Congresso brasileiro de qualidade na educação: formação de professores. Brasília: MEC, SEF, 2002. v. 4.

______. A educação escolar indígena em Rondônia e o processo educacional dos Cinta Larga: uma abordagem sociocultural. 1998. Monografia (Especialização Metodologia do Ensino Superior) - Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Porto Velho, 1998.

BICALHO, Poliene Soares dos Santos. Protagonismo indígena no Brasil: movimento, cidadania e direitos (1970-2009). 2010. 468f. Tese (Doutorado em História) - Universidade de Brasília (UnB), Brasília, 2010.

BRASIL. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto n. 5.051, de 19 de abril de 2004. Convenção n. 169 da Organização Internacional do Trabalho - OIT sobre povos indígenas e tribais. Brasília, 2004.

FRANK, André Gunder; FUENTES, Marta. Dez teses acerca dos movimentos sociais. São Paulo: Lua Nova, 1989.

FREITAS, Marcos Antonio Braga de; TORRE, Iraildes Caldas. O papel do movimento indígena no processo de escolarização do ensino superior na Amazônia. Olhares Amazônicos - Revista Científica do Núcleo de Pesquisas Eleitorais e Políticas da Amazônia, Boa Vista, RR, v. 4, n. 1, p. 748-61, jan./jun. 2016.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOHN, Maria da Glória Marcondes. Movimentos sociais na contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 47, maio-ago. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v16n47/v16n47a05.pdf>. Acesso: 16 dez. 2016.

______ (Org.) Movimentos Sociais no início do século XXI: antigos e novos atores sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

______. Movimentos sociais e educação. São Paulo: Cortez, 1992.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo IBGE 2010. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/indigenas/mapas.html#mapas>. Acesso em: 6 mar. 2013.

ISIDORO, E. A. Situação sociolingüística do povo Arara: uma história de luta e resistência. 2006. 138f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2006.

LIMA, Antonio Carlos de Souza; BARROSO, Maria Macedo. A presença indígena na construção de uma educação superior universal, diferenciada e de qualidade. In: LIMA, Antonio Carlos de Souza; BARROSO, Maria Macedo (Org.). Povos indígenas e universidade no Brasil: contextos e perspectivas, 2004-2008. Rio de Janeiro: E-papers, 2013.

MIRANDA, Telma Guimarães de. Movimentos sociais no Brasil: balanço da literatura, 1970-1995. 1997. Tese (Doutorado em Ciências Sociais Aplicadas) – Universidade de São Paulo, SP, 1997.

NEVES, Josélia Gomes. O Curso de Licenciatura Intercultural na UNIR: historiografando interculturalidade. In: NEVES, Josélia Gomes et al. (Org.). Escolarização, cultura e diversidade: percursos interculturais. Porto Velho-RO: EDUFRO, 2013.

______. A psicogênese na aldeia: refletindo o processo de alfabetização com professores e professoras indígenas. Revista Partes, São Paulo, 2005. Disponível em: <http://www.partes.com.br/2005/10/25/a-psicogenese-na-aldeia-refletindo-o-processo-de-alfabetizacao-com-professores-e-professoras-indigenas/>.

RONDÔNIA, Estado [de]. Projeto Pedagógico do Curso: licenciatura em Educação Básica Intercultural. Ji-Paraná, 2008.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, 63, out. 2002. Disponível em: <https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/10810/1/Para%20uma%20sociologia%20das%20aus%C3%AAncias.pdf>. Acesso em: 10 mar. 2016.

VENERE, Mario Roberto. Projeto Açaí: uma contribuição à formação dos professores indígenas no Estado de Rondônia. 2011. 204f. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara, SP, 2011.

Publicado
2018-08-20