A política e seus outros: imagens sobre a ação política entre as/os Kaiowá e os/as Guarani

  • Diógenes Egídio Cariaga Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Santa Catarina
  • Lauriene Seraguza PPGAS/USP
Palavras-chave: cosmopolítica, transformações, Guarani, Kaiowá

Resumo

O contexto atual de vida dos Kaiowá e Guarani em Mato Grosso do Sul é marcado por intensas formas de mobilização e articulação política das famílias como forma de ação para pressionar o Estado em identificar e demarcar seus territórios de habitação tradicional. Neste texto, pretendemos, por meio das nossas reflexões e imagens produzidas através de nossas pesquisas, demonstrar que a vida social kaiowá e guarani é marcada por potentes e múltiplas relações entre eles e seus outros que configuram importantes modos como conceituam sua vida social. As fotos, em conjunto com texto apresentado, procuram dar relevo à ação do pensamento kaiowá como política na mediação e transformação da alteridade.

Biografia do Autor

Diógenes Egídio Cariaga, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Santa Catarina
doutorando em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina, mestre em História (História Indígena) pelo PPGH/UFGD e bacharel em Ciências Sociais pela UFMS. Atualmente desenvolve pesquisa sobre a ação política ameríndia entre os Kaiowá no Mato Grosso do Sul, com apoio financeiro do CPNq, INCT Brasil Plural, vinculados a Núcleo de Estudos de Povos Indígenas. Realizado consultorias, assessorias e trabalhos técnicos junto à organizações governamentais e não governamentais, assim como a atuação em laudos e perícias antropológicas.
Lauriene Seraguza, PPGAS/USP
Doutoranda em Antropologia Social no PPGAS/USP, mestre em Antropologia Sociocultural pela UFGD e licenciada em Letras. Bolsista FAPESP, Processo n. 2017/09129-7

Referências

CARIAGA, Diógenes E. As transformações nos modos de ser criança entre os Kaiowa em Te’ýikue - Caarapó/MS (1950-2010). 2012. Dissertação (Mestrado em História - História Indígena) - Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2012.

CRESPE, Aline Castilho. Mobilidade e temporalidade Kaiowá: do tekohá à reserva, do tekoharã ao tekoha. 2015. Tese (Doutorado em História - História Indígena) - Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2015.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos. 4. ed. Rio de Janeiro: Editora 34, 2005.

LÉVI-STRAUSS, Claude. História de Lince. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

______. O pensamento selvagem. Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 1976.

MORAIS, Bruno M. Do corpo ao pó: crônicas da territorialidade Kaiowá e Guarani nas ajacências da morte. 2016. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2016.

PEREIRA, Levi M. Imagens Kaiowá do sistema social e seu entorno. 2004. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Universidade de São Paulo, SP, 2004.

PIMENTEL, Spensy K. Elementos para uma teoria política kaiowá e guarani. 2012. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Universidade de São Paulo, SP, 2012b.

SAHLINS, Marshall. Ihas de História. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1990.

SCHADEN, Egon. Aspectos fundamentais da cultura Guarani. São Paulo: EPU/EDUSP, 1974. [1954, 1. ed.].

SERAGUZA, Lauriene. Cosmos, corpos e mulheres Kaiowa e Guarani: de aña à kuña. 196f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Sociocultural) - Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2013.

STRATHERN, Marilyn. Sharing, stealing and borrowing simultaneously. In: STRANG, Veronica and BUSSE, Mark (Ed.). Ownership Appropriation. Oxford, New York: Berg Publisher, 2011. p. 23-42.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios em Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2002a.

______.O nativo relativo. Mana - Estudos em Antropologia Social, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 113-48, 2002b.

______. Nimuendaju e os Guarani. In: NIMUENDAJU, Curt Unkel. As lendas da criação e destruição do mundo como fundamentos da religião dos Apapocúva-Guarani. São Paulo: HUCITEC/EDUSP, 1987. p. xvii-xxxviii. (Coleção Ciências Sociais).

ZEA, Evelyn M. Tradução como iniciação. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 36, n. 3, p. 192-212, set./dez. 2016.

Publicado
2018-04-10
Seção
Iconografia