A corporeidade da mulher Xavante: um movimento da cosmogonia

  • Maria Aparecida Rezende Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT. Departamento de Teorias e Fundamentos da Educação - Área de trabalho: Antropologia, Educação Escolar; Educação Escolar Indígena e questões indígenas. http://orcid.org/0000-0001-8194-2443
Palavras-chave: Corporeidade, interculturalidade, educação, movimento

Resumo

O texto tem o objetivo de apresentar de modo sucinto a corporeidade e o movimento da cosmogonia das mulheres da aldeia Pimentel Barbosa. As protagonistas são as mulheres idosas que não conhecem a cultura escolar, mas são guardiãs da cultura do povo Xavante, no texto usando o nome que eles se autodenominam A’uwẽ uptabi (entendimento próximo por povo autêntico e verdadeiro). O questionamento maior é realizado pelas próprias mulheres quando perguntam – por que falam muito da festa dos homens A’uwẽ e não falam das mulheres? É comum leituras extensas em obras da antropologia, da linguística, educação, enfim, vários autores que pesquisaram esse povo fazem abordagens acerca dos rituais masculinos e não colocam as mulheres em evidências. A metodologia usada é parte da tese doutoral, em que o enfoque são elas, mas também informações obtidas por meio das conversas informais e vivências com essas mulheres em outros momentos que não são de pesquisas. As fontes advêm do universo da fenomenologia, Merleau-Ponty (2009, 2006), Freire, Astrain e outros autores. O resultado da discussão é o debate de como tem caminhado a questão do diálogo entre povos indígenas e não indígenas no sentido de interculturalidade; como vive esse povo em meio ao contexto cultural de contato não indígena. Assim, o texto vai se desenhando e fazendo uma pintura em paisagem colorida mostrando o universo dessas mulheres, sua relação com o mundo cósmico e com o mundo ocidental.

Biografia do Autor

Maria Aparecida Rezende, Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT. Departamento de Teorias e Fundamentos da Educação - Área de trabalho: Antropologia, Educação Escolar; Educação Escolar Indígena e questões indígenas.
Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/UFMT). Possui graduação em Pedagogia pela Universidade do Estado de Mato Grosso (1997), Especialista em Teorias e Métodos da Antropologia e Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso (2004). Doutora pela Universidade Federal de Mato Grosso. Atualmente é professora da Universidade Federal de Mato Grosso.

Referências

ASTRAIN, Ricardo Salas. Ética intercultural: (re)leituras do pensamento Latino-Americano. Tradução e revisão de Dilnéia Tavares do Couto e Jovino Pizzi. São Leopoldo: Nova Harmonia, 2010.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

EID, Arthur Shaker Fauzi. Romhõsi'wai hawi rowa'õno re ihoimana mono: a criação do mundo segundo os velhos narradores Xavante. 2002. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, 2002.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 24. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

LEEUWENBERG, Frans; SALIMON, Mario. Para sempre A’uwẽ: os Xavante na balança das civilizações. Brasília, 1999.

MERLEAU-PONTY, M. O visível e o invisível. Tradução de José Artur Gianotti e Armando Mora d’Oliveira. São Paulo: Perspectiva, 2009.

______. Fenomenologia da percepção. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

PASSOS, Luiz Augusto. Currículo, tempo e cultura. 2003. Tese (Doutorado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC), São Paulo, 2003.

PIZZI, Jovino. Esfera del reconocimiento: hacia uma perspectiva ibero-afro-indígena latino-americana. In: SAUERWALD, Gregor; ASTRAIN, Ricardo Salas (Ed.). La cuestión del reconocimiento em América Latina: perspectivas y problemas de la teoria político-social de Axel Honneth. 2. ed. Zürich: Editora LIT; VERLAG GmbH & Co. KG. Wien, Zweigniederlassung, 2017. (Serie Discursos Germano-Iberoamericanos).

SILVA, Aracy Lopes da. Nomes e amigos: da prática Xavante a uma reflexão sobre os Jê. São Paulo: FFLCH/USP, 1986.

Publicado
2018-12-21