Lugares de terra e de água dos Kokama de Nova Aliança, Alto Solimões, Amazonas

Palavras-chave: estratégias de conservação, saberes, Amazônia.

Resumo

O estudo teve por objetivo analisar os lugares de uso, conservação e os saberes relacionados às diferentes paisagens e à dinâmica espaço-temporal das espécies cultivadas na Aldeia Kokama Nova Aliança, município de Benjamin Constant, no Amazonas. Foi realizado um estudo de caso tendo como referencial teórico a dialética da complexidade. Nos agroecossistemas em Nova Aliança, ocorre uma associação recursiva com o sistema ambiental, e os saberes transmitidos são reproduzidos e reconstruídos geracionalmente por manifestarem o processo de acoplamento estrutural. Os moradores produzem e reproduzem a diversidade agrícola nos agroecossistemas para viabilizar a manutenção da unidade familiar. As formas de produção adotadas correspondem a sistemas integradores da agricultura aos diversos sistemas acessados. Isto, porque a organização dos agroecossistemas é representada pela conjunção dos ambientes terrestres e aquáticos. Estes agroecossistemas apresentam-se como um conjunto de expressões de conhecimentos e saberes diferenciados, resultantes das espécies cultivadas, do uso, manejo e conservação dos lugares de terra e de água. Por consequência, a experiência comum de vida dos Kokama é resultante, da cultura material e imaterial em sua prática viva nos agroecossistemas.

Biografia do Autor

Antonia Ivanilce Castro Dácio, Universidade Federal do Amazonas/Instituto de Natureza e Cultura
Doutorado e Mestrado em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia, graduação em Agronomia pela Universidade Federal do Amazonas (2006). Pesquisadora do Núcleo de Estudos Rurais e Urbanos Amazônico (NERUA/INPA) e do Núcleo de Etnoecologia na Amazônia Brasileira (NETNO/UFAM). Professora  da Universidade Federal do Amazonas/Instituto de Natureza e Cultura. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Agricultura Familiar, atuando principalmente nos seguintes temas: segurança alimentar, abastecimento local, agroecologia, etnoconservação e recursos genéticos vegetais.
Hiroshi Noda, Pesquisador aposentado do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia
Possui graduação em ENGENHARIA AGRONÔMICA pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da USP (1968), graduação em Licenciatura em Filosofia pela Universidade Católica de Santos (1975), mestrado em Genética e Melhoramento de Plantas pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (1980) e doutorado em Genética e Melhoramento de Plantas pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (1981). Atualmente é Pesquisador Titular Aposentado do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPA, pesquisador dos grupos de pesquisa do Núcleo de Estudos Rurais e Urbanos Amazônicos - NERUA da Coordenação Sociedade, Ambiente e Saúde do INPA e do Núcleo de Etnoecologia na Amazônia Brasileira - NETNO da Faculdade de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Amazonas - UFAM. É docente do quadro permanente do Curso de Pós-graduação Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia do Centro de Ciências do Ambiente da UFAM. Tem experiência na área de agronomia, com ênfase em melhoramento genético de hortaliças para cultivo no Trópico Úmido, conservação e melhoramento; recursos genéticos vegetais nativos da Amazônia, agricultura familiar e tradicional, segurança alimentar no meio rural.
Sandra do Nascimento Noda, Universidade Federal do Amazonas (in memorian)
Possui graduação em Licenciatura em Filosofia pela Universidade Católica de Santos (1974), Mestrado em Agronomia - área de Sociologia Rural pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (1985) e Doutorado em Ecologia na área de Conservação da Biodiversidade pela Universidade Federal de Mato Grosso (2000). Atualmente é professor Associado Nível 4 Classe D, em regime de Dedicação Exclusiva, da Universidade Federal do Amazonas - UFAM; Líder do Grupo de Pesquisa do CNPq - Núcleo de Etnoecologia na Amazônia Brasileira; pesquisador colaborador (mediante convênio) do Núcleo de Estudos Rurais e Urbanos da Amazônia - NERUA do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPA; professora do Curso de Pós-graduação em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia - PPG/CASA do Centro de Ciências do Ambiente da UFAM; Coordenadora de Polo UFAM do Programa de Mestrado Profissional em Rede Nacional para o Ensino de Ciências Ambientais. Coordenadora do Núcleo de Etnoecologia na Amazônia brasileira - NETNO da Faculdade de Ciências Agrárias - FCA da UFAM e Coordenadora da Rede Interinstitucional de Estudos dos Agroecossistemas Amazônicos - REAA em convênio com UFAM/UFRR/UERR/UFTO/IFAM-Tabatinga/CAPES-PRO-AMAZÔNIA. Tem experiência nas áreas de Sociologia Rural e Ecologia Humana, com ênfase em Etnoecologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Agroecossistemas Familiares amazônicos, agricultura familiar amazônica, assentamentos populacionais, agrobiodiversidade amazônica, etnoconservação ambiental, percepção ambiental e conservação de recursos ambientais.

Referências

ALTIERI, M. Agroecologia: as bases científicas da agricultura alternativa. Tradução Patrícia Vaz. Rio de Janeiro: PTA/FASE, 1999. 240p.

BARBOUR, R. Grupos focais. Tradução Marcelo Figueiredo Duarte; consultoria, supervisão e revisão técnica desta edição Leandro Miletto Tonetto. Porto Alegre: Artmed, 2009. 216p.

BEGOSSI, A.; DA SILVA, A. L. Ecologia de pescadores da Mata Atlântica e da Amazônia. São Paulo: Hucitec, 2006.

BOEF, W. S. Biodiversidade e agrobiodiversidade. In: BOEF, W. S.; THIJSSEN, M. H.; OGLIARI, J. B.; STHAPIT, B. R. (Org.). Biodiversidade e agricultores: fortalecendo o manejo comunitário. Porto Alegre: L&PM, 2007. p. 36-40.

BOURDIEU, P. Economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2009.

CARDOSO, T. M. O saber biodiverso - práticas e conhecimentos na agricultura indígena do baixo Rio Negro. Manaus: Editora da Universidade do Amazonas (EDUA), 2010. 190p.

CHERNELLA, J. Yanomami warfare: a political history - Ferguson, R. B. American Ethnologist, n. 24, p. 227-9, 1997.

CLEVELAND, D. A.; SOLERI, D.; SMITH, E. S. Do folk crop varieties have a role in sustainable agriculture? BioScience, v. 44, n. 11, p. 740-51, dez. 1994.

DÁCIO, A. I. C. Segurança alimentar e conservação nos agroecossistemas no Alto Solimões, Amazonas. 2017. 161p. Tese (Doutorado em Ciências do Ambiente) - Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus, 2017.

EMPERAIRE, L. (Org.). Dossiê de registro: o Sistema Agrícola Tradicional do Rio Negro. Brasília: ACIMRN/IPHAN/IRD/Unicamp-CNPq, 2010. 235p. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Dossie_de_registro-O_Sistema_Agricola_Tradicional_do_Rio_Negro.pdf>. Acesso em: 11 dez. 2016.

EMPERAIRE, L. Mandioca, raiz do Brasil. In: RICARDO, B.; CAMPANILI, M. (Ed.). Almanaque Brasil Socioambiental. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2008. p. 420-1.

EMPERAIRE, L.; PINTON, F.; SECOND, G. Gestion dynamique de la diversité variétale du manioc en Amazonie du Nord-Ouest. Natures Sciences Sociétés, v. 6, n. 2, p. 27-42, abr./jun. 1998.

FLICK, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. 2. ed. Tradução Sandra Netz. Porto Alegre: Bookman, 2004. 312p.

FREITAS, M. A. B de. O povo Kokáma: um caso de reafirmação de identidade étnica. Manaus: Universidade Federal do Amazonas, 2002. 106p.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999. 206p.

GORZ, A. O imaterial: conhecimento, valor e capital. Tradução Celso Azzan Júnior. São Paulo: Annablume, 2005.107p.

GRESSLER, L. A. Introdução à pesquisa: projetos e relatórios. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2004. 300p.

GUERRA, I. C. Pesquisa qualitativa e análise de conteúdo: sentidos e formas de uso. Parede, Portugal: Principia, 2012. 95p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSITICA (IBGE). Cidades@. Diretoria de Pesquisas - DPE - Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS. Disponível em: <http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=130060>. Acesso em: 7 jan. 2016.

JUNK, W. J. Neotropical floodplains: a continental-wide view. In: JUNK, W. J.; OHLY, J. J.; PIEDADE, M. T. F.; SOARES, M. G. M. (Ed.). The Central Amazon floodplain: actual use and options for sustainable management. Leiden, Netherlands: Backhuys Publishers, 2000. p. 5-26.

LAMARCHE, H. A agricultura familiar. São Paulo: UNICAMP, 1997. v. 1.

MARTINS, A. L. U. Conservação da agrobiodiversidade: saberes e estratégias da agricultura familiar na Amazônia. 2016. 213p. Tese (Doutorado em Ciências do Ambiente) - Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus, 2016.

MARTINS, P. S. Dinâmica evolutiva em roças de caboclos amazônicos. Estudos Avançados, São Paulo, v. 19, n. 53, p. 209-20, jan./abr. 2005.

MATURANA, H. R. A ontologia da realidade. 2. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014. 414p.

MATURANA, H. R.; VARELA, F. J. A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. 8. ed. São Paulo: Palas Athena, 2010.

MORIN, E. O método 2. A vida da vida. Tradução Marina Lobo, Simone Ceré e Tânica do Valle Tschiedel. 5. ed. Porto Alegre, RS: Sulina, 2015. 527p.

______. O método 1. A natureza da natureza. Tradução Ilana Heineiberg. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2013. 479p.

______. Ciência com consciência. 7. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005. 350p.

NODA, S. do N.; MARTINS, A. L. U.; NODA, H.; SILVA, A. I. C. da; BRAGA, M. D. S. Paisagens e etnoconhecimentos na agricultura Ticuna e Cocama no Alto Rio Solimões, Amazonas. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, PA, v. 7, n. 2, p. 397-416, maio/ago. 2012.

NODA, S. do N.; NODA, H.; MARTINS, A. L. U.; MARTINS, L. H. P.; SILVA, A. I. C. da; DÁCIO, D. da S.; MENDONÇA, M. S. P.; BRAGA, M. D. S. Etnoconservação e consumo nas várzeas dos rios Solimões e Amazonas. In: MING, L. C.; AMOROZO, M. C. de M.; KFFURI, C. W. (Org.). Agrobiodiversidade no Brasil: experiências e caminhos da pesquisa. Recife: NUPEA, 2010. (Série Estudos & Avanços, v. 6).

OLLAGNON, H. Estratégia patrimonial para a gestão dos recursos e dos meios naturais: enfoque integrado da gestão do meio rural. In: VIEIRA, Paulo Freire; WEBER, J. (Org.). Gestão de recursos naturais renováveis e desenvolvimento: novos desafios para a pesquisa ambiental. São Paulo: Cortez, 1997. p. 171-200.

POSEY, D. Etnobiologia: teoria e prática In: RIBEIRO, Darcy (Ed.). Suma etnológica brasileira. Petrópolis, RJ: Vozes/FINEP, 1987. p. 15-28.

SANTILLI, J. F. da R. Agrobiodiversidade e direitos dos agricultores. São Paulo: Peirópolis, 2009. 410p.

SANTOS, M. A natureza do espaço. Técnica e tempo. Razão e emoção. 4. ed. São Paulo: EDUSP, 2006.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007. 304p.

SILVANO, R. A. M.; SILVA, A. L.; CERONE, M.; BEGOSSI, A. Contributions of Ethnobiology to the conservation of tropical rivers and streams. Aquatic Conservation, Marine and Freshwater Ecosystems, v. 18, n. 3, p. 241-60, maio 2008.

SILVANO, R. A. M.; BEGOSSI, A. Local knowledge on a cosmopolitan fish, ethnoecology of Pomatomus saltatrix (Pomatomidae) in Brazil and Australia. Fisheries Research, v. 71, n. 1, p. 43-59, jan. 2005.

TOLEDO, V. M. La memoria tradicional: la importancia agroecológica de los saberes locales. LEISA, Revista de Agroecología, Lima, Peru, v. 20, n. 4. p. 16-9, abr. 2005.

TUAN, Y. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Tradução Lívia de Oliveira. Londrina, PR: EDUEL, 2013. 248p.

VIEIRA, J. M. T. A luta pelo reconhecimento étnico dos Kokama na Tríplice Fronteira Brasil/Colômbia/Peru. 2016. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, SP, 2016.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015. 290p.

Publicado
2018-12-21