Uma etnografia do povo indígena Kinikinau

Palavras-chave: Etnografia. Povo Kinikinau. Família Aruák. Mato Grosso do Sul.

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar uma breve etnografia do povo Kinikinau, um povo Aruák, de língua Aruák (AIKHENVALD, 1999), que atualmente se localiza no sul do pantanal sul-mato-grossense e áreas adjacentes. Essa etnografia foi feita em decorrência do trabalho de campo feito por Oliveira (2017) para a realização de sua pesquisa de mestrado, o qual totalizou 82 dias morando entre esses indígenas. Realizamos a etnografia com vistas a apresentar um registro da visão da cultura material e espiritual dos Kinikinau atuais, seu conjunto de crenças e valores, mostrando sua percepção sobre sua própria história, sobre Educação Escolar Indígena e sobre os problemas que mais os afligem atualmente, como a questão fundiária e o acelerado processo de morte de sua língua ancestral.

 

Biografia do Autor

Gabriel Barros Viana de Oliveira, Universidade de Brasília
Doutorando em Linguística pelo Programa de Pós-Graduação em Línguística da Universidade de Brasília (PPGL/UnB), sob orientação da profa. dra. Ana Suelly Arruda Câmara Cabral. Possui mestrado em Letras pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal da Grande Dourados (PPG-Letras/UFGD), realizando pesquisa sobre a língua Kinikinau (família Aruák), sob orientação do prof. dr. Andérbio Márcio Silva Martins. Graduado em Letras - Língua Portuguesa e Respectiva Literatura (Bacharel) pela Universidade de Brasília (2015). Pesquisador associado do Laboratório de Línguas e Literaturas Indígenas da Universidade de Brasília (LALLI-UnB). Dedica-se principalmente ao estudo das línguas da família Aruák (ênfase no Kinikinau e Terena), da família Jabuti, da família Tupí-Guaraní e do tronco Macro-Jê. Naturezas das pesquisas: descritivas e histórico-comparativas.
Andérbio Márcio Silva Martins, Universidade Federal da Grande Dourados
Professor Adjunto IV da Universidade Federal da Grande Dourados. Linguista de formação, ministra disciplinas relacionadas ao ensino de línguas indígenas, língua portuguesa e linguística no Curso de Licenciatura Intercultural Indígena Teko Arandu, na Faculdade Intercultural Indígena. Também atua como professor de linguística no Programa de Pós-Graduação em Letras da mesma instituição, onde orienta pesquisas descritivas e histórico-comparativas de línguas indígenas brasileiras. Atua como coordenador do Laboratório de Línguas, Educação e Interculturalidade do Núcleo de Estudos Estratégicos de Fronteira. Também é responsável pelo projeto de pesquisa Documentação, Análise, Descrição, Comparação e Ensino de Línguas Indígenas Brasileiras, no qual conta com a colaboração de pesquisadores de diversas instituições e de diversas áreas do conhecimento, tanto das Humanas quanto das Ciências da Natureza. e das Exatas. Nos últimos anos tem colaborado com discussões acerca das políticas públicas de ensino, da pesquisa e da extensão voltadas para indígenas nas universidades públicas. Foi estudante da Universidade de Brasília, graduado em Letras-Português, com Mestrado e Doutorado em Linguística e continua vinculado à instituição na qualidade de pesquisador do Laboratório de Línguas e Literaturas Indígenas (LALLI/UnB). Possui publicações de estudos descritivos, histórico-comparativos e de ensino de línguas indígenas. Também vem colaborando com discussões acerca da formação de professores indígenas (inicial e continuada) e da própria Educação Escolar Indígena, sobretudo entre os Guarani e Kaiowá do cone Sul do estado de Mato Grosso do Sul. Atualmente se encontra na coordenação do Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Letras e Linguística (ANPOLL) e sócio da Associação Brasileira de Linguística (ABRALIN). 

Referências

AIKHENVALD, Alexandra Y. The Arawak language family. In: DIXON, R. M. W.; AIKHENVALD, A. Y. (Ed.). The amazonian languages. Cambridge: Cambridge University Press, 1999. p. 65-105.

CAMPBELL, Lyle. American indian languages: the historical linguistics of Native America. Oxford: Oxford University Press, 1997.

CANAZILLES, Karolinne Sotomayor A. A produção e comercialização do artesanato Kinikinau em Mato Grosso do Sul. 2013. Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional) – Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (UNIDERP), Campo Grande, MS, 2013.

CANAZILLES, Karolinne Sotomayor A.; SANTOS, Karen Silva; MATIAS, Rosimary; BONO, José Antônio M.; ALVES, Gilberto L. Qualidade da água empregada na confecção do artesanato cerâmico Kinikinau, Mato Grosso do Sul. In: SEMINÁRIO POVOS INDÍGENAS E SUSTENTABILIDADE, 5., 2013, Campo Grande, MS. Anais [...]. Campo Grande, MS: UCDB, 2013. p. 52-62.

CANAZILLES, Karolinne Sotomayor A.; ALVES, Gilberto L.; MATIAS, Rosimary. Comercialização do artesanato Kinikinau na cidade ecoturística de Bonito, Mato Grosso do Sul, Brasil. PASOS. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, San Cristóbal de La Laguna, Espanha, v. 13, n. 5, p. 1171-82, 2015.

CANAZILLES, Karolinne Sotomayor A.; ALVES, Gilberto L.; MATIAS, Rosimary. Os Kinikinau: trajetória histórica e a reinvenção do artesanato. Albuquerque: Revista de História, Campo Grande, MS, v. 5, n. 10, p. 99-120, jul./dez. 2013.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. Do índio ao bugre: o processo de assimilação dos Terêna. 2. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976.

CARVALHO, Fernando Orphão. Terena, Chané, Guaná and Kinikinau are one and the same language: setting the record straight on southerm arawak linguist diversity. LIAMS. Linguas Infdígena Americanas, Campinas, SP, v. 16, n. 1, p. 39-57, jan/.jun. 2016.

CASTELNAU, Frasncis. Expedição às regiões centrais da América do Sul. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1949. 2 v.

CASTRO, Iara Quelho de. Os Chané-Guaná e os europeus na constituição do Gran Chaco Colonial. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 26, 2011, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: ANPUH, 2011. p. 6-11.

CASTRO, Iara Quelho de. De Chané-Guaná a Kinikinau: da construção da etnia ao embate entre o desaparecimento e a persistência. 2010. Tese (Doutorado em História) - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, SP, 2010.

CASTRO, Iara Quelho de. Nas lutas pela defesa de direitos, as alianças possíveis: os Kinikinau no movimento indígena. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 23., 2005, Londrina, PR. Anais [...]. Londrina, PR: ANPUH, 2005.

COUTO, Valéria Guimarães de Carvalho. Kinikinau: um recorte sociolinguístico. In: JOSÉ DA SILVA, Giovanni; BOLZAN, Ayla Vilela; SOUZA, Rosaldo A. (Org.). Kinikinau: arte, história, memória e resistência. Curitiba: CRV, 2017. p. 115-34.

COUTO, Valéria Guimarães de Carvalho. A língua Kinikinau: estudo do vocabulário e conceitos gramaticais. 2006. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Três Lagoas, MS, 2006.

D’ALINCOURT, Luiz. Reflexões sobre o Sistema de Defesa que se deve adopter na Fronteira

do Paraguay, em consequência da revolta e dos insultos praticados ultimamente pela nação dos índios Guaicurus ou Cavaleiros. Revista do Instituto Histórico Geographico e Ethnographico do Brasil, Rio de Janeiro, v. 20, p. 360-5, 3º trim. 1857.

DIETRICH, João Evaldo Ghizoni. Identidade Kinikinau como máquina de guerra para a ocupação e manutenção territorial no Mato Grosso do Sul. 2015. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Dourados, MS, 2015.

DIETRICH, João Evaldo Ghizoni. Territorialidade Kinikinau: estudo sobre a desterritorialização/territorializanteda etnia. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEÓGRAFOS, 7., 2014, Vitória, ES. Anais […]. Vitória, ES: UFES, 2014.

DIETRICH, João Evaldo Ghizoni. A identidade Kinikinau como máquina de guerra para a ocupação e manutenção territorial no Mato Grosso do Sul. 2012. Monografia (Graduação em Geografia) - Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), Jardim, MS, 2012.

FABRE, Alain. Diccionario etnolingüístico e guía bibliográfica de los pueblos indígenas sudamericanos. 2005. Disponível em http://www.ling.fi/Entradas%20diccionario/Dic=Arawak.pdf. Acesso em: 11 mar. 2017.

FONSECA, João Severiano da. Voyage autour du Brésil. Edition pour les Américanistes. Rio de Janeiro: Librairie A. Lavignasse Filho & C., 1899.

JOSÉ DA SILVA, Giovanni. Ressurgidos, emergentes, resistentes: reflexões sobre as presenças indígenas Atikum, Kamba e Kinikinau em Mato Grosso do Sul. In: SEMANA DE HISTÓRIA, 5., 2007, Três Lagoas, MS. Anais [...]. Três Lagoas, MS: Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, 2007. p. 87.

JOSÉ DA SILVA, Giovanni. Histórias de admirar: os Kinikinau. Aquidauana, MS: Jornal O Pantaneiro, 2014.

JOSÉ DA SILVA, Giovanni; SOUZA, José Luis. A diáspora Kinikinau: a trajetória histórica de um grupo indígena “extinto” (Séculos XX e XXI). In: JOSÉ DA SILVA, Giovanni; BOLZAN, Ayla Vilela; SOUZA, Rosaldo A. (Org.). Kinikinau: arte, história, memória e resistência. Curitiba: Editora CRV, 2017. p. 167-77.

JOSÉ DA SILVA, Giovanni; SOUZA, José Luis. História, etnicidade e cultura em fronteiras: os Kinikinau em Mato Grosso do Sul. In: ROCHA, Luís M.; BAINES, Sérgio G. (Org.). Fronteiras e espaços interculturais. Goiânia: UCG, 2008. p. 33-50.

JOSÉ DA SILVA, Giovanni; SOUZA, José Luis. O Curso de Formação de Professores Kadiwéu e Kinikinau: limites e avanços de uma experiência pedagógica intercultural. In: CONGRESSO DE LEITURA DO BRASIL, 15., 2005, Campinas, SP. Anais [...]. Campinas, SP: Unicamp, 2005. p. 30.

JOSÉ DA SILVA, Giovanni; SOUZA, José Luis. O despertar da fênix: a educação escolar como espaço de afirmação da identidade étnica Kinikinau em MS. Sociedade e Cultura, Goiânia, GO, v. 6, n. 2, p. 149-56, jul./dez. 2003.

LEVERGER, Augusto de. Diário do reconhecimento do rio Paraguai desde a cidade de Assunção até o Paraná, 1845. Revista Trimestral do Instituto Histórico, Geográfico e Etnográfico do Brasil, Rio de Janeiro, tomo XXV, 1862.

LOUKOTKA, Chestmir. Classification of South American Indian languages. Los Angeles: University of California, 1968. (Reference Series 7).

MARTINS, Andérbio Márcio Silva; OLIVEIRA, Gabriel Barros Viana de. Estado da arte da língua Kinikinau: estudos descritivos, sociolinguísticos e comparativos. Revista Brasileira de Linguística Antropológica, Brasília, DF, v. 10, n. 2, p. 301-17, dez. 2018.

MASON, John Alden. The languages of South American indians. In: STEWARD, Julian (Ed.). Handbook of South American Indians. Washington: Government Printing Office, 1946. p. 157-317.

MOUTINHO, Joaquim Ferreira. Noticia sobre a província de Matto Grosso: seguida d'um roteiro da viagem da sua xcapital a’ S. Paulo. São Paulo: Typografia de Henrique Schroeder, 1869.

OLIVEIRA, Gabriel Barros Viana de Oliveira. Língua Kinikinau – descrição de aspectos sociolinguísticos e fonológicos. 2017. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Dourados, MS, 2017.

PAYNE, David L. A classification of maipuran (Arawakan) languages based on shared lexical retentions. In: DERBYSHIRE, Desmond; PULLUM, Geoffrey K. (Ed.). Handbook of amazonian languages. Berlin: Mouton de Gruyter, 1991. v. III, p. 355-499.

PEREIRA, Levi Marques. Os Terena de Buriti: formas organizacionais, territorialização e representação da identidade étnica. Dourados, MS: Editora UFGD, 2009.

RIBEIRO, Darcy. Os índios e a civilização: a integração das populações indígenas no Brasil moderno. 7. ed. São Paulo: Global, 2017.

ROBERTO, Inácio. Povo indígena Kinikinau. In: JOSÉ DA SILVA, Giovanni; BOLZAN, Ayla Vilela; SOUZA, Rosaldo A. (Org.). Kinikinau: arte, história, memória e resistência. Curitiba: CRV, 2017. p. 161-5.

SANTOS, Lucicleide Gomes. Os Kinikinawa: uma etnia em processo de afirmação étnica. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE HISTÓRIA, 4., Maringá, PR. Anais [...]. Maringá, PR: CHICHETC, 2009. p. 4705-16.

SANTOS, Lucicleide Gomes. Cerâmica Kinikinau: a arte de um povo tido como extinto. 2011. 124 f. Dissertação (Mestrado em História) –Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Dourados, 2011.

SILVA, Denise. Estudo lexicográfico da língua Terena. 2013. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP), Araraquara, SP, 2013.

SILVA, Verone Cristina da. Missão, aldeamento e cidade: os Guaná entre os Albuquerque e Cuiabá. 2001. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Cuiabá, MT, 2001.

SOUZA, Ilda de. Kinikinau: a língua silenciada. In: JOSÉ DA SILVA, Giovanni; BOLZAN, Ayla Vilela; SOUZA, Rosaldo A. (Org.). Kinikinau: arte, história, memória e resistência. Curitiba: CRV, 2017. p. 71-96.

SOUZA, Ilda de. Concordância: verbos e nomes na língua Kinikinau. Web-Revista SOCIODIALETO, Campo Grande, MS, v. 5, n. 15, p. 112-34, maio 2015.

SOUZA, Ilda de. Kinikinau: uma língua à beira da extinção. Guavira Letras, Três Lagoas, MS, n. 8, p. 149-65, 2009.

SOUZA, Ilda de. Koenukunoe Emo ‘u: a língua dos índios Kinikinau. 2008. Tese (Doutorado em Linguística) - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, SP, 2008.

SOUZA, Ilda de (2007). Índios Kinikinau: aspectos etnolinguísticos. Tellus 7: 103-133.

SOUZA, Rosaldo A. Sustentabilidade e processo de reconstrução identitária entre o povo indígena Kinikinau (Koinukunôen) em Mato Grosso do Sul. 2012. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável, modalidade: Sustentabilidade junto a Povos e Terras Indígenas) - Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, 2012.

SOUZA, Rosaldo A. Sustentabilidade na reconstrução identitária do povo indígena Kinikinau. In: JOSÉ DA SILVA, Giovanni; BOLZAN, Ayla Vilela; SOUZA, Rosaldo A. (Org.). Kinikinau: arte, história, memória e resistência. Curitiba: CRV, 2017. p. 135-60.

STEINEN, Karl von der. Entre os aborígenes do Brasil Central. São Paulo: Dep. de Cultura, 1940.

TAUNAY, Alfredo D’Escragnolle. A Retirada da Laguna: episódio da guerra do Paraguai. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

TAUNAY, Alfredo D’Escragnolle. Memórias do Visconde de Taunay. São Paulo: IPE, 1948.

TAUNAY, Alfredo D’Escragnolle. Entre nossos índios: Chanés, Terenas, Kinikinaus, Guanás, Laianas, Guatós, Guaycurus, Caingangs. São Paulo: Companhia Melhoramentos, 1940.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Os involuntários da Pátria. ARACÊ – Direitos Humanos em Revista, ano 4, n. 5, p. 187-93, fev. 2017. Disponível em: https://arace.emnuvens.com.br/arace/article/view/140/75

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Prefácio. In: HERRERO, M.; FERNANDES, U. (Org.). Baré: povo do rio. São Paulo: Edições Sesc, 2015.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. No Brasil todo mundo é índio, exceto quem não é. In: RICARDO, C. A.; RICARDO, F. (Org.). Povos indígenas no Brasil (2001/2005). São Paulo: ISA, 2006. p. 41-9.

Publicado
2019-04-15
Seção
Dossiê 1: História Indígena, Etno-história e Indígenas Historiadoras/es: experiências descolonizantes, novas abordagens