A oralidade como fonte para a escrita das Histórias Indígenas

  • João Mitia Antunha Barbosa Fundação Nacional do Índio - FUNAI
  • Roseline Mezacasa Universidade Federal de Rondônia - UNIR
  • Marcelo Gonzalez Brasil Fagundes Universidade Federal do Tocantins - UFT
Palavras-chave: História indígena, história oral, etnografia.

Resumo

Considerando a forma como a historiografia tem observado a oralidade das sociedades indígenas nos estudos etno-históricos, propomos refletir sobre caminhos teóricos e metodológicos para a escrita das Histórias Indígenas, no que concerne à utilização da tradição oral como fonte de pesquisa histórica. Para tanto, contextualizaremos a emergência do protagonismo indígena na história do Brasil e os debates em torno da oralidade e historicidade desses povos. Debateremos as aproximações entre a história oral e a etnografia através da necessidade de experiências polifônicas em trabalhos acadêmicos. Conclui-se a necessidade de aproximar a história oral da etnografia no que tange aos trabalhos de campo do historiador com populações indígenas. O engendrar-se da história oral e da etnografia no saber-fazer do historiador torna-se instrumento para acessar as histórias indígenas e também possibilita escrevê-la junto dos seus protagonistas indígenas. 

Biografia do Autor

João Mitia Antunha Barbosa, Fundação Nacional do Índio - FUNAI
Doutor em Direito pela Université d’Angers e pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Atualmente é indigenista especializado da Fundação Nacional do índio -FUNAI
Roseline Mezacasa, Universidade Federal de Rondônia - UNIR
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em História, linha de pesquisa História indígena, etnohistória e arqueologia. Docente do curso de História da Universidade Federal de Rondônia -UNIR, campus de Rolim de Moura
Marcelo Gonzalez Brasil Fagundes, Universidade Federal do Tocantins - UFT
Mestre em História Cultural pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Doutorando do Programa de Pós-Graduação em História, linha de pesquisa História indígena, etnohistória e arqueologia. Docente do curso de História da Universidade Federal do Tocantins - UFT, campus de Porto Nacional

Referências

ACEVES, Jorge E. Introducción: la historia oral contemporânea - una mirada plural. In: ACEVES, Jorge E. (Org.). Historia Oral: Ensayos y aportes de investigación. México: CIESAS, 1996.

ALBEERTI, Verena. Manual de História Oral. 3. ed. Rio de Janeiro: 2005.

ALMEIDA, Carina Santos de. Tempo, memória e narrativa Kaigang no oeste catarinense: a tradição Kaigang e proteção tutelar no contexto da transformação da paisagem na Terra Indígena Xapecó. 2015. 542 f. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, 2015.

BARKER, Lorina. Using poetry to capture the Aboriginal voice in oral history transcripts. In: Passionate Histories: myth, memory and indigenous Australia. Australia: Ed. ANU; Press, 2010.

BLOCK, Rosemary. Voiceprint: from tape to page - keeping faith with the voice. Oral History Association of Australia Journal, Australia, 17, p. 65-73, 1995.

BRAND, Antonio Jacó. O impacto da perda da terra sobre a tradição Kaiowá/Guarani: os difíceis caminhos da palavra. 1997. Tese (Doutorado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1997.

BURGUIÈRE, André. A antropologia histórica. In: NOVAIS, Fernando A.; SILVA, Rogério Forastieri (Org.). Nova História em perspectiva. São Paulo: Cosac Naify, 2011. V. I.

CAVALCANTE, Thiago. Etno-história e história indígena: questões sobre conceitos, métodos e relevância da pesquisa. In: História, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 349-71, jan./jun. 2011.

CLIFFORD, James. Sobre a autoridade etnográfica. In: A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2008.

CRESPE, Aline Castilho. Mobilidade e temporalidade Kaiowá: do Tekoha à Reserva, do Tekoharã ao Tekoha. 2015. 427 f. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Dourados, 2015.

CRUIKSHANK, Julie. Tradição oral e história oral: revendo algumas questões. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaína (Org.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: FGV Ed., 20061996. p. 149-64.

CUNHA, Manuela Carneiro da (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

FAUSTO, Carlos; HECKENBERGER, Michael (Org.). Time and memory in indigenous Amazonia: anthropological perspectives. Florida: University Press of Florida, 2007.

FREITAS, Edinaldo. Fala de índio, história do Brasil: o desafio da etno-história indígena. In: História Oral, São Paulo, n. 7, p. 181-97, jun. 2004.

HARTOG, François. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Tradução de Andréa S. de Menezes, Bruna Breffart, Camila R. Moraes, Maria Cristina de A. Silva e Maria Helena Martins. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

JOUTARD, Philippe. História oral: balanço da metodologia e da produção nos últimos 25 anos. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaína (Org.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: FGV Ed., 2006. p. 43 – 62.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de uma xamã Yanomami. Tradução de Beatriz Perrone-Moisés. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

MACHADO, Ananda. Narrativas orais e línguas indígenas em Roraima: educação e preservação da memória e do patrimônio histórico. In: PORTUGAL, A. R.; HURTADO, L. R. (Org.). Representações culturais da América indígena. São Paulo: Editora UNESP; Cultura Acadêmica, 2015. (Desafios contemporâneos collection, p. 214-225).

______. A fala na língua wapichana como forma de protagonismo indígena na história. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - Contra os preconceitos: história e democracia, 29., 24-28 jul. 2017, Brasília, DF. Anais... Brasília: UNB, 2017. Disponível em: <http://www.snh2017.anpuh.org/site/anais>. Acesso em: jun. 2018.

MAURO, Victor Ferri. História, território e identidade Krahô-Kanela. 434 f. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2016.

MCGRATH, Ana. Deep Histories in Time, or Crossing the Great Divide? In: MCGRATH, Ana; JEBB, Mary Anne. Long history, deep time: deepening histories of place. Austrália: Ed. ANU; Press, 2015.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de História oral. 4. ed. rev. e ampl. São Paulo: Loyola, 2004.

______. Canto de morte Kaiowá: história oral de vida. São Paulo: Loyola, 1991.

MILLER, Bruce Granville. Oral history on trial: recognizing Aboriginal Narratives in the Courts. Toronto: Ed. UBC, 2011.

MONTEIRO, John Manuel. O desafio da História Indígena no Brasil. In: SILVA, Aracy Lopes da; GRUPIONI, Luís Donisete Benze (Org.). A temática indígena na escola: novos subsídios para professores de 1º e 2º graus. Brasília: MEC; MARI; UNESCO, 1995.

OLIVEIRA, Jorge Eremites de. A História Indígena no Brasil e em Mato Grosso do Sul. In: Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 6, n. 2, p. 178-218, jul./dez. 2012.
OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O trabalho do antropólogo. 2. ed. São Paulo: Ed. UNESP, 2000.

PORTELLI, Alessandro. Tentando aprender um pouquinho: algumas reflexões sobre a ética na história oral. Projeto História - Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História, São Paulo, v. 15, p. 13-49, jul./dez. 1997.

SILVA, Joana Aparecida Fernandes; SILVA, Giovani José da. História indígena, antropologia e fontes orais: questões teóricas e metodológicas no diálogo com o tempo presente. História Oral, v. 13, n. 1, 2010.

TEAO, Kalna Mareto. Território e Identidade dos Guarani Mbya do Espírito Santo (1967-2006). 234 f. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2015.

______. Juntos na terra, juntos na luta e juntos na História: relações interétnicas entre Tupinikim e Guarani mbya no Espírito Santo. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - contra os preconceitos: história e democracia, 29., 24-28 jul. 2017, Brasília, DF. Anais... Brasília: UNB, 2017. Disponível em: <http://www.snh2017.anpuh.org/site/anais>. Acesso em: jun. 2018.

TRIMBLE, Charles; SOMMER, Barbara; QUINLAN, Mary Kay. The American Indian oral history manual: making many voices heard. New York: Routledge, 2008.


VANSINA, Jan. Oral tradition as History. Wisconsin: University of Wisconsin Press, 1985.

YOW, Valerie Raleigh. Recording oral History: a guide for the Humanities and Social Sciences. Estados Unidos: Ed. Altamira, 2005.

Publicado
2018-12-21