Ambivalência indígena entre os Xukurus de Pesqueira (Pernambuco)

  • Alexandre Evangelista da Silva Secretaria Municipal de Educação de Jaboatão dos Guararapes-PE Universidade de Pernambuco
  • Ricardo José Lima Bezerra Universidade de Pernambuco-Campus Garanhuns Autarquia do Ensino Superior de Garanhuns (AESGA) http://orcid.org/0000-0002-7281-6063
Palavras-chave: Ambivalência. Identidade. Índios Xukurus

Resumo

Neste texto, estamos discutindo a categoria ambivalência abordada inicialmente no país pelo sociólogo Florestan Fernandes. Temos o objetivo de compreender o que é ser índio com foco nas comunidades Xukurus do município de Pesqueira, a partir dessa conceituação. Justificamos nosso estudo pela afirmação identitária e consciente que transita entre dois mundos opostos, contraditórios, duas visões distintas, a do colonizador oriunda da dominação e a outra indígena emergente. Usamos como eixo temático as discussões teóricas fundamentadas em Zygmunt Bauman - o indivíduo e povos ambivalentes, no seio da pós-modernidade, João Pacheco de Oliveira Filho - a etnologia em foco nas perdas e relativização do território social pela memória e pertencimento, Arruti – a discussão diacrítica na definição das fronteiras étnicas no contexto indígena do nordeste brasileiro. Com relação à metodologia, este trabalho se fundamenta na abordagem qualitativa, com análise de fontes documentais e bibliográficas constituídas por obras de referência, trabalhos acadêmicos, matérias jornalísticas,  documentos em sites etc. Através da análise de conteúdos e parâmetros indiciários, bem como nas imagens e contraimagens ambivalentes a partir de Bauman, procuramos interpretar as afirmações e negações no discurso do ser índio Xucuru com implicações identitárias históricas e culturais. 

Biografia do Autor

Alexandre Evangelista da Silva, Secretaria Municipal de Educação de Jaboatão dos Guararapes-PE Universidade de Pernambuco

Licenciado em História pela Universidade Federal Rural de Pernambuco

Especilaista em Ensino de História pela Universidade Federal Rural de Pernambuco

Especialista em Ensino de Culturas Africanas, da Diápora e dos Povos Indígenas pela Universidade de Pernambuco

Professor Efetivo da rede municipal de educação em Jaboatão dos Guararapes-PE

Ricardo José Lima Bezerra, Universidade de Pernambuco-Campus Garanhuns Autarquia do Ensino Superior de Garanhuns (AESGA)

Professor Adjunto da Universidade de Pernambuco-Campus Garanhuns

Docente das Faculdades Integradas de Garanhuns/AESGA

Licenciado e Mestre em História pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Doutor em Educação: Currículo pela Pontifícia Univesidade Católica de São Paulo (PUC SP)

 

Referências

ARRUTI, José Maurício Paiva Audion. Morte e vida do nordeste indígena: a emergência étnica como fenômeno regional. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 8, n. 15, p. 57-94, 1995. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/1995/1134>. Acesso em: 23 jun. 2018.

AZEVEDO, Francisco Ferreira dos Santos. Dicionário analógico da língua portuguesa: ideias afins (thesaurus). 3. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2016.

BALLOUSSIER, Anna Virginia; VIEIRA, Bianka. Evangelização indígena inclui oferta de cesta básica e obra de Edir Macedo. Folha de São Paulo, UOL, 11 de jun. 2018. Disponível em:
<https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/06/evangelizacao-indigena-inclui-oferta-de-cesta-basica-e-obra-de-edir-macedo.shtml>. Acesso em: 11 jun. 2018.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e ambivalência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1999.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. 2. ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2013.

BORBA, Francisco S. (Org.). Dicionário UNESP do português contemporâneo. São Paulo: UNESP, 2004.

BORGES, André. Brasil é condenado em processo de demarcação de terra indígena: decisão aponta responsabilidade do País quanto à violação a direitos do povo da etnia xukuru de ororubá, em Pernambuco. O Estado de São Paulo, 14 mar. 2018. Disponível em: <https://politica.estadao.com.br/noticias/geral,brasil-e-condenado-em-processo-de-demarcacao-de-terra-indigena,70002227751>. Acesso em: 14 jun. 2018.

BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia grega. 19. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. V. III.

Calazans, Rejane. Ambivalência: o Nordeste nas obras de Gilberto Freyre e Celso Furtado. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 22, n. 64, p. 75-80, jun. 2007.Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s0102 69092007000200006&lng=en&ntm=iso>. Acesso em: 5 jan. 2018.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. No Brasil, todo mundo é índio, exceto quem não é. Portal Povos indígenas do Brasil, Instituto Sócio Ambiental, ago. 2006, p. 1-20. Disponível em: <https://pib.socioambiental.org/files/file/PIB_institucional/No_Brasil_todo_mundo_%C3%A9_%C3%ADndio.pdf>. Acesso em: 21 dez. 2017.

CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO (CIMI). Violência contra os povos indígenas no Brasil: dados de 2010. Relatório. Brasília: CIMI, 2011. Disponível em: <https://www.cimi.org.br/pub/publicacoes/1309466437_Relatorio%20Violencia-com%20capa%20-%20dados%202010%20(1).pdf>. Acesso em: 18 ago. 2018.

COUTINHO, Renata. Vinte anos sem o guerreiro. Folha de Pernambuco, Recife, 19 e 20 mai. 2018, Zoom, Cotidiano, p. 4.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário etimológico da língua portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2010.

DANTAS, Beatriz G.; SAMPAIO, José Augusto; CARVALHO, Maria Rosário G. de. Os povos indígenas no Nordeste brasileiro: um esboço histórico. In: CUNHA, Manuela Carneiro da (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras/Secretaria Municipal de Cultura São Paulo: FAPESP, 1992. p. 431-56.

FERNANDES, Florestan. Tiago Marques Aipobureu: um bororo marginal. Tempo social, São Paulo, v. 19, n. 2, nov. 2007 [1946]. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ts/v19n2/a12v19n2.pdf>. Acesso em: 13 dez. 2017.

FIALHO, Vânia Rocha. As fronteiras do ser Xukuru: estratégias e conflitos de um grupo indígena no Nordeste. 1992. Dissertação (Mestrado em Antropologia) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife: 1992. Disponível em: <http://repositorio.ufpe.br/bitstream/handle/123456789/16967/39S729f%20Disserta%C3%A7%C3%A3o.pdf?sequence=1&isAllowed=y> . Acesso em: 07 jan. 2018.

GONZALÉZ CASANOVA, Pablo. Colonialismo interno (uma redefinição). In: BORON, A. A.; AMADEO, J.; GONZALÉZ, S. (Org.). A teoria marxista hoje: problemas e perspectivas. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales-CLACSO, 2006. p. 395-420.

GUINZBURG, CARLO. Mitos, emblemas e sinais: morfologia e história. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

HARVEY, David. A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992.

JORNAL DO COMMERCIO. Recife, 23 maio 1998a, Fundação Joaquim Nabuco.

______. Só 8 são ouvidos sobre crime de Chicão. Homicídio: investigações terão reforço do Departamento de Polícia Federal, por solicitação ontem do procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro. Recife, Fundação Joaquim Nabuco, Regional, p. 10, 22 maio 1998b. Fita microfilmada.

______. Assassinado líder xucuru em Pesqueira. Homicídio: o cacique Francisco de Assis Araújo, o Chicão, foi atingido por seis tiros dentro do carro da Funai, quando estacionava na frente da casa da irmã. Recife, Fundação Joaquim Nabuco, Regional, p. 13, 21 maio 1998c. Fita microfilmada.

MALDONATO, Mauro. Dicionário das ciências da mente: psicologia, psiquiatria, psicanálise, neurociências. Tradução de Roberta Barni e Maria Lucia Cumo. Rio de Janeiro: SENAC Nacional, 2014.

MARACCI, Marilda Teles. Povos indígenas. In: CALDART, Roseli Salete; PEREIRA, Isabel Brasil; ALENTEJANO, Paulo; FRIGOTTO, Gaudêncio (Org.). Dicionário da Educação do Campo. 2. ed. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio; São Paulo: Expressão Popular, 2012.

MELO, Patrícia Bandeira de. O índio na mídia: discurso e representação social. Fundação Joaquim Nabuco, Observanordeste – textos especiais, jan. 2008. Disponível em: <http://www.fundaj.gov.br/geral/observanordeste/indio.pdf>. Acesso em: 1º jun. 2018.

OLIVEIRA FILHO, João Pacheco de. Uma etnologia dos “índios misturados? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Mana, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 47-77, 1998. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/mana/v4n1/2426.pdf>. Acesso em: 21 dez. 2017.

RODRIGUES, Robson; FERNANDES, Natália Morato. Reflexões sobre alteridade: contribuições para a formação de professores. In: SANTOS, Benerval Pinheiro; CAMARGO, Clarice Carolina Ortiz de; MANO, Marcel (Org.). Culturas e histórias dos povos indígenas no Brasil: novas contribuições ao ensino. Uberlândia, MG: RG Gráfica Digital Eireli, 2015. p. 330-51.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 24. ed. São Paulo: Cortez, 2016.

SILVA, Edson. Etno-histórias do cristianismo: notas para um debate. Fragmentos de Cultura, Goiânia, v. 16, n. 3/4, mar./abr. 2006. Disponível em: <http://www.espacociencia.pe.gov.br/wp-content/uploads/2014/01/ARTIGO-PARA-REVISTA-FRAGMENTOS.pdf>. Acesso em: 23 jun. 2018.

______. “Os caboclos” que são índios: história e resistência indígena no nordeste. Revista do Centro de Ensino Superior do Vale do São Francisco (CESVASF), Belém de São Francisco, ano III, n. 3, 2004. Disponível em: <http://www.espacociencia.pe.gov.br/wp-content/uploads/2014/01/ARTIGO-REVISTA-CESVASF.pdf>. Acesso em: 23 jun. 2018.

______. História Xukuru, história indígena no Nordeste: novas abordagens. Mnemosine Revista, Campina Grande, PB, v. 1, n. 2, jul./dez. 2010. Disponível em: <http://www.ufcg.edu.br/~historia/mnemosinerevista/volume1/dossie_brasil-imperio/dossie/MNEMOSINE-REVISTA_BRASIL-IMPERIO-VOL1-N2-JUL-DEZ-2010-HIST%C3%93RIA%20XUKURU,%20HIST%C3%93RIA%20IND%C3%8DGENA.pdf>. Acesso em: 6 jan. 2018.

______. Memórias xukuru e fulni-ô da guerra do Paraguai. Ciências Humanas em Revista, São Luís, MS, v. 3, n. 2, 2005. Disponível em: <https://www3.ufpe.br/remdipe/images/documentos/fontes_xukuru/silva%20edson%20hely2005a.pdf>. Acesso em: 23 jun. 2018.

______. Nossa Mãe Tamain-Religião, reelaboração cultural e resistência indígena: o caso dos Xukuru do Ororubá (PE)”. In: BRANDÃO, Sylvana (Org.). História das religiões no Brasil. Recife: Editora Universitária UFPE, 2002. V. 2.

SILVA, Kalina Vanderlei; SILVA, Maciel Henrique (Org.). Dicionário de conceitos históricos. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2006.

WERNER, Camila (Org.). O livro das religiões. 2. ed. São Paulo: Globo Livros, 2016.

Publicado
2018-12-21