Capitão: a aplicação da Indirect Rule nos Povos Kaiowá e Guarani

  • Marco Antonio Delfino de Almeida Ministério Público Federal Universidade Federal da Grande Dourados
  • Thiago Leandro Vieira Cavalcante Universidade Fedeal da Grande Dourados
Palavras-chave: capitania, colonialismo interno, Serviço de Proteção ao Índio, governo indireto.

Resumo

O artigo apresenta o conceito de indirect rule ou governo indireto formulado para aplicação nas colônias africanas durante o colonialismo do século XIX e discute sua aplicação pelo Estado colonial brasileiro por meio do Serviço de Proteção ao Índio no Brasil (SPI). Tal aplicação se deu por meio da imposição de um novo modelo de liderança nas reservas indígenas criadas pelo SPI. Esse modelo se materializou na figura do capitão a quem, na condição de indígena, cabia impor aos demais as diretrizes emanadas do SPI, configurando-se então uma forma de governo indireto, também característica do colonialismo interno. A autoridade do capitão se sobrepôs às lideranças tradicionais tornando foco perene de tensões e conflitos. Observa-se que mesmo após a Constituição Federal de 1988 esse modelo de liderança permanece, demonstrando que de alguma forma a capitania foi apropriada pelos indígenas.   

Biografia do Autor

Marco Antonio Delfino de Almeida, Ministério Público Federal Universidade Federal da Grande Dourados
É graduado em Direito (UNAES), mestre em Antropologia (UFGD) e doutorando em História (UFGD), é Procurador da República do Ministério Público Federal (MPF) de Dourados-MS.
Thiago Leandro Vieira Cavalcante, Universidade Fedeal da Grande Dourados

É graduado em História (UEL), mestre em História (UFGD), doutor em História (UNESP/Assis), é professor do curso de História e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal da Grande Dourados. Atualmente desenvolve estágio de pós-doutorado na Universidade Estadual de Maringá. 

Referências

BARBOSA, G. P. Relatório da Inspectoria de Matto Grosso, Serviço de Proteção aos Índios, 1927. In: MONTEIRO, M. E. B. Levantamento histórico sobre os índios Guarani Kaiwá. Rio de Janeiro: Museu do Índio, 2003.

BARNES, J. A. Indigenous politics and colonial administration with special reference to Australia. Comparative Studies in Society and History, v. 2, n. 2, p. 133-49, jan. 1960,

BENITES, T. A escola na ótica dos Ava Kaiowá: impactos e interpretações indígenas. Orientador: João Pacheco de Oliveira. 2009. 106 fl. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

BLANCHETT, T. La antropología aplicada y la administración indígena en los Estados Unidos: 1934-1945. Desacatos, n. 33, p. 33-52, maio/ago. 2010.

BRAND, Antonio Jacó. O confinamento e o seu impacto sobre os Pai-Kaiowá. 1993. Dissertação (Mestrado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1993.

BRAND, A. O bom mesmo é ficar sem capitão: o problema da “administração” das reservas indígenas Kaiowá/Guarani, MS. Tellus, Campo Grande, v. 1, n. 1, p. 67-88, out. 2001.

BRAND, A. Os complexos caminhos da luta pela terra entre os Kaiowá e Guarani no MS. Tellus, Campo Grande, v. 4, n. 6, p. 137-50, abr. 2004.

BRASIL. Portaria n. 491/PRES, de 15 de maio de 2008. Disponível em: http://www.funai.gov.br/arquivos/conteudo/cogedi/pdf/Boletim%20de%20Servicos/2008/Separata%2009-11%20de%2006.06.08.pdf. Acesso em: 7 ago. 2018.

BRASIL. Decreto-Lei n. 1.736, de 3 de novembro de 1939. Subordina ao Ministério da Agricultura o Serviço de Proteção ao Índio. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1930-1939/decreto-lei-1736-3-novembro-1939-411705-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 7 ago. 2018.

BRASIL. Serviço de Proteção ao Índio. Relatório de Diretoria de 1917. Arquivo do SPI, microfilme 380, f. 1239. Rio de Janeiro: Museu do Índio, 1917.

BRASIL. Serviço de Proteção ao Índio. Memorando n. 706, de 22 de novembro de 1955, de Deocleciano de Souza Nenê, chefe da 5ª Inspetoria Regional do SPI, para o encarregado do Posto Indígena Francisco Horta. In: BRASIL. Ministério Público Federal (MPF). Microfilme n. 006_01406. Cópia digital de microfilmes do Museu do Índio – Rio de Janeiro-RJ. Arquivo da Procuradoria da República no Município de Dourados, MS, [s.d.].

BRASIL. Serviço de Proteção ao Índio. Memorando n. 119, de 19 de fevereiro de 1954, de Deocleciano de Souza Nenê, chefe da 5ª Inspetoria Regional do SPI, para o encarregado do Posto Indígena José de Bonifácio. Disponível em: http://www.docvirt.com/docreader.net/DocReader.aspx?bib=mi_arquivistico&pagfis=104373. Acesso em: 7 ago. 2018.

BRASIL. Serviço de Proteção ao Índio. Ofício n. 16, de 28 de abril de 1949, do agente do Posto Indígena Francisco Horta para Joaquim Fausto Prado, chefe da Inspetoria Regional do SPI. In: BRASIL. Ministério Público Federal (MPF). Microfilme n. 006_02125. Cópia digital de microfilmes do Museu do Índio – Rio de Janeiro, RJ. Arquivo da Procuradoria da República no Município de Dourados, MS, [s.d.].

BRASIL. Ministério de Agricultura Indústria e Comércio. Relatório do Ministério de Agricultura Indústria e Comércio de 1913. In: LIMA, Antonio Carlos de Souza. Um grande cerco de paz - poder tutelar, indianidade e formação do estado no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1995. 130 p.

BRASIL. Ministério de Agricultura Indústria e Comércio. Relatório do Ministério de Agricultura Indústria e Comércio de 1917. In. LIMA, Antonio Carlos de Souza. Um Grande Cerco de Paz. Poder Tutelar, Indianidade e Formação do Estado no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1995. p. 119.

CASANOVA, Pablo González. Colonialismo Interno. In. BORON, A. A.; AMADEO,J.; GONZÁLEZ, S. (Orgs.). A teoría marxista hoje. Problemas e perspectivas. Buenos Aires: São Paulo: CLACSO: Expressão Popular, 2006. p. 395-420.

CAVALCANTE, T. L. V. Colonialismo, território e territorialidade: a luta pela terra dos Guarani e Kaiowa em Mato Grosso do Sul. Orientadora: Lúcia Helena Oliveira

Silva. 2013. Tese (Doutorado em História) - Universidade Estadual Paulista, Assis, SP, 2013.

FABIAN, Johannes. Time and Other. How Anthropology makes its object. New York: Columbia University Press, 2002.

FERREIRA, Andrey Cordeiro. Tutela e Resistência Indígena: etnografia e história das relações de poder entre os Terena e o Estado brasileiro. 2007. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

GALVÃO, Eduardo. Diários de Campo entre os Tenetehara, Kaioá e Índios do Xingu. Rio de Janeiro: Editora UFRJ; Museu do Índio-FUNAI, 1996.

LECLERC, G. Crítica da Antropologia - Ensaio acerca da história do africanismo. Lisboa: Estampa, 1973.

LIMA, A. C. S. Um grande cerco de paz. Poder tutelar, indianidade e formação do estado no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1995.

LIMA, A. C. S. Sobre indigenismo, autoritarismo e nacionalidade: considerações sobre a constituição do discurso e da prática da proteção fraternal no Brasil. In: OLIVEIRA FILHO, J. P. (Ed.). Sociedades indígenas e indigenismo no Brasil. Rio de Janeiro: EdUFRJ; São Paulo: Marco Zero, 1987.

LUGARD, F. D. The dual mandate in British tropical Africa. Londres: W. Blackwood, 1929.

MAGALHÃES, C. O selvagem. Rio de Janeiro: Typographia da Reforma, 1876. Disponível em: cdpb.org.br. Acesso em: 30 set. 2014

MALINOWSKI, Bronislaw. Indirect rule and its scientific planning. In: KABERRY, P. M. (Org.). The dynamics of culture change: an inquiry into race relations in Africa. New Haven: Yale University Press, 1945, p. 138-50.

MAMDANI, M. Citizen and subject: contemporary Africa and the legacy of late colonialism. Princeton: Princeton University Press, 1996.

NIMUENDAJU Unkel, Curt. As lendas da criação e destruição do mundo como fundamento da religião dos Apapnocuva Guarani. São Paulo: Hucitec/USP, 1987.

OLIVEIRA FILHO, J. P. O nosso governo: os Ticuna e o regime tutelar. 1986. Tese (Doutorado em Antropologia) – Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1986.

PESSOA, F. Ficção e teatro. Portugal: Europa-América, 1986.

SILVA, Alexandra Barbosa da. Mais além da “aldeia”: território e redes sociais entre os Guarani de Mato Grosso do Sul. 2007. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

SUSNIK, B. Los aborigenes del Paraguay II. Etnohistoria de los Guaranies. Epoca colonial. Asuncion: Museo Etnografico “Andres Barbero”, 1979-1980.

Publicado
2019-09-03
Seção
Dossiê 2: História Indígena, Etno-história e Indígenas Historiadoras/es: experiências descolonizantes, novas abordagens