Reflexões sobre interdisciplinaridade, interculturalidade e interinstitucionalidade em processo formativo de professores indígenas

  • Beatriz Osorio Stumpf Instituto de Estudos Culturais e Ambientais (IECAM) Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) - Grupo de Pesquisa Peabiru: Educação Ameríndia e Interculturalidade http://orcid.org/0000-0001-8510-5511
Palavras-chave: Interdisciplinaridade, Interculturalidade, Formação de Professores Indígenas.

Resumo

O artigo apresenta reflexões sobre interdisciplinaridade, interculturalidade e interinstitucionalidade na formação continuada de professores indígenas, com base em atuação desenvolvida com etnias indígenas de recente contato do alto rio Negro/AM. A análise do processo de construção e de desenvolvimento dessa experiência revela a importância de ações interculturais, visando à valorização cultural e instrumentalização para lidar com exigências da sociedade ocidental. A articulação entre várias instituições e áreas de conhecimento mostra contribuições relevantes para diversas dimensões envolvidas na questão, incluindo aspectos pedagógicos, organizacionais, relacionais e econômicos. Um enfoque maior é direcionado para a relação entre educação e antropologia, mostrando sua complementaridade nesse tipo de atuação.

Biografia do Autor

Beatriz Osorio Stumpf, Instituto de Estudos Culturais e Ambientais (IECAM) Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) - Grupo de Pesquisa Peabiru: Educação Ameríndia e Interculturalidade
Mestra em Educação, Pedagoga; Membro do Grupo de Pesquisa Peabiru: Educação Ameríndia e Interculturalidade, do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEDU) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); Educadora Ambiental do Instituto de Estudos Culturais e Ambientais (IECAM).

Referências

ATHIAS, Renato. Oralidade e prática de ensino entre os professores Hupda da região do alto rio Negro. In: ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO (ENDIPE), 15. Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: políticas e práticas educacionais. Belo Horizonte: Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), 2010.

ATHIAS, Renato. Territorialidade, fronteiras e relações interétnicas na bacia do rio Uaupés. In: MARTINS, Paulo Henrique; MEDEIROS, Rogério de Souza (Org.). América Latina e Brasil em perspectiva. Recife: Alas/Editora UFPE, 2009. p. 133-68.

BARRETTO FILHO, Henyo (Org.). Formação avançada indígena do Rio Negro: resultado do processo de consulta realizado entre 2009 e 2012. São Paulo: Instituto Arapyaú, 2012. 98 p.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Ensino Fundamental. Referenciais Curriculares Nacionais para as Escolas Indígenas. Brasília: MEC/SEF, 1988.

CABALZAR, Aloísio; RICARDO, Carlos Alberto. Mapa-livro povos indígenas do alto e médio rio Negro: uma introdução à diversidade cultural e ambiental do noroeste da Amazônia brasileira. São Paulo: Instituto Socioambiental; São Gabriel da Cachoeira, AM: Federação das Organizações Indígenas do Alto Rio Negro, 1998. 129p.

DAUSTER, Tania. Um saber de fronteira: entre a Antropologia e a Educação. Trabalho apresentado na Mesa Redonda: As Ciências Sociais e a Pesquisa em Educação. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 26., Poços de Caldas, outubro 2003.

ENGEL, Guido Irineu. Pesquisa-ação. Educar em Revista, Curitiba, PR, n. 16, p. 181-91, 2000.

EPPS, Patience. A grammar of Hup. 2005. 799f. Tese (Doutorado em Antropologia) - University of Virginia, Charlottesville, Virginia, EUA, 2005.

FAZENDA, Ivani. A interdisciplinaridade e os saberes a ensinar: que compatibilidade existe entre esses dois atributos? À guisa de apresentação. In: FAZENDA, Ivani (Org.). O que é interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2008. p. 11-5.

FUNAI. Plano Plurianual 2012-2015. Programa de proteção e promoção dos direitos dos povos indígenas. 2012. Disponível em: http://www.funai.gov.br/arquivos/conteudo/ouvidoria/pdf/acesso-a-informacao/Plano_plurianual-PPA_2012-2015.pdf. Acesso em: 17 ago. 2018.

GRUPIONI, Benzi; KAHN, Marina (Org.). Gestão territorial e ambiental em terras indígenas na Amazônia brasileira: os percursos da Rede de Cooperação Alternativa (RCA). São Paulo: Iepé, 2013. 140p.

LASMAR, Cristiane. De volta ao Lago de Leite: gênero e transformação no Alto Rio Negro. São Paulo: Editora UNESP/ISA; Rio de Janeiro: NUTI, 2005. 285 p.

LIMA, Ana Paula; MARQUES, Bruno; RAMOS, Danilo; FELIPE, Henrique Junio; LOLLI, Pedro; MOREIRA, Rafael. Violações de direitos de povos indígenas de recente contato: o caso dos Hupd’äh e dos Yuhupdëh da região do Alto Rio Negro (AM). ARACÊ – Direitos Humanos em Revista, [S.l.], v. 3, n. 4, p 213-26, fev. 2016.

LUCIANO, Gersem José dos Santos. Educação para o manejo do mundo: entre a escola ideal e a escola real no alto rio Negro. Rio de Janeiro: Contra Capa/Laced, 2013. 229p.

MAHER, Terezinha Machado. Formação de professores indígenas: uma discussão introdutória. In: GRUPIONI, Luís Donisete Benzi (Org.). Formação de professores indígenas: repensando a trajetória. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2006.

MARQUES, Bruno Ribeiro. Os Hupd’ah e seus mundos possíveis: transformação espaço-temporal do Alto Rio Negro. 2015. 265 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Programa de Pós-Graduação em Antropologia Socialm Museu Nacional (PPGAS-MN), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, 2015.

MARQUES, Bruno Ribeiro. Figuras do movimento: os Hupd’ah na literatura etnológica do Alto Rio Negro. 2009. 192 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Museu Nacional (PPGAS-MN), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, 2009.

MONTEIRO, Lirian Ribeiro; McLLUM, Cecília Anne. A noção de “bem viver” hupd’äh em seu território. Mundo Amazônico, [S.l.], v. 4, 2013. P.31-56.

MONTEIRO, Lirian Ribeiro. Territorialidade e mobilidade: estudo etnográfico de um grupo local Hupd`äh do médio Tiquié, Amazonas. 2011. 166 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia) - Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, 2011.

MONTEIRO, Lirian Ribeiro. Breve avaliação do processo de educação escolar Hupd’äh no âmbito do projeto Saúde e Educação entre os Hupd’äh. In: ATHIAS, Renato (Org.). Ações indigenistas e experiências de intervenção entre os Hupd’äh do alto rio Negro. Recife: Editora UFPE, 2010. p. 87-100.

PAIVA, Danilo. Diagnóstico situacional participativo entre os Hupd’äh. In: ATHIAS, Renato (Org.). Ações indigenistas e experiências de intervenção entre os Hupd’äh do alto rio Negro. Recife: Editora UFPE, 2010. p. 35-79.

RAMIREZ, Henri. A língua dos Hupd’äh do alto Rio Negro: dicionário e guia de conversação. São Paulo: Associação Saúde Sem Limites, 2006. 272p.

ROCHA, Gilmar; TOSTA, Sandra Pereira. Antropologia & educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade. São Paulo: Cortez, 2011.

SILVA, Rafael Moreira Serra da. Signos de pobreza: uma etnografia dos Hupd’äh e dos benefícios sociais no alto rio Negro. 2017. 254 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Departamento de Antropologia, Centro de Filosofia e Ciências Humanas (PPGAS), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, 2017.

SILVERWOOD-COPE, Peter. Os Makú: povo caçador do noroeste da Amazônia. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1990. 205p.

VALENTE, Ana Lúcia. Usos e abusos da antropologia na pesquisa educacional. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 7, n. 2, p 54-64, jul. 1996.

WALSH, Catherine. Interculturalidad crítica y educación intercultural. In: VIAÑA, Jorge; TAPIA, Luis; WALSH, Catherine. (Org.). Construyendo interculturalidad crítica. La Paz: Instituto Internacional de Integración del Convenio Andrés Bello, 2010. p. 75-96.

WEIGEL, Valéria Augusta de Medeiros. Escolas de branco em maloka de índio. Manaus: Editora da Universidade do Amazonas, 2000. 375p.

Publicado
2019-04-15