O Calendário do povo Palikur-Arukwayene

  • Adonias Guiome Ioiô Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, Brasil.
Palavras-chave: povo Palikur-Arukwayene, calendário

Resumo

O calendário do meu povo Palikur-Arukwayene, sempre segue os sinais e a orientação da natureza para deliberar o período do início e do final do ano. O ano, no nosso território divide-se duas estações designadas digiswiki/muwokwekri (estação das chuvas/inverno) que se inicia no mês que os não indígenas chamam de dezembro e termina no final de junho e kamukwiki/abareswan (estação da seca/verão) entre os meses de julho e novembro. Nas duas temporadas, os períodos são definidos pelos vegetais, animais, peixes e aves abundantes no período, mas se utiliza também a orientação da lua e das constelações para o desenvolvimento das atividades. As estações são essenciais à sobrevivência do meu povo que observa o seu próprio calendário, diferente do calendário dos não indígenas, conforme o nosso modo de vida e a nossa cultura. Mas, também existem outras maneiras de marcar o tempo, por exemplo, por intermédio das festas tradicionais, dos cantos de animais e aves, os quais se associam ao início do período de derrubada, queima, coivara e colocação das roças e, finalmente a colheita; a alteração do nível das águas do igarapé, do rio e do campo indica a possibilidade de caça de alguns animais e aves, favorece a pesca e ainda a coleta de frutos.


 

Biografia do Autor

Adonias Guiome Ioiô, Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, Brasil.
Pertence ao povo Palikur/Arukwayene, é professor de Língua e Cultura Indígena na Escola Indígena Estadual Moisés Iaparrá, no Oiapoque-Amapá e pesquisador do Núcleo Kusuvwi de Estudos Palikur/Arukwayene (NUKEPA). Concluiu o mestrado em Antropologia, junto ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia (PPGA) da Universidade Federal do Pará (UFPA). Iniciou o Doutorado em Antropologia pela UFPA.
Publicado
2019-04-15
Seção
Escritos Indígenas