Substancialidade a'uwê no espelho waradzu: Escutar o corpo indígena Xavante em contexto de trânsito espacial e cultural

Palavras-chave: Etnopsicologia, Etnopsicanálise, Povos Indígenas, Xavante, Corporalidade

Resumo

Para os Xavante, um melhor entendimento do mundo dos brancos e a capacidade de trazer melhorias para seu povo mediante estadias fora de seu território é habilidade crucial na competência de um líder. Em meados do século XX, o cacique Apöena, da Terra Indígena de Pimentel Barbosa, estabeleceu vínculos com um grupo de brancos de Ribeirão Preto, SP, e determinou a migração de oito de seus netos, todos do sexo masculino, para a cidade de origem do grupo. O presente artigo tem como enfoque a história de alguns protagonistas atuais desse intercâmbio. Objetivou-se perscrutar, mediante inclusive a sua expressão em práticas corporais, as suas perspectivas de si e de futuro e os seus efeitos na construção e transformação identitária. Para esse efeito, foram realizadas análises de entrevistas não estruturadas, realizadas com os jovens e suas famílias brancas, sob o enfoque metodológico da etnopsicanálise. Elucidou-se que esse encontro engendrou formas ativas e singulares de construção identitária e de ressignificação da tradição e memória Xavante por parte desses jovens, tanto no atinente às suas respectivas biografias quanto no entendimento dessas como uma forma de resposta à missão que lhes foi confiada pelo seu povo. Evidencia-se, nessa perspectiva, a importância de se ultrapassar concepções atidas à aculturação de indivíduos indígenas em contato com o meio urbano, levando em conta suas sociocosmologias particulares.

Biografia do Autor

Maria Clara Campos, Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP)

Graduanda em Psicologia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da Universidade de São Paulo (USP) e pesquisadora de iniciação científica no Laboratório de Etnopsicologia da FFCLRP-USP

José Francisco Miguel Henriques Bairrão, Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP)

Doutor em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e livre-docente pela Universidade de São Paulo (USP). Pesquisador e docente de Psicologia Social no Departamento de Psicologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da USP. Coordena o Laboratório de Etnopsicologia desta instituição, onde orienta e desenvolve pesquisas pautadas pelo interesse em não divorciar reflexão epistemológica (Epistemologia da Psicologia, Filosofia da Psicanálise) e pesquisa empírica (Psicologia da Cultura, Psicologia da Religião).

Referências

BAIRRÃO, J. F. M. H. Etnografar com Psicanálise. Psicologias de um ponto de vista empírico. Cultures-Kairós, Les numéros, Anthropologie et psychanalyse: débats et pratiques, 2015. Disponível em: https://revues.mshparisnord.fr/cultureskairos/index.php?id=1197. Acesso em: 13 out. 2017.

BAIRRÃO, J. F. M. H. Corpo e inconsciente. Revista Olhar, São Carlos, v. 8, p. 41-9, 2003.

BAIRRÃO, J. F. M. H. Nominação e agência sem palavras: o audível não verbal num transe de possessão. In: O movimento de um pensamento: ensaios em homenagem a Luiz Roberto Monzani. Curitiba: Editora CRV, 2011. p. 155-72.

BORGES, A. A. C. Da aldeia para a cidade: processos de identificação/subjetivação do índio Xavante na cidade de Barra do Garças/MT, alteridade irredutível? 2013. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2013.

CAIUBY NOVAES, S. Jogo de espelhos: imagens da representação de si através dos outros. São Paulo: Edusp, 1993.

CAMPOS, M. C. R. O corpo emana: elementos da plástica corporal Xavante. 2007. Dissertação (Mestrado em Artes) - Instituto de Artes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 2007.

CUKIERT, M.; PRISZKULNIK, L. Considerações sobre eu e o corpo em Lacan - uma contribuição à questão do corpo em Psicanálise: Freud, Reich e Lacan. Estudos de Psicologia (Natal), v. 7, n. 1, p. 143-9, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-294X2002000100014&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 18 fev. 2020.

DEVEREUX, G. Ethnopsychanalyse complementariste. Tradução de Jolas, T. e Gobard, R. Paris: Flammarion, 1972.

FALLEIROS, G. L. J. Vir a ser e não ser gente através da participação etnográfica no Brasil Central. Universitas humanística, Bogotá, n. 75, p. 251-74, jan./jun, 2013. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0120-48072013000100011&lng=en&nrm=iso. Acesso em:10 dez. 2019.

FERNANDES, E. R. Do Tsihuri ao Waradzu: o que as ideologias xavante de concepção, substância e formação da pessoa nos dizem sobre o estatuto ontológico do outro? Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 16, n. 34, p. 453-77, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832010000200019&lng=en&nrm=iso. Acesso em:15 out. 2017.

FERNANDES, E. R. Cosmologias indígenas, exterioridade e educação em contexto culturalmente diferenciado: um olhar a partir dos Xavante, MT. Tellus, Campo Grande, ano 10, n. 19, p. 97-110, jul./dez, 2013. Disponível em: http://tellus.ucdb.br/index.php/tellus/article/view/219. Acesso em: 2 maio 2018.

FERNANDES, E. R. Alimentação, corporalidade e doença: regimes de subjetivação do outro a partir de um estudo entre os índios Xavante (Mato Grosso, Brasil). Tessituras, Pelotas, v. 3, n. 2, p. 301-24, jul./dez., 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/tessituras/article/view/5922. Acesso em: 2 maio 2018.

ESTRATÉGIA Xavante. Direção de Belisário Franca. Rio de Janeiro: Giros, 2006. Disponível em: https://vimeo.com/216711158. Acesso em: 6 set. 2017.

GORDON, C. Os Xavante e suas circunstâncias. In: COIMBRA JR., C. E. A.; WELCH, J. R. (Org.). Antropologia e História Xavante em perspectiva. Rio de Janeiro: Museu do Índio – Funai, 2014.

HASHIGUTI, S. O corpo como materialidade do/no discurso. In: SEMINÁRIO DE ANÁLISE DO DISCURSO, 3., Porto Alegre, 2007. Anais [...]. Porto Alegre: SEAD, 2007. Disponível em: http://www.ufrgs.br/analisedodiscurso/anaisdosead/3SEAD/Simposios/SimoneHashiguti.pdf. Acesso em:18 fev. 2020.

LACAN, J. O Seminário Livro 1: os escritos técnicos de Freud. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1986. [Texto original publicado em 1975].

LACAN, J. O estádio do espelho como formador da função do eu. In: LACAN, J. Escritos. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998. p. 96-103. [Texto original publicado em 1966].

LOPES DA SILVA, A. A expressão mítica da vivência histórica: tempo e espaço na construção da identidade Xavante. Anuário Antropológico/82, 1983, p. 200-14. Acesso em: 5 ago. 2018.

MÜLLER, R. A. P. A pintura do corpo e os ornamentos Xavante: arte visual e comunicação social. 1976. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1976.

NASIO, J. D. Cinco lições sobre a teoria de Jacques Lacan. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

NUNES, E. S. Aldeias urbanas ou cidades indígenas? Reflexões sobre índios e cidades. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 4, n. 1, p. 9-30, jan./jun. 2010. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/EspacoAmerindio/article/view/8289. Acesso em: 15 out. 2017.

OLIVEIRA, N. A. Xavantes, pioneiros e gaúchos: identidade e sociabilidade em Nova Xavantina/MT. 2010. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Faculdade de Ciências Sociais, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS, 2010.

ORLANDI, E. P. Textualização do corpo: a escritura de si. In: Cidade dos Sentidos. Campinas: Pontes, 2004.

ROSA, L. M. Encontros e desencontros entre os a’uwê uptabi e os waradzu no espaço urbano de Barra do Garças-MT. 2008. Dissertação (Mestrado em História) - Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, 2008.

SOARES, J. Aspectos comuns da organização social Kaingang, Xavante e Bororo. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 2, n. 1, p. 44-67, jan./jun., 2008. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/EspacoAmerindio/article/view/3114. Acesso em: 29 jan. 2020.

SPAOLONSE, M. B. Uma “tradição” em performance: corporalidade, expressividade e intercontextualidade num rito de iniciação social entre os Xavante de Sangradouro. 2006. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2006.

TORAL, A. A. “Xavantaço ou Funailaço?”. Aconteceu Especial 17 – Povos Indígenas no Brasil – 85/86. São Paulo: Centro Ecumênico de Documentação e Informação, 1986. p. 344-47.

TSI’RUI’A, A. T. A sociedade Xavante e a educação: um olhar sobre a escola a partir da pedagogia Xavante. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS, 2012.

VIANNA, F. L. B. Boleiros do cerrado – índios Xavantes e o futebol. São Paulo: FAPESP/ISA/Annablume, 2008.

VIVEIROS DE CASTRO, E. A fabricação do corpo na sociedade Xinguana. In: OLIVEIRA FILHO, J. P. (Org.). Sociedades Indígenas e Indigenismo no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Marco Zero, 1987.

Publicado
2020-11-12