Transformações na cerâmica kadiwéu em Mato Grosso do Sul, Brasil

Palavras-chave: desenvolvimento regional, artesanato indígena, arte oleira

Resumo

Este artigo tem por objeto as transformações ocorridas na cerâmica Kadiwéu em Mato Grosso do Sul. Objetivando analisá-las historicamente, foram essenciais categorias teóricas tomadas de Berta Ribeiro. O levantamento de dados empíricos explorou fontes primárias como relatos de antropólogos e naturalistas que palmilharam aldeias Kadiwéu desde a década de 1880. Imagens fotográficas e desenhos, além de observações sistemáticas em situações de trabalho, tanto em aldeia Kadiwéu quanto em postos de comercialização de artesanato, contribuíram para o entendimento do processo de produção e ornamentação de artefatos cerâmicos. Fontes secundárias foram buscadas em pesquisas realizadas desde o início do século XXI. Entre as conclusões foram constatadas: a) a permanência no tempo das técnicas e instrumentos de trabalho usados pelas ceramistas; b) e a transformação dos antigos utensílios em mercadorias, determinante para as mudanças das funções das peças, das suas formas e dimensões, bem como para aligeirar o processo de produção.

Biografia do Autor

Gilberto Luiz Alves, Universidade Anhanguera-Uniderp

É professor titular aposentado pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Atualmente é professor pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional na Universidade Anhanguera-Uniderp.

Selma Maria Rodrigues, Universidade Anhanguera-Uniderp

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional na Universidade Anhanguera-Uniderp. Atualmente é arquiteta.

Referências

ALVES, G. L. Utensílio, objeto de arte e mercadoria: a cerâmica indígena em Mato Grosso do Sul. In: ALVES, G. L. (Org.). Temas indígenas sul-mato-grossenses. Curitiba: Appris, 2020. p. 9-35.

ALVES, G. L. Relatório do projeto de pesquisa artesanato indígena, mudanças e inovações tecnológicas em Mato Grosso do Sul. Campo Grande: Uniderp, 2017.

ALVES, G. L. Arte, artesanato e desenvolvimento regional: temas sul-mato-grossenses. Campo Grande: UFMS, 2014.

ARISTÓTELES. Política. Madrid: Gredos, 1988.

BOGGIANI, G. Os caduveo. São Paulo: Martins Fontes, 1945.

BOSSI, Bartolomé. Viagem pintoresco por los rios Paraná, Paraguay, San Lorenzo, Cuyabá y el Arino, tributario del grande Amazonas: con la descripción de la provincia de Mato Grosso bajo sul aspecto físico, geográfico, mineralojico y sus producciones naturales. Paris: Libreria Parisiense, 1863.

CANAZILLES, K. S. A. A produção e a comercialização do artesanato kinikinau em Mato Grosso do Sul. 2013. Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional) – Universidade Anhanguera-Uniderp, Campo Grande, MS, 2013.

CASTELNAU, Francis. Expedição às regiões centrais da América do Sul. Tradução de Olivério M. de Oliveira Pinto. São Paulo: Brasiliana, 1949. v. 2.

CHAVES, F. A. A produção da cerâmica terena da aldeia Cachoeirinha em Miranda, MS. 2015. Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional) – Universidade Anhanguera-Uniderp, Campo Grande, MS, 2015.

FERNANDES, Angela Miracema Batista. Conexão Kadiwéu: depoimento. In: ALVES, Gilberto Luiz (Org.). Temas indígenas sul-mato-grossenses. Curitiba: Appris, 2020. p. 111-4.

FERREIRA, Joaquim Alves. Notícia sobre os índios de Mato Grosso dada em ofício de 2 de Dezembro de 1848 ao Ministro e Secretário de Estado dos Negócios do Império, pelo Diretor Geral dos Índios da então Província. Cuiabá: IHGMT, 2001. (Publicações avulsas, 33).

FERREIRA, Alexandre Rodrigues. Viagem filosófica: pelas capitanias do Grão-Pará, Rio Negro, Mato Grosso e Cuiabá. Memórias antropologia. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cultura/Departamento de Imprensa Nacional, 1974. v. 1.

FERREIRA, Alexandre Rodrigues. Viagem filosófica: pelas capitanias do Grão-Pará, Rio Negro, Mato Grosso e Cuiabá, 1783-1792. Iconografia. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cultura; Departamento de Imprensa Nacional, 1971. v. 1.

GODOY, A. F. A cerâmica terena e sua produção na arte indígena do Mato Grosso do Sul. 2001. Monografia (Especialização em História Regional) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Aquidauana, MS, 2001.

GOMES, L. S. A produção da cerâmica pelas mulheres terena: interfaces entre cultura, material, gênero e território tradicional. In: REUNIÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA [ABA], 26., 1-4 jun. 2008, Porto Seguro, Bahia. Anais [...]. Brasília: ABA. Disponível em: http://www.abant.org.br/conteudo/ANAIS/CD_Virtual_26_RBA/grupos_de_trabalho/trabalhos/GT%2014/luciana%20scanoni%20gomes.pdf. Acesso em: 1º out. 2018.

GRAZIATO, V. P. P. O universo feminino na cerâmica kadiwéu. In: SILVA, J (Org.). Kadiwéu: senhoras da arte, senhores da guerra. Curitiba: Editora CRV, 2011. p. 163-86.

GRAZIATO, V. P. P. Cerâmica kadiwéu processos, transformações, traduções: uma leitura do percurso da cerâmica kadiwéu do século XIX ao XXI. 2008. Dissertação (Mestrado em Poéticas Visuais) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2008.

KOMIYAMA, C. B. P. A comercialização de cerâmica kadiwéu em Campo Grande, MS. 2015. Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional) – Universidade Anhanguera-Uniderp, Campo Grande, MS, 2015.

LEVI-STRAUSS, C. Tristes trópicos. Tradução de Wilson Martins. São Paulo: Editôra Anhembi, 1957.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. São Paulo: BOITEMPO, 2013. v. 1.

OLIVEIRA, R. C. Do índio ao bugre: o processo de assimilação dos terêna. Prefácio de Darcy Ribeiro. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976.

OLIVEIRA, R. C. Urbanização e tribalismo: a integração dos índios terêna numa sociedade de classes. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1968.

PRADO, Francisco Rodrigues. História dos índios cavaleiros ou da nação guaicuru: 1795. Atualização e notas de Hildebrando Campestrini. Campo Grande: Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul, 2006. (Série Relatos Históricos, 1).

RIBEIRO, B. G. Arte indígena, linguagem visual. São Paulo: USP, 1989.

RIBEIRO, B. G. Dicionário do artesanato indígena. Belo Horizonte: USP, 1988.

RIBEIRO, D. Kadiwéu: ensaios etnológicos sobre o saber, o azar e a beleza. Petrópolis: Vozes, 1980.

SÁ, R. C.; INAGAKI, E. (Org.) Relatório parcial cerâmica kadiwéu: 2013/2014. Brasília: Museu do Índio/FUNAI, 2014.

SIQUEIRA JR., J. G. A iconografia kadiwéu Atual. In: VIDAL, L. (Org.). Grafismo indígena: estudos de antropologia estética. São Paulo: Studio Nobel/USP/FAPESP, 1992. p. 265-77.

SMITH, H. Do Rio de Janeiro a Cuiabá: notas de um naturalista. Cayeiras/São Paulo/Rio de Janeiro: Companhia Melhoramento S. Paulo, 1922.

Publicado
2021-08-16