Corpos, pinturas e saberes Gavião

Palavras-chave: pintura corporal, parentesco, criança, Gavião Pyhcop Catiji

Resumo

O artigo apresenta uma abordagem sobre as pinturas corporais dos povos Jê, especificamente dos Gavião Pyhcop Catiji. Partindo de uma etnografia com este povo e de fotos produzidas durante a Ação Saberes Indígenas na Escola/Ministério da Educação (MEC) em 2019, abordamos o esforço dedicado sobre a superfície da pele que visa a humanização do corpo das crianças. Na realização das pinturas corporais, pigmentos e penas de pássaros assumem uma posição decisiva na dinâmica da fabricação da semelhança e da diferença presente no processo do parentesco. Nos rituais e em práticas cotidianas, a sobreposição de pigmentos e penas sobre a superfície da pele das crianças torna-as, gradativamente, membro social e sujeito pleno nas interações com seres de distintas agencialidades das quais depende o futuro de todo o povo Gavião.

Biografia do Autor

Emilene Leite Sousa, Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Pós-doutora em Antropologia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Doutora em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre em Sociologia pela UFPB. Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Professora Adjunta na Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

Karitânia dos Santos Araújo, Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Pós-graduanda em Educação em Direitos Humanos na Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Graduada em História pela Universidade Estadual do Maranhão Atua como pesquisadora na UFMA. Desempenha função de técnica da Educação Escolar Indígena na Secretaria de Educação do Estado do Maranhão e Supervisora da Ação Saberes Indígenas na Escola.

Cleverson Daniel Rodrigues Sena, Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Graduado em Jornalismo pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Atualmente é jornalista em Imperatriz, MA.

Lucyávila de Carvalho Sousa, Universidade Ceuma (UNICEUMA)

Graduada em Licenciatura em Educação Física. Atualmente é professora em São Luís, MA.

Maycon Henrique Franzoi de Melo, Universidade Ceuma (UNICEUMA)

Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Graduado em Ciências Sociais pela Universidade Metropolitana de Santos (UNIMES). Atua como professor do Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente na Universidade CEUMA (UNICEUMA).

Referências

BARCELOS NETO, Aristóteles. A serpente do corpo repleto de canções: um tema amazônico sobre a arte do trançado. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 54, n. 2, p. 981-1012, 2011.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Os mortos e os outros: uma análise do sistema funerário e da noção de pessoa entre os índios Krahó. São Paulo: Hicitec, 1978.

COELHO DE SOUZA, Marcela. O traço e o círculo o conceito de parentesco entre os jê e seus antropólogos. 2002. 668 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Museu Nacional, Rio de Janeiro, RJ, 2002.

COHN, Clarice. Crescendo como um Xikrin: uma análise da infância e do desenvolvimento infantil entre os Kayapó-Xikrin do Bacajá. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 43, n. 2, p. 195-222, 2000a.

COHN, Clarice. A criança indígena: a concepção Xikrin de infância e aprendizado. 2000. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2000b.

COHN, Clarice. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005. (Coleção Passo a Passo).

GELL, Alfred. Art and agency: an anthropological theory. Oxford: Oxford University Press, 1998.

LAGROU, Els. Arte indígena no Brasil: agência alteridade e relação. Belo Horizonte: Arte, 2009.

MELO, Maycon Henrique Franzoi. O caçador xamã: etnoclassificação ambiental e socialidade humano-animal entre caçadores Gavião Pyhcop catiji (Amazônia maranhense). Revista de Antropologia da UFSCAR, São Carlos, v. 11, n. 2, p. 226-50, 2019.

MELO, Maycon Henrique Franzoi. O nome e a pele: nominação e decoração corporal Gavião (Amazonia maranhense). 2017. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA, 2017.

MELO, Maycon; SOARES, Lígia. Raquel Rodrigues. Redes de relações timbira: estudo de caso a partir dos etnônimos em uso pelos Ramkokamelra/Canela e os Gavião Pyhcop catiji. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, v. 15, n. 29, p. 15-31, 2018.

TASSINARI, Antonella Maria Imperatriz. Múltiplas infâncias: o que a criança indígena pode ensinar para quem já foi à escola ou a sociedade contra a escola. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 33., 26-30 out., 2009, Caxumbu. Anais [...]. São Paulo: ANPOCS, 2009.

TASSINARI, Antonella Maria Imperatriz. Concepções indígenas de infância no Brasil. Revista Tellus, Campo Grande, ano 7, n. 13, p. 11-25, 2007.

TURNER, Terence S. The social skin. In: CHERFAS, Jeremy; LEWIN, Roger. (Org.). Not work alone: a cross-cultural view of activities superfluous to survival. London: Temple Smith, p. 112–40, 1980

VILAÇA, Aparecida. Making kin out of others in Amazonia. The Journal of the Royal Anthropological Institute, London, v. 8, n. 2, p. 347-65, 2002.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio. MANA, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 115-44, 1996.

Publicado
2021-08-16
Seção
Iconografia