Kairós e Chronos: sobre os tempos e a cosmologia Kaingang

Palavras-chave: tempo, Kaingang, Kofa ag, Chronos, Kairós

Resumo

No presente trabalho, apresentamos os resultados de uma investigação que teve o Tempo como tema de estudo e, como fios condutores, a escuta e o registro das histórias dos Kofa ag Kaingang da Terra Indígena Xapecó, buscando conhecer a concepção de Tempo manifestada através de histórias. A pesquisa teve como metodologia a autoetnografia, por meio da qual uma indígena se tornou autora de estudo sobre seu próprio povo, através de pesquisa documental e pesquisa de campo com os Kofa ag da comunidade. Os dados foram analisados à luz da Análise Textual Discursiva. O estudo nos indicou uma tensão entre “viver” o tempo no modo de vida passado e no contemporâneo dos Kaingang, a partir da noção constituída histórica e culturalmente, em suas configurações e significados. Temos como premissa que o bem viver indígena se dá no equilíbrio do tempo Chronos e Kairós; que os Kofa ag vivenciam uma conflitante relação com a natureza, marcada pelo tempo Chronos e experienciada em um tempo Kairós; que nas rotinas atuais imbuídas pelo tempo relógio encontramos os traços evidentes do tempo Kairós, na leitura de mundo que cada um deles nos proporciona.

Biografia do Autor

Rute Barbosa de Paula, Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ)

Indígena Kaingang Graduada em Licenciatura Intercultural Indígena em Matemática e Ciências da Natureza (Unochapecó). Professora da Escola Básica Cacique Vanhkre na Terra Indígena Xapecó, Ipuaçu, SC, Brasil.

Luci dos Santos Bernardi, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI)

Doutora em Educação Científica e Tecnológica, e mestre em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Graduada em Matemática pela Universidade de Passo Fundo (UPF). Professora pesquisadora do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI/FW).

Maria de Souza, Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ)

Mestre em Educação na Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó). Graduada em Artes Visuais – Licenciatura – pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó). Professora da Rede Municipal de Ensino de Chapecó, SC.

Referências

BATTESTIN, Cláudia; CAMARGO, Camila G. Experiências interculturais: a marca do tempo Chronos vivenciada no Tempo Kairós. In: TAPIA, Pedro C.; CASTILHOS, Mariana C. Los claroscuro del debate: pueblos indígenas, colonialismo y subalternidad en América del Sur. Siglos XX y XXI. Santiago, Chile: Ariadna Ediciones, 2016. p. 75-96.

CHASSOT, Ático I.; CAMARGO, Camila G. A interculturalidade e as intempéries de chronos e kairós: sobre tempos indígenas e não indígenas na universidade. Revista Pedagógica, Chapecó, v. 17, n. 34, p. 59-74, jan./abr. 2015.

D’ANGELIS, Wilmar da Rocha. Propostas para a formação de professores indígenas no Brasil. Em Aberto, Brasília, v. 20, n. 76, p. 34-43, fev. 2003.

FERREIRA, Valéria M. R.; ARCO-VERDE, Yvelise F. S. Chrónos & Kairós: o tempo nos tempos da escola. Educar, Curitiba, n. 17, p. 63-78. 2001.

GUISSO, Cíntia; BERNARDI, Luci dos S. Narrativas kaingang: autoetnografia como caminho. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO (II SENPE), 2., São Paulo, 2016. Anais [...]. São Paulo: Pedro João, 2016.

GUISSO, Cíntia; BERNARDI, Luci dos S. O significado da sociocosmologia nas histórias dos Kofa ag: o mundo e a vida Kaingang. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 11, n. 2, p. 143-66, 2017. DOI: https://doi.org/10.22456/1982-6524.72932

KLINGER, Diana. Escritas entre si, escritas do outro: o retorno do autor e a virada etnográfica. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2007.

LUCIANO, Gersem dos Santos. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade/LACED/Museu Nacional, 2006.

MORAES, Roque. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, Bauru, v. 9, n. 2, p. 191-211, 2003.

NÖTZOLD, Ana Lucia V. (Org.). Ouvir memórias contar histórias: mitos e lendas kaingáng. Santa Maria: Palotti, 2006.

NIMUENDAJU, Curt. Etnografia e indigenismo: sobre os Kaingang, os Ofaié-Xavante e os índios do Pará. Marco Antonio Gonçalves (Org.). Campinas: UNICAMP, 1993.

PAULA, Rute Barbosa. O Tempo e a Cosmologia Kaingang. 2019. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Intercultural Indígena em Matemática e Ciências Naturais) – Universidade Comunitária da Região de Chapecó, Chapecó, SC, 2019.

SANTO AGOSTINHO. Confissões. São Paulo: Paulus Editora, 1997.

SEVERINO FILHO, João; JANUÁRIO, Elias. Os marcadores de tempos indígenas e a etnomatemática: a pluralidade epistemológica da ciência. Zetetiké, Campinas, v. 19, n. 1, 2011.

TOMMASINO, Kimiye. A história dos Kaingang da bacia do Tibagi: uma sociedade Jê Meridional em movimento. 1995. 340p. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 1995.

VEIGA, Juracilda. Organização social e cosmovisão kaingang: uma introdução ao parentesco, casamento e nominação em uma sociedade Jê Meridional. 1994. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1994.

VEIGA, Juracilda. Cosmologia e práticas rituais kaingang. 2000. 367 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2000.

VILLAS-BOAS, Orlando; VILLAS-BOAS, Cláudio. Xingu: os índios, seus mitos. 4. ed. São Paulo: Zahar, 1976.

Publicado
2021-12-22