Experiências de pesquisa em educação escolar indígena: reflexões sobre práticas etnoeducacionais em Altamira, PA

Palavras-chave: indigenismo, educação escolar, etnoeducação

Resumo

Este artigo tem como objetivo mostrar experiências e reflexões de pesquisa no espaço etnoeducacional da Educação Escolar Indígena, no Médio Xingu, município de Altamira, Pará, Brasil. Considera-se a abordagem dos conceitos de etnicidade e grupos étnicos, a partir dos pressupostos teóricos, como a pesquisa antropológica que nos leva a conhecer outros universos sociais e culturais, imprimindo uma concepção baseada na interação das relações sociais e identitárias. Os procedimentos metodológicos são de análise documental, bibliográfica e de pesquisas qualitativas do tipo estudo de campo. Assim, usam-se instrumentos de observação participante, e a análises interpretativas do universo ao qual se pesquisa. A experiência de pesquisa em Educação Escolar Indígena apresenta-se a partir do estudo em campo em reuniões, seminários, congressos e outros eventos na cidade de Altamira onde estavam as etnias (Juruna, Xipaya, Kuruaya, Arara, Kayapó, Xikrin, Asuriní, Araweté e Parakanã) tem sua importância por possibilitar reflexões das práticas etnoeducacionais, com um olhar mais sensível e apurado, delineando assim, um percurso dialógico, empírico e “próximo”. Priorizam-se as teorias de Barth (2000), Santos (2008), Boaventura Santos (2008), Bonin (2012) André (1995) para dar suporte aos conceitos e provocar discussão no campo temático ora proposto. Nesse diálogo, conclui-se que a Educação Escolar Indígena movimenta-se como uma política em construção, com características fortes e marcantes da etnoeducação, em que são valorizadas os saberes e fazeres locais dos indígenas, embora, de modo ainda embrionária devido aos percalços instaurados por séculos pela sociedade capitalista e elitista.

Biografia do Autor

Kátia Barros Santos, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Mestre em Linguagens e Saberes na Amazônia pela Universidade Federal do Pará, Bragança. Especialista em Educação para Relações Etnicorraciais. Graduada em Licenciatura Plena em Letras pela Universidade Federal do Pará. Professora na Secretaria Municipal de Educação de Altamira.

César Martins de Souza, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Pós-Doutor e Doutor em História pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Professor Adjunto da UFPA, docente do Programa Pós-Graduação em Linguagens e saberes na Amazônia (PPLSA), em Bragança, PA. Editor da Nova Revista Amazônica

 

Francisco Pereira de Oliveira , Universidade Federal do Pará (UFPA)

Doutor em Biologia Ambiental com ênfase em Biologia de Organismos da Zona Costeira Amazônica pela Universidade Federal do Pará. Professor de graduação e da pós-graduação do Programa em Linguagens e Saberes na Amazônia da Universidade Federal do Pará.

Referências

ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso. Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus, 1995.

ARCANJO, Nathany Melo Machado. Elaboração e organização do Mapa Município de Altamira. Altamira, PA: LEDTAM, 2021.

BARTH, Fredrik. O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Tradução de Jonh Cunha Comerford. Rio de janeiro: Contra Capa Livraria, 2000.

BERGAMASCHI, Maria Aparecida; GOMES, Luana Barth. A temática indígena na escola: ensaios de educação intercultural. Currículo sem Fronteiras, [s.l.], v. 12, n. 1, p. 53-69, jan./abr. 2012.

BECKER, Simone; ROCHA, Taís Cássia Peçanha. Notas sobre a “tutela indígena” no Brasil (legal e real), com toques de particularidades do sul de Mato Grosso do Sul. Revista da Faculdade de Direito UFPR. Curitiba, v. 62, n. 2, p. 73-105, maio/ago. 2017. ISSN 2236-7284. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/direito/article/view/49443. Acesso em: 27 fev. 2022. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rfdufpr.v62i2.49443

BLASER, Ana Luisa Brites. Vivências e convivências na aldeia Mrotidjã: uma análise dos processos de educação escolar Xikrin. 2013. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2013. Disponível em: https://repositorio.unb.br/bitstream/10482/13207/1/2013_AnaLuisaBritesBlaser.pdf. Acesso em: 2 jul. 2020.

BONIN, Iara Tatiana. Educação Escolar Indígena e Docência: princípios e normas na legislação em vigor. In: BERGAMASCHI, Maria Aparecida; ZEN, Maria Isabel Habckost Dalla; XAVIER, Maria Luisa Merino de Freitas (Org.). Povos indígenas & educação. 2. ed. Porto Alegre: Mediação, 2012.

BOSI, Éclea. Memória e sociedade: lembrança de velhos. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

BRANDÃO, Carlos. Rodrigues. O que é educação. 48. ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 2007.

BRASIL. Lei nº. 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da educação Nacional. Diário Oficial da União: Brasília, 1996.

BRASIL. Resolução CNE n. 02, de 28 de abril de 2008. Estabelece as Diretrizes Complementares, Normas e Princípios para o Desenvolvimento de Políticas Públicas de Atendimento da Educação Básica do Campo. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 29 de abril de 2008, Seção 1, p. 81. Disponível em: http://pfdc.pgr.mpf.gov.br/atuacao-e-conteudos-de-apoio/legislacao/educacao/educacao-rural/resolucao_MEC_2.08. Acesso em: 27 fev. 2022.

CANDAU, Maria Vera. Sociedade multicultural e educação: tensões e desafios. In: CANDAU, Maria Vera (Org.). Cultura(s) e educação: entre o crítico e pós-crítico. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

CANDAU, Vera Maria Ferrão. Diferenças culturais, interculturalidade e educação em direitos humanos. Educação & Sociedade, Campinas, v. 33, n. 118, p. 235-50, jan./mar. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/QL9nWPmwbhP8B4QdN8yt5xg/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 26 abr. 2019.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: DIFEL, 1990.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. Tradução de Pola Civelli. São Paulo: Editora Perspectiva, 2004.

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia. 6. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2011.

GADOTTI, Moacir. Concepção dialética da educação: um estudo introdutório. 7. ed. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1990.

GARCIA, Regina Leite. Método, Métodos, Contramétodos. (Org). São Paulo: Editora Cortez, 2003.

GRUPIONI, Luís Donisete Benzi. Olhar longe, porque o futuro é longe: cultura, escola e professores indígenas no Brasil. 2008. 237 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2008.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. 12. ed. Campinas: Papirus, 2012.

LORENZ, Sônia; RODRIGUES, Carmem Lúcia Reis. Locais de ocupação dos antepassados Xipaya da aldeia Cojubim, TI Cachoeira Seca. 14 p. 2014. (Material físico).

MORAES, Maria Cândida. O paradigma educacional emergente. Campinas: Papirus, 2003. Disponível em: http://www.ub.edu/sentipensar/pdf/candida/paradigma_emergente.pdf. Acesso em: 1º maio 2018.

PARENTE, Francilene de Aguiar. “Eles são indígenas e nós também”: pertenças e identidades étnicas entre Xypaia e Kuruaya em Altamira/Pará. 2016. Tese (Doutorado em Antropologia) – Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, Pará, 2016.

PATRÍCIO, Marlinda Melo. Xipaya. Povos Indígenas do Brasil. Instituto Socioambiental, [s.l.], 2003. Disponível em: http://pib.socioambiental.org/pt/povo/xipaya. Acesso em: 6 fev. 2019.

PROJETO Político Pedagógico da Escola do Povo Xipaya. Terra Indígena Xipaya e Aldeia Kujubim. Programa de Educação Escolar Indígena do PBA-CI da UHE. Belo Monte, 2015

PROJETO Político Pedagógico Escolas Indígenas do Povo Xikrin do Bakajá. Terra Indígena Trincheira-Bakajá. Programa de Educação Escolar Indígena do PBA-CI da UHE. Belo Monte, 2014.

RIBEIRO, Darcy. Os índios e a civilização: a integração das populações indígenas no Brasil moderno. 2. ed. Petrópolis. RJ: Vozes, 1977.

RODRIGUES, Aryon Dall´Igna. Línguas indígenas brasileiras. Brasília: Laboratório de Línguas Indígenas da UnB, 2013. Disponível em: http://www.laliunb.com.br. Acesso em: 20 maio 2021.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SANTOS, Maria Roseli Sousa. Saberes culturais, memória e identidade social em tempos de modernidade. Belém: Universidade do Estado do Pará / CCSE, 2005.

SILVA, Aracy Lopes da; DRUPIONI, Luís Donizete Benzi (Org). A temática indígena na escola: novos subsídios para professores de 1º e 2ª graus. Brasília, MEC/MARI/UNESCO, 1995.

SIMONI, Alessandra Traldi; DAGNINO, Ricardo de Sampaio. Dinâmica demográfica da população indígena em áreas urbanas: o caso da cidade de Altamira, Pará. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, v. 33, n. 2, p. 303-26, maio/ago. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbepop/a/f5Shm3YjDpLQFZtvNKvKQMf/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 2 jul. 2020.

SOUZA, César Augusto Martins. Ditadura, grandes projetos e colonização no cotidiano da Transamazônica. Revista Contemporânea – Dossiê 1964-2014: 50 anos depois, a cultura autoritária em questão, ano 4, n. 5, 2014 [v. 1].

SPINASSÉ, Karen Pupp. Os conceitos Língua Materna, Segunda Língua e Língua Estrangeira e os falantes de línguas alóctones minoritárias no Sul do Brasil. Revista Contingentia, Porto Alegre, v. 1, p. 1-10, 2006. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/contingentia/article/view/3837. Acesso em: 25 maio 2021.

UMBUZEIRO, Ubirajara Marques; UMBUZEIRO, Antônio Ubirajara Bogea. Altamira e sua história. 4. ed. Belém: Ponto Press, 2012.

WEINSTEIN, Bárbara. A Borracha na Amazônia: expansão e decadência (1850-1920). São Paulo: Hucitec-Edusp, 1993.

ZACCUR, Edwiges. Por que não uma epistemologia da linguagem? In: GARCIA, Regina Leite (Org). Método, métodos e contramétodo. São Paulo: Cortez, 2003.

Publicado
2022-03-16