Teia dos Povos: afetos-encantos afro-indígenas-populares numa coalizão cosmopolítica

Palavras-chave: autonomia, cosmopolítica, encanto, relações afro-indígenas, agroecologia

Resumo

A Teia dos Povos é uma coalizão que reúne grupos indígenas, quilombolas, camponeses, pescadores, representantes de comunidades de terreiros e outros grupos do Sul da Bahia em torno da agroecologia e da defesa dos territórios comunitários, entre outras iniciativas comuns. A Teia mantém reflexões e práticas que a aproximam do ideal autonômico, e o presente artigo busca, a partir de elementos extraídos de trabalho de campo etnográfico e pesquisa-ação, demonstrar como a construção dessa rede passa pela geração de mútuos afetos entre camponeses, negros, indígenas e moradores das periferias urbanas, configurando uma cosmopolítica sustentada por elementos que não podem ser completamente compreendidos a partir de uma sócio-lógica tradicional. Nesse afã, a pesquisa propõe lançar mão de elementos preliminares de uma teoria etnográfica sobre o encanto.

Biografia do Autor

Spensy Kmitta Pimentel, Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB)

Doutor e mestre em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (USP). Graduado em Jornalismo pela USP. Professor na Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) e líder do grupo de pesquisa e ação Comunidades e(m) Autonomia.

Referências

ALIMONDA, H. Una introducción a la Ecología Política latinoamericana (pasando por la historia ambiental). Buenos Aires: Clacso, 2015.

ANDRADE, U. M. A Jurema tem dois gaios – história Tumbalalá. In: CARVALHO, M. R.; CARVALHO, A. M. (Org.). Índios e caboclos: a história recontada. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 183-222.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGROECOLOGIA [ABA]. Quem somos. ABA-Agroecologia, Botafogo, [s.d.]. Disponível em: https://aba-agroecologia.org.br/sobre-a-aba-agroecologia/sobre-a-aba/. Acesso em: 5 jun. 2021.

ADAMOVSKY, E. et al. Pensar las autonomias – alternativas de emancipación al capital y al Estado. Mexico: Sísifo/Bajotierra, 2011.

BARBOSA, H. S. (Taata Luangomina). Candomblé bantu-indígena da Bahia: organização sociorreligiosa e relação global da comunidade Caxuté na Costa do Dendê. 2019. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cachoeira, BA, 2019.

BECK, U. Reframing power in the globalized world. Organization Studies, Thousand Oaks, v. 29, n. 5, 2008.

BONFIM, A. B. Patxohã, ‘língua de guerreiro’: um estudo sobre o processo de retomada da língua pataxó. 2012. Dissertação (Mestrado em Estudos Étnicos e Africanos) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, 2012.

BRANDÃO, J. D. A práxis camponesa nos terreiros da nação kongo-angola: memorial biocultural como defesa do território ancestral da comunidade de terreiro do campo bantu-indígena Caxuté. 2018. Dissertação (Mestrado profissional em Educação no Campo) – Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Amargosa, BA, 2018.

BRANDÃO, C. R. Entre a observação participante e a pesquisa participante – memórias e imaginários ao redor de vivências com pesquisas entre “puras” “aplicadas” “etnográficas” e “participantes”. A partilha da vida, [s.l.], [s.d.]. Disponível em: www.apartilhadavida.com.br. Acesso em: 1º fev. 2021.

CARDOSO, T. M. Paisagens em transe: uma etnografia sobre poética e cosmopolítica dos lugares habitados pelos Pataxó no Monte Pascoal. 2016. Tese (Doutorado em Antropologia) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2016.

CARTER, M.; CARVALHO, H. M. A luta na terra: fontes de crescimento, inovação e desafio constante ao MST. In: CARTER, M. (Org.). Combatendo a desigualdade social – o MST e a reforma agrária no Brasil. São Paulo: Unesp, 2010. p. 287-330.

COUTO, P. Morada dos encantados, identidade e relogiosidade entre os Tupinambá da Serra do Padeiro – Buerarema, BA. 2008. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, 2008.

CRUZ, F. S. M. Povos indígenas, pesquisa e descolonização (resenha). Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 36, n. 105, p. 1-5, 2021.

CUSICANQUI, S. R. Un mundo ch’ixi es posible – ensayos desde un presente en crisis. Buenos Aires: Tinta Limón, 2018.

DESCOLA, P. Societies of Nature and the Nature of Society. In: KUPER, A. (Org.). Conceptualizing Society. London/ New York: Routledge, 1992. p. 107-26.

ESCOBAR, A. Territórios de diferencia: la ontologia política de los “derechos al território”. Desenvolvimento & Meio Ambiente, Curitiba, v. 35, p. 89-100, 2015.

FALS BORDA, O. Aspectos teóricos da pesquisa participante: considerações sobre o significado e o papel da ciência na participação popular. In: BRANDÃO, C. R. (Org.) Pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1981.

FAVRET-SAADA, J. Ser afetado. Cadernos de campo, 2005. V. 13.

FERREIRA, J.; FELÍCIO, E. Paz entre nós, guerra aos senhores – uma tradição rebelde de alianças. Jacobin Brasil, São Paulo, 2 jul. 2020. Disponível em: https://jacobin.com.br/2020/07/paz-entre-nos-guerra-aos-senhores-uma-tradicao-rebelde-de-aliancas/. Acesso em: 30 ago. 2021.

FERREIRA, J.; FELÍCIO, E. Por terra e território – caminhos da revolução dos povos no Brasil. Arataca: Teia dos Povos, 2021.

GALLOIS, D. T. et al. Etnologia brasileira: alguns caminhos de uma antropologia indígena. Brésil(s), Paris, v. 9, p. 1-28, 2016.

GERLIC, S. Cantando as culturas indígenas. Ilheus: CGEI, 2012.

GOLDMAN, M. Quinhentos anos de contato: por uma teoria etnográfica da (contra)mestiçagem. Mana, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 641-59, 2015.

GOLDMAN, M. Alteridade e experiência: antropologia e teoria etnográfica. Etnográfica, Lisboa, v. 10, n. 1, p. 161-73, 2006.

GONDIM, J. M. Seguindo trilhas encantadas: humanos, encantados e as formas de habitar a Almofaia dos Tremembé. 2016. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2016.

HASHIZUME, M. Acumulação (muito mais do que) primitiva como elo entre capitalismo, colonialismo e patriarcado. Cadernos de Ciências Sociais da UFRPE, Recife, v. 2, n. 11, p. 33-61, 2017.

HERBETTA, A. F. Agências encantadas: cosmopolíticas indígenas e sertanejas. Paralellus – Revista de Estudos de Religião, Recife, v. 11, n. 26, p. 9-28, 2020.

HILSENBECK, F. A. M. O MST no fio da navalha – dilemas, desafios e potencialidades da luta de classes. 2013.Tese (Doutorado em Ciência Política) – Universidade de Campinas, Campinas, SP, 2013.

HOLBRAAD, M.; PEDERSEN, M. A.; VIVEIROS DE CASTRO, E. The Politics of Ontology: anthropological positions – theorizing the contemporary. Fieldsights, jan. 13, 2014. Disponível em: https://culanth.org/fieldsights/the-politics-of-ontology-anthropological-positions . Acesso em: 6 nov. 2020.

LA CADENA, M. Indigenous Cosmopolitics in the Andes: conceptual reflections beyond 'politics'. Cultural Anthropology, Arlington, v. 25, n. 2, p. 334-70, 2010.

LATOUR, B. Políticas da natureza: como fazer ciência na democracia. Bauru: Edusc, 2004.

LATOUR, B. A esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Bauru: Edusc, 2001.

LÓPEZ BÁRCENAS, A. Autonomias Indígenas en América Latina. Oaxaca, México: Coapi/MC, 2007.

LOPES, N. Enciclopédia brasileira da diáspora africana. 4. ed. São Paulo: Selo Negro, 2011.

LOPES, N. Kitábu – o livro do saber e do espírito negro-africanos. Rio de Janeiro: Ed. Senac Rio, 2005.

MARRAS, S. Por uma antropologia do entre: reflexões sobre um novo e urgente descentramento do humano. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, v. 69, p. 250-66, 2018.

MEJÍA LARA, A. E. Contra-invenciones indígenas: antropologías, políticas y culturas en comparación desde los movimientos Nahua (Jalisco, México) y Tupinambá (Bahía, Brasil). 2018. Tese (Doutorado em Antropologia) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2018.

MENDES, A. L. R. Sua bandeira na Aruanda está de pé – caboclos e espíritos territoriais centro-africanos nos terreiros e comemorações da Independência (Bahia, 1824-1937). 2018. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2018.

MORA BAYO, M.; BARONNET, B; STAHLER-SHOLK, R. (Org.). Luchas “muy otras” – zapatismo y autonomia em las comunidades autónomas de Chiapas. México: UAM/Ciesas/UAC, 2011.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA [MST]. Camponeses realizam encontro mundial sobre Agroecologia e Sementes crioulas. MST, São Paulo, 14 nov. 2012. Disponível em: https://mst.org.br/2012/11/14/camponeses-realizam-encontro-mundial-sobre-agroecologia-e-sementes-crioulas/. Acesso em: 14 maio 2021.

OLIVEIRA, J. C. et al. (Org.). Vozes Vegetais – diversidade, resistências e histórias da floresta. São Paulo: UBU; IRD, 2020.

OLIVEIRA, J. F. Movimentos sociais e conhecimento. In: TUGNY, R. P.; GONÇALVES, G. B. B. (Org.). Universidade popular e encontro de saberes. Salvador: EDUFBA, 2020. p. 159-174.

OLIVEIRA, J. P. Uma etnologia dos “índios misturados”? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Mana, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 47-77, 1998.

PAVELIC, N. Aprender e ensinar com os outros: a educação como meio de abertura e de defesa na Aldeia Tupinambá de Serra do Padeiro. 2019. Tese (Doutorado em Cultura e Sociedade) – Universidade Federal do Sul da Bahia, Salvador, BA, 2019.

PEDRO, V. V.; SANTOS, R. J. D. Povos tradicionais e indígenas no Maranhão: violência, fronteiras nacionais e margens da normatização. Revista de Políticas Públicas, São Luís, v. 22, p. 1388-1406, 2018.

PIMENTEL, S. K. Elementos para uma teoria política kaiowá e guarani. 2012. Tese (Douto-rado em Antropologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2012a.

PIMENTEL, S. K. Cosmopolítica kaiowa e guarani: uma crítica ameríndia ao agronegócio. R@u, São Carlos, v. 4, n. 2, p. 134-150, 2012b.

PORTO-GONÇALVES, C. W. A globalização da natureza e a natureza da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

PRANDI, Reginaldo; VALLADO, Armando; SOUZA, Andre R. Candomblé de caboclo em São Paulo in PRANDI, Reginaldo (org.) Encantaria Brasileira: o livro dos mestres, caboclos e encantados. Rio de Janeiro: Pallas, 2001, p. 120-145.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (Org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005.

RAMOSE, M. B. African Philosophy through Ubuntu. Harare: Mond Books, 1999.

SABERES TRADICIONAIS UFMG. Escolas da Terra, Aula online 08, em 16 mar. 2021. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=l6Gg6B5jl4Q. Acesso em: 19 maio 2021.

SACRAMENTO, E. C. Da diáspora negra ao território das águas: ancestralidade e protagonismo de mulheres na comunidade pesqueira e quilombola Conceição de Salinas-BA. 2019. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2019.

SANTOS, M. B. (Mam’etu Kafurengá). Pedagogia do Terreiro – experiências da primeira escola de religião e cultura de matriz africana do Sul da Bahia: Escola Caxuté. Salvador: Kalango, 2019.

SANTOS, M. R. Agroecologia e a luta pela terra. In: OLIVEIRA, J. C. et al. (Org.). Vozes vegetais – diversidade, resistências e histórias da floresta. São Paulo: Ubu; IRD, 2020. p. 97-106.

SANTOS, R. J. D. “As revoadas” ao território comum: teia de povos e comunidades tradicionais do Maranhão. 2019. Monografia (Licenciatura em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA, 2019.

SANTOS, S. B. História do assentamento Terra Vista. 2016. Monografia (Licenciatura em História) – Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, BA, 2016.

SANTOS, S. N. A. Conquista e resistência dos Payayá no Sertão das Jacobinas: Tapuias, Tupi, colonos e missionários (1651-1706). 2011. Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, 2011.

SOUZA, J. M. A. Os Pataxó Hãhãhãi e as narrativas de luta por terra e parentes, no sul da Bahia. 2019. Tese (Doutorado em Antropologia) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2019.

SOUZA, J. M. A.; CARVALHO, M. R. Pataxó Hã-Hã-Hãe. Povos indígenas no Brasil, São Paulo, 2005. Disponível em: pib.socioambiental.org/pt/Povo:Pataxó Hã-Hã-Hãe. Acesso em: 20 maio 2021.

SOUZA, M. L. Territórios e ambientes – uma introdução à ecologia política. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2019.

SOUZA, R. Terra, raça e classe: a classe trabalhadora é negra. MST, São Paulo, 2017. Disponível em https://mst.org.br/2017/11/27/terra-raca-e-classe-a-classe-trabalhadora-e-negra/. Acesso em: 14 maio 2021.

STARHAWK. Magia, visão e ação. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 69, p. 52-65, 2018.

STENGERS, I. A proposição cosmopolítica. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 69, p. 442-64, 2018.

TEIA DOS POVOS. Carta da VI Jornada de Agroecologia da Bahia. Utinga, 2019. Disponível em: http://teiadospovos.org/. Acesso em: 30 ago. 2021.

TEIA DOS POVOS. Carta da I Jornada de Agroecologia da Bahia. Arataca, dez. 2012. Disponível em: https://teiadospovos.org/carta-da-i-jornada-de-agroecologia/. Acesso em: 30 ago 2021.

TEIA dos povos e comunidades tradicionais do Maranhão. Carta do XII Encontrão. Território de Água Riquinha, Paulino Neves, 2019. Disponível em: https://cimi.org.br/2019/09/teia-dos-povos-e-comunidades-tradicionais-do-maranhao-denuncia-violacoes-aos-corpos-territorios-em-seu-12o-encontro/. Acesso em: 14 maio 2021.

TEIXEIRA, C. A.; SANTOS, S. O.; OLIVEIRA, J. F.; BRITO, S. S. As Jornadas de Agroecologia da Bahia como importante instrumento no avanço do debate e prática da agroecologia no estado. Cadernos de Agroecologia, Recife, v. 13, n. 1, p. 1-5, 2018. [Anais do VI CLAA, X CBA e V SEMDF].

VIVEIROS DE CASTRO, E. “Transformação” na Antropologia, transformação da “antropologia”. Mana, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 151-71, 2012.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Perspectival Anthropology and the method of controlled equivocation. Tipití, [s.l.], v. 2, n. 1, p. 3-22, 2004.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio. Mana, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 115-44, 1996.

WEZEL, A.; SOLDAT, V. A quantitative and qualitative historical analysis of the scientific discipline of agroecology. International Journal of Agricultural Sustainability, [s.l.], v. 7, n. 1, p. 3-18, 2009.

Publicado
2022-03-16
Seção
Dossiê: Autonomias indígenas, negras e camponesas