Educação da criança indígena e educação infantil em Mato Grosso: uma questão para o debate

  • Beleni Salete Grando Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Resumo

Em Mato Grosso, vivem 43 povos indígenas, sendo sua maioria atendida com escolas. Cada projeto educacional, no entanto, depende das estruturas socioeconômicas e culturais do povo e da proximidade geopolítica da comunidade com o município ou com outras organizações. Ao refletirmos sobre a Educação Escolar Indígena e sua relação com a educação pretendida por cada povo, problematizamos as políticas educacionais e a formação de professores a partir da nossa realidade e questionamos a obrigatoriedade da Educação Infantil nas aldeias, evidenciando os estudos que nos auxiliam a melhor compreender o protagonismo e autonomia da criança a partir das formas de educar e garantir a vida coletiva como um direito coletivo dos povos indígenas, explicitados na Constituição Brasileira e na LDB.

Palavras-chave: educação infantil, formação docente, educação indígena.

 

Biografia do Autor

Beleni Salete Grando, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFMT, na linha Educação e Povos Indígenas. Atua na formação educadores com sua qualificação e na antropologia social, tendo como foco a educação da criança e a educação do corpo na perspectiva da interculturalidade.

Referências

ADUGOENAU, F. R. Saberes e fazeres autóctones Bororo: contribuições para a educação escolar intercultural indígena. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT, 2015.

COHN, C.; MARQUIN, A. R. Etnografias em escolas indígenas: as Kyringué da Amazônia e os Xikrin do Bacajá. In: GRANDO, B. S.; CARVALHO, D. C.; DIAS, T. L. (Org.). Crianças-infâncias, culturas e práticas educativas. Cuiabá, MT: EdUFMT, 2012. p. 48-70.

GRANDO, B. S. Corpo e educação: as relações interculturais nas práticas corporais Bororo em Meruri. 2004. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2004.

GRANDO, B. S. Do corpo e da cultura: indícios da realidade na perspectiva intercultural. Revista Arquivos em Movimento, Rio de Janeiro, Edição Especial, v. 10, n. 1, p. 138-154, jan./jun. 2014.

GRANDO, B. S. et al. Fabricando o corpo na fronteira: apontamentos sobre o Curussé como prática educativa tradicional do Povo Chiquitano. In: GRANDO, B. S.; CARVALHO, D. C.; DIAS, T. L. (Org.). Crianças-infâncias, culturas e práticas educativas. Cuiabá, MT: EdUFMT, 2012. p. 48-70.

HECK, E.; LOEBENS, F.; CARVALHO, P. de. Amazônia Indígena: conquistas e desafios. Estudos Avançados, v. 19, n. 53, p. 237-257, 2005.

MEDEIROS, R. M. K.; GRANDO, B. S. Análise do nascimento Bororo: aspectos culturais da dor de parto. O Mundo da Saúde, São Paulo, v. 40, n. 2, p. 160-168, 2016.

MELIÀ, B. Educação indígena e alfabetização. São Paulo: Edições Loyola, 1979.

MENDONÇA, T. F. de. Gestão escolar indígena: interculturalidade e protagonismo. Cuiabá: EdUFMT, 2009.

REVISTA SINA. Portal Questão Indígena, 2012. Disponível em: <http://www.revistasina.com.br/portal/questao-indigena/mato-grosso>. Acesso em: 8 set. 12.

SECCHI, D. Professores indígenas em Mato Grosso: cenários e perspectivas. Cuiabá: EdUFMT, 2009.

TASSINARI, A. Escola indígena: novos horizontes teóricos, novas fronteiras de educação. In: SILVA, A. L. da; FERREIRA, M. (Org.). Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. São Paulo: Global, 2001. p. 45-70.

______. A sociedade contra a escola. In: TASSINARI, A. M. I.; GRANDO, B. S.; ALBUQUERQUE, M. A. dos S. (Org.). Educação indígena: reflexões sobre noções nativas de infância, aprendizagem e escolarização. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2012. p. 275-294.

______. Concepções indígenas de infância no Brasil. Tellus, Campo Grande, ano 7, v. 13, p. 11-25, out. 2007.

TRONCARELLI, M. C. et. al. A Formação de educadores indígenas para as escolas xinguanas. Em Aberto, Brasília, v. 2, n. 76, p. 44-53, fev. 2003.

Publicado
2016-11-01