A Interculturalidade Crítica como possibilidade para um diálogo sobre as territorialidades no Brasil

  • Thiago Leandro Vieira Cavalcante Universidade Fedeal da Grande Dourados
Palavras-chave: interculturalidade, direitos indígenas, territorialidades, terras indígenas.

Resumo

Dialogando com a teoria crítica descolonial latinoamericana, o texto apresenta o contexto brasileiro no que diz respeito à apropriação de terras de ocupação tradicional indígena por pessoas e instituições não indígenas, bem como as dificuldades encontradas pelos povos indígenas para reaverem essas terras, embora a Constituição Federal de 1988 tenha-lhes reconhecido esse direito originário. O trabalho sustenta que o Brasil está inserido em um contexto colonialista em que impera a validação de um único modelo de sociedade, que inclui um único modelo de territorialidade, diretamente ligado ao capitalismo neoliberal. Por fim, propõe que a aplicação da Interculturalidade Crítica pode ser um caminho de diálogo para a construção de uma sociedade em que várias formas de territorialidade possam coexistir.

Biografia do Autor

Thiago Leandro Vieira Cavalcante, Universidade Fedeal da Grande Dourados
Doutor em História pela Unesp/Assis, atualmente é docente dos cursos de graduação e pós-graduação em História da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD).

Referências

BRAND, Antonio Jacó. Os complexos caminhos da luta pela terra entre os Kaiowá e Guarani no MS. Tellus, Campo Grande, v. 6, n. 1, p. 137-150, 2004.

______. O impacto da perda da terra sobre a tradição Kaiowa/Guarani: os difíceis caminhos da palavra. 1997. Tese (Doutorado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 1997.

______. O confinamento e o seu impacto sobre os Pai-Kaiowá. 1993. Dissertação (Mestrado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 1993.

CASANOVA, Pablo González. Colonialismo Interno (uma redefinição). In: BORON, A. A.; AMADO, J.; GONZÁLEZ (Org.). A teoria marxista hoje: problemas e perspectivas. Buenos Aires: CLACSO, 2006. p. 395-420.

CAVALCANTE, Thiago Leandro Vieira Cavalcante. Colonialismo, território e territorialidade. A luta pela terra dos Guarani e Kaiowa de Mato Grosso do Sul. Jundiaí, SP: Paco Editorial, 2016.

______. Colonialismo, território e territorialidade. A luta pela terra dos Guarani e Kaiowa de Mato Grosso do Sul. 2013. Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Ciências e Letras – Universidade Estadual Paulista, Assis, SP, 2013.

CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO (CIMI). Relatório. Violência contra os povos indígenas no Brasil. Dados de 2015. Brasília: CIMI, 2015.

EREMITES DE OLIVEIRA, Jorge; PEREIRA, Levi. Ñande Ru Marangatu. Laudo antropológico e histórico sobre uma terra kaiowa na fronteira do Brasil com o Paraguai, município de Antônio João, Mato Grosso do Sul. Dourados, MS: Editora UFGD, 2009.

FAUSTO, Boris. História do Brasil. 2. ed. São Paulo: Editora da USP, 1995.

FERREIRA, Eva Maria Luiz. A participação dos índios kaiowá e guarani como trabalhadores nos ervais da Companhia Matte Larangeira (1902-1952). 2007. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2007.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 5. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas. Resultados do Universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

______. Censo Agro 2006: IBGE revela retrato do Brasil agrário. 30 set. 2009. Disponível em: <http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias?view=noticia&id=1&busca=1&idnoticia=1464>. Acesso em: 3 abr. 2013.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL (ISA). Introdução. 2016a. Disponível em: <https://pib.socioambiental.org/pt/c/no-brasil-atual/linguas/introdução>. Acesso em: 23 fev. 2016.

______. Demarcações nos últimos seis governos. Atualizada em 12 de maio de 2016b. Disponível em: <https://pib.socioambiental.org/pt/c/0/1/2/demarcacoes-nos-ultimos-governos>. Acesso em: 23 nov. 2016b.

LANDER, Edgardo. Ciências Sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

LITTLE, Paul E. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Série Antropologia, Brasília, n. 322, 2002.

MOTA, Lúcio Tadeu. A Revista do Instituto Histórico Geográfico Brasileiro (IHGB) e as populações indígenas no Brasil do II Reinado (1839-1889). Diálogos, Maringá, PR, v. 10, n. 1, p. 118-142, 2006.

______. O IHGB e as propostas de integração das comunidades indígenas no Estado nacional. Diálogos, Maringá, PR, v. 2, n. 2, p. 149-175, 1998.

PACHECO, Rosely A. Stefanes. Mobilidades guarani Kaiowá e Ñandeva e a (re) construção de territórios (1978-2003): novas perspectivas para o direito indígena. 2004. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Dourados, MS, 2004.

QUEIROZ, Paulo R. Cimó. A Companhia Matte Larangeira e seus fluxos mercantis (1891-1902). In: CONGRESO LATINOAMERICANO DE HISTORIA ECONÓMICA, 3. / JORNADAS DE HISTORIA ECONÓMICA, 23., 2012, Bariloche (Argentina). Anais... Buenos Aires (Argentina): Asociación Argentina de Historia Económica, 2012. p. 1-25.

______. A grande empresa conhecida como Matte Larangeira e a economia ervateira na bacia platina (1882-1949): notas preliminares. In: PRIMEIRO ENCONTRO DE PÓS-DOUTORES DO PPGH/UFF, 2010, Niterói. Anais... Niterói, RJ: UFF, 2010. p. 1-19

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: ­LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

SPOSITO, Fernanda. Nem cidadãos, nem brasileiros. Indígenas na formação do Estado nacional brasileiro e conflitos na província de São Paulo (1822-1845). São Paulo: Alameda, 2012.

TUBINO, Fidel. Del interculturalismo funcional al interculturalismo crítico. 2005. Disponível em: <http://red.pucp.edu.pe/wp-content/uploads/biblioteca/inter_funcional.pdf>. Acesso em: 23 fev. 2015.

WALSH, Catherine. Interculturalidad y colonialidad del poder. Un pensamiento y posicionamiento “otro” desde la diferencia colonial. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; ­GROSFOGUEL, R. (Ed.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007.

Publicado
2017-04-24