A danada da escola está lá: Educação Infantil vivenciada pelas crianças indígenas Tentehar maranhenses

  • Neusani Oliveira Ives-Felix Universidade Federal do Maranhão (UFMA)
  • Luiza Nakayama Universidade Federal do Pará (UFPA)
Palavras-chave: escola como espaço de fronteira, professor bilíngue, interculturalidade.

Resumo

O conhecimento de situações específicas sobre a escola indígena poderá contribuir para uma visão holística a respeito da escolarização de diferentes grupos étnicos e, assim, favorecer a construção de uma educação intercultural contextualizada. Este artigo investiga o processo de Educação Infantil (EI) vivenciado pelas pessoas que fazem a Pré-Escola Municipal Indígena Maíra-ira (PEI). A pesquisa realizada é de abordagem qualitativa do tipo etnográfico, e o referencial teórico-metodológico baseado em estudos sobre fronteiras étnicas e sobre escola indígena como espaço fronteiriço. Os instrumentos de coleta de dados foram: 1) levantamento de dados na Secretaria Municipal de Educação de Grajaú, MA (SEMED); 2) entrevistas semiestruturadas com um Professor Bilíngue (PB) e 3) conversas informais com a Assessora Pedagógica (AP), professoras da PEI, um ancião especialista e membros da comunidade. Constatamos que EI vivenciada na PEI ainda está fortemente arraigada às bases epistemológicas de um currículo eurocêntrico, portanto a prática do PB é fundamental na interação professor não indígena e as crianças, funcionando como uma porta para a valorização das tradições e da Língua Tentehar. A educação ofertada na PEI ainda não se configura plenamente em um diálogo contextualizado entre os saberes ocidentais e os tradicionais, pois a cultura Tentehar não está sendo nem o ponto de partida  nem o de chegada, do currículo vivenciado. Dentre os pontos de tensão, destacamos: as vozes ausentes dos Tentehar no currículo escolar, carência de material específico e diferenciado. Portanto somente o discurso oficial sobre a educação intercultural, sem condições reais de igualdade para que o intercâmbio aconteça, poderá ser muito mais um fator de exclusão social e cultural.

Biografia do Autor

Neusani Oliveira Ives-Felix, Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Professora assistente da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Tocantins (UFT); Mestre em Educação e Doutoranda em Antropologia pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Desempenhou a função de coordenadora pedagógica da SEMED, nas comunidades indígenas Tentehar, durante o período de 2008 a 2016. E-mail: neusani_26@hotmail.com.

Luiza Nakayama, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação em Matemática e Científica da Universidade Federal do Pará (UFPA), na linha Educação e Povos Indígenas e chefe do Laboratório de Biologia de Organismos Aquáticos (LABIO - UFPA), na linha Etnobiologia e Etnoictiologia de comunidades indígenas amazônicas. E-mail: lunaka@ufpa.br

 

Referências

ALVES, Z. M. M. B.; SILVA, M. H. G. F. D. Análise qualitativa de dados de entrevista: uma proposta. Paidéia, Ribeirão Preto, SP, n. 2, p. 61-9, fev./jul. 1992.

ANDRÉ, M. E. D. A. Etnografia da prática escolar. 18. ed. Campinas, SP: Papirus. 2011.

______. Pesquisa no cotidiano escolar. In: FAZENDA, I. (Org.). Metodologia da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez, 2010. p. 39-50.

BARTH, F. Os grupos étnicos e suas fronteiras. In: BARTH, F. O guru, o iniciador, e outras variações antropológicas. Tomke Lask (Org.). Rio de Janeiro: Contra Capa, 2000. p. 25-67.

BERGAMASCHI, M. A. Interculturalidade nas práticas escolares indígenas e não indígenas. In: PALADINO, M.; CZARNY, G. (Org.). Povos indígenas e escolarização: discussões para se repensar novas epistemes nas sociedades latino-americanas. Rio de Janeiro: Garamond, 2012. p. 43-72.

BHABHA, H. K. O local da cultura. 2. ed. Belo Horizonte: UFMG. 2013.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena na Educação Básica. Brasília: MEC, 2012.

______. Diretrizes Nacionais para o Funcionamento das Escolas Indígenas. Brasília: MEC, 1999.

CARVALHO Jr., J. R.; CARVALHO, J. R. S. S.; SILVA, T. R. M.; BARROS, F. B.; NAKAYAMA, L. Entre Mex e P`yn`yre: peixe bom para comer, peixe bom para viver, na Terra Indígena Trincheira Bacajá – PA, povo Xikrin. Revista FSA, Teresina, PI, n. 2, p. 58-77, mar./abr. 2015.

CARVALHO Jr., J. R.; FONSECA, M. J. C.; SANTANA, A. R.; NAKAYAMA, L. O conhecimento etnoecológico dos pescadores yudjá, Terra Indígena Paquiçamba, Volta Grande do Rio Xingu – PA. Tellus, Campo Grande, MS, ano 11, n. 21, p. 123-47, jul./dez. 2011.

CARVALHO Jr., J. R.; CARVALHO, N. A. S. S.; NUNES, J. L. G.; SANTANA, A. R; ARAÚJO, M. L.; NAKAYAMA, L. Projeto peixes da Amazônia: relato de caso no Parque Ambiental de Belém – PA. Educação Ambiental em Ação, Novo Hamburgo, RS, n. 24, p. 678-701, jun./ago. 2008. Disponível em: <http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=577>. Acesso em: 5 set. 17.

CHAER, M. R.; GUIMARÃES, E. G. A. A importância da oralidade: educação infantil e séries iniciais do Ensino Fundamental. 2012. Disponível em: <http://pergaminho.unipam.edu.br/documents/43440/43870/a-importancia.pdf>. Acesso em: 5 set. 2017.

COELHO, R. O. MIEIB e a educação infantil de crianças indígenas. In: Discutindo políticas de educação infantil, educação escolar indígena. Recife: Movimento Interfóruns de Educação Infantil no Brasil (MIEIB), 2005. p. 6-10. Disponível em: <http://cclf.org.br/wp-content/uploads/publicacoes/discutindo-politicas-de-educacao-infantil-e-educacao-escolar-indigena.pdf>. Acesso em: 5 set. 2017.

COHN, C. Notas sobre a escolarização indígena no Brasil. s.d. Disponível em: <http://www.acoesafirmativas.ufscar.br/arquivos/notas-sobre-a-escolarizacao-indigena-no-brasil-texto-de-clarice-cohn>. Acesso em: 5 set. 2017.

CORSARO, W. A. Métodos etnográficos no estudo da cultura de pares e das transições iniciais na vida das crianças. In: MÜLLER, F.; CARVALHO, A. M. A. (Org.). Teoria e prática na pesquisa com crianças: diálogos com William Corsaro. São Paulo: Cortez, 2009. p. 83-103.

DAVIS, C.; GATTI, B. A. A dinâmica da sala de aula na escola rural. In: THERRIEN, J.; DASMACENO, M. N. (Org.). Educação e escola no campo. Campinas, SP: Papirus, 1993. p. 75-135.

FERREIRA, E. CECIs: um desafio intercultural na educação escolar infantil indígena. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PESQUISADORES DO ENSINO DE HISTÓRIA, 9., Florianópolis, 2011. Anais Eletrônicos... Florianópolis, 2011 p. 1-10.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. 4. ed. Brasília: Líber Livros, 2012.

GIROTTO, R. L. Balanço da educação escolar indígena no município de Dourados. Tellus, Campo Grande, MS, ano 6, n. 11, p. 77-103, out. 2006.

GRANDO, B. S. Educação da criança indígena e educação infantil em Mato Grosso: uma questão para o debate. Tellus, Campo Grande, MS, ano 16, n. 31, p. 81-95, jul./dez. 2016.

GRUPIONI, L. D. B. Olhar longe, porque o futuro é longe: cultura, escola e professores indígenas no Brasil. 2008. 240f. Tese (Doutorado em Antropologia) – Departamento de Antropologia, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2008.

GUIMARÃES, S. G. Educação infantil e educação escolar indígena. In: Discutindo políticas de educação infantil, educação escolar indígena. Recife: MIEIB: Movimento Interfóruns de Educação Infantil no Brasil, 2005. p. 11-3. Disponível em: <http://cclf.org.br/wp-content/uploads/publicacoes/discutindo-politicas-de-educacao-infantil-e-educacao-escolar-indigena.pdf>. Acesso em: 5 set. 2017.

HALL, S. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Brasília: UFMG, 2003.

IVES, N. O.; BARROS, F. B.; NAKAYAMA, L. Os velhos, nossas melhores referências: o etnoconhecimento como patrimônio cultural – a comunidade indígena Tentehar, estado do Maranhão. Cocar, Belém, PA, v. 9, n. 18, p. 378-401, ago./dez. 2015.

LOPES DA SILVA, A. A educação indígena entre diálogos interculturais e multidisciplinares: introdução. In: LOPES DA SILVA, A.; FERREIRA, M. K. L. (Org.). Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. São Paulo: Global, 2001. p. 9-25.

LUCIANO, G. S. Movimento indígena etnopolítico: história de resistência e luta. In: LUCIANO, G. S. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: MEC, 2006. (Coleção Educação para Todos, v. 12, p. 56-85).

MELATTI, J. C. Índios do Brasil. São Paulo: USP, 2007.

MINAYO, M. C. S. Construção dos instrumentos e exploração de campo. In: MINAYO, M. C. S. (Org.). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2010. p. 189-99.

NAKAYAMA, L.; SOARES, S. A.; PRIETO, C.; SANTANA, A. R.; DANTAS, O. M. S. Espaço de leitura profa. Ana Lucia Santos de Jesus e a formação de grandes leitores em Belém-PA. 2007. Disponível em: <http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=516>. Acesso em: 5 set. 2017.

NASCIMENTO, A. C.; BRAND, A. J.; AGUILERA URGUIZA, A. H. Entender o outro: a criança indígena e a questão da educação infantil. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPEd, 29., Caxambu, 2006. Trabalhos completos... Caxambu, MG, 2006. p. 1-12.

NASCIMENTO, A.; LANDA, B. S.; AGUILERA URQUIZA, A. H.; VIEIRA, C. M. N. A etnografia das representações infantis Guarani e Kaiowá sobre certos conceitos tradicionais. Tellus, Campo Grande, MS, ano 9, n. 17, p. 187-205, jul./dez. 2009.

NUNES, A. O lugar da criança nos estudos sobre sociedades indígenas. In: LOPES DA SILVA, A.; MACEDO, A. V. L. S.; NUNES, A. (Org.). Crianças indígenas: ensaios antropológicos. São Paulo: Global, 2002. p. 236-77.

OLIVEIRA, M. M. Como fazer pesquisa qualitativa. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

PARESI, C. Problematizando a questão: princípios e concepções da educação infantil e educação escolar indígena. In: Discutindo políticas de educação infantil, educação escolar indígena. Recife, PE: MIEIB - Movimento Interfóruns de Educação Infantil no Brasil, 2005. p. 25-34. Disponível em: <http://cclf.org.br/wp-content/uploads/publicacoes/discutindo-politicas-de-educacao-infantil-e-educacao-escolar-indigena.pdf>. Acesso em: 5 set. 2017.

POUTIGNAT, P.; STREIFF-FENART, J. Teorias da etnicidade: seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth. Tradução de Élcio Fernandes. 2. ed. São Paulo: UNESP, 2011. 256p.

ROSEMBERG, F. Educação infantil e povos indígenas no Brasil: apontamentos para um debate. In: Discutindo políticas de educação infantil, educação escolar indígena. Recife, PE: MIEIB - Movimento Interfóruns de Educação Infantil no Brasil, 2005. p. 15-24. Disponível em: <http://cclf.org.br/wp-content/uploads/publicacoes/discutindo-politicas-de-educacao-infantil-e-educacao-escolar-indigena.pdf>. Acesso em: 5 set. 2017.

RUSSO, K.; SOUZA, I. Educação escolar indígena: limites e fragilidades na efetivação de direitos dos guarani mbya no Rio de Janeiro. Tellus, Campo Grande, MS, ano 17, n. 32, p. 45-66, jan./abr. 2017.

SANTOS FILHO, A. P.; SILVA, L. M. A.; BITTENCOURT, S. C. S.; NAKAYAMA, L.; ZACARDI, D. M. Levantamento socioeconômico da atividade pesqueira artesanal na Vila do Sucuriju, Amapá, Brasil. Boletim Técnico-Científico do CEPNOR, Belém, PA, n. 1, p. 129-41, 2011.

SZYMANSKI, H. Entrevista reflexiva: um olhar psicológico sobre a entrevista em pesquisa. In: SZYMANSKI, H.; ALMEIDA, L. R.; PRANDINI, R. C. A. R. (Org.). A entrevista na pesquisa em educação: a prática reflexiva. Brasília: Liber Livros, 2011. p. 9-64.

TASSINARI, A. M. I. Concepções indígenas de infância no Brasil. Tellus, Campo Grande, MS, ano 7, n. 13, p. 11-25, out. 2007.

______. Escola indígena: novos horizontes teóricos, novas fronteiras de educação. In: LOPES DA SILVA, A.; FERREIRA, M. K. (Org.). Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. São Paulo: Global, 2001. p. 44-70.

VENERE, M. R.; VELANGA, C. T. A criança indígena e a educação infantil: as complexas relações entre a cultura e a escola na cidade. Tellus, Campo Grande, MS, ano 8, n. 15, p. 175-91, jul./dez. 2008.

VIDAL, D. G. No interior da sala de aula: ensaio sobre cultura e prática escolares. Currículo sem Fronteiras, n. 1, p. 25-41, jan./jun. 2009.

Publicado
2018-08-20