O POVO DO RIO: VARIAÇÕES MÍTICAS E VARIAÇÕES ANTROPOLÓGICAS SOBRE A ORIGEM E A DIFERENCIAÇÃO DOS GRUPOS INỸ

  • Eduardo Soares Nunes Programa de Antropologia e Arqueologia (PAA)/Universidade Federal do Oeste do Pará - Ufopa
Palavras-chave: Inỹ-Karajá, mitologia, dualismo em perpétuo desequilíbrio.

Resumo

Os Karajá, Javaé e Ixỹbiòwa são três grupos indígenas que habitam a calha do rio Araguaia. Todos falam variantes de uma mesma língua (família Karajá, tronco Macro-Jê) e utilizam o mesmo termo de autodesignação: inỹ. As inúmeras similaridades entre eles tornam evidente que fazem parte de um mesmo conjunto. Por muito tempo, com efeito, os Javaé e Ixỹbiòwa foram tratados como “subgrupos” karajá, ao lado dos “karajá propriamente ditos”. A predominância desse modelo hierárquico, entretanto, acabou por eclipsar muitas das diferenças entre os três grupos. Esse texto trata das narrativas karajá sobre a origem e a diferenciação da humanidade inỹ, procurando extrair daí um modelo alternativo para pensar a relação entre os três grupos que fuja tanto de um esquema hierárquico (três “subgrupos karajá”), quanto de uma segmentação dura entre “três grupos distintos”; pois há, entre Karajá, Javaé e Ixỹbiòwa, não apenas diferenciações, como também identificações. O que a mitologia aqui tratada evidencia é que, desde o surgimento mesmo da humanidade, não há mais que uma polaridade elementar, aquela entre Eu e Outro, a emergir no seio de uma unidade aparente e replicando-se a cada novo nível de contraste, ou em cada nova “unidade”.

Referências

BANDEIRA DE MELLO, Darcy Siciliano. Carta de Darcy Siciliano Bandeira de Mello ao encarregado da Inspetoria do estado de Goyaz do SPI, Alencarliense Fernandes da Costa, 16/01/1930. Arquivos do Museu do Índio, Rio de Janeiro, 1930.

DAVIS, Irvine. Some Macro-Jê relationships. International Journal of American Linguistics, v. 1, n. 34, p. 42-47, jan. 1968.

DONAHUE, George. A contribution to the ethnography of the Karajá indians of central Brazil. 1982. Tese (Doutorado em Antropologia) - Universidade da Virgínia, Virgínia, EUA, 1982.

ERENHEICH, Paul. Contribuições para a etnologia do Brasil. Revista do Museu Paulista, v. 2, p. 7-135, 1948.

FERNANDES DA COSTA, Alencarliense. Relatório anual da inspetoria de Goyaz do SPI, ano de 1930. Arquivos do Museu do Índio, Rio de Janeiro, 1931.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O cru e o cozido. Mitológicas 1. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

______. História de Lince. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

LIPKIND, William. Carajá Cosmography. The Journal of the American Floklore, v. 53, n. 210, p. 248-51, 1940.

NUNES, Eduardo S. Transformações karajá: os “antigos” e o “pessoal de hoje” no mundo dos brancos. 2016. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade de Brasília (UnB), Brasília, 2016.

______. No asfalto não se pesca. Parentesco, mistura e transformação entre os Karajá de Buridina (Aruanã – GO). 2012. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade de Brasília (UnB). Brasília, 2012.

PÉTESCH, Nathalie. A trilogia Karajá: sua posição intermediária no continuum jê-tupi. In: VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo B.; CARNEIRO DA CUNHA, Manuela M. (Org.). Amazônia: etnologia e história indígena. São Paulo: NHII-USP/Fapesp, 1993. p. 365-81.

______. La pirogue de sable. Modes de representations e d’organization d’une societe du fleuve: les Karajá de l’Araguaia (Brésil Central). 1992. Tese (Doutorado) - Université de Paris x (Natèrre), Paris, 1992.

PIMENTEL DA SILVA, Maria S.; ROCHA, Leandro M. Linguagem especializada. Mitologia Karajá. Goiânia: Editora UCG, 2006.

RIBEIRO, Eduardo Rivail. A grammar of Karajá. 2012. Tese (Doutorado em Linguística) - Universidade de Chicago, Chicago, Illinois, EUA, 2012.

RODRIGUES, Patrícia de M. Terra Indígena Utaria Wyhyna (Karajá) / Iròdu Iràna (Javaé). Relatório de Identificação e Delimitação. Brasília: FUNAI, 2008a.

______. A caminhada de Tanỹxiwè: uma teoria Javaé da história. 2008b. Tese (Doutorado em Antropologia) - Universidade de Chicago, Chicago, Illinois, EUA, 2008b.

______. O povo do meio: tempo, cosmo e gênero entre os Javaé da Ilha do Bananal. 1993. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Universidade de Brasília (UnB), Brasília, 1993.

TAVEIRA, Edna L. M. Etnografia da cesta Karajá. Goiânia: Editora UFG, 2012.

TORAL, André. Cosmologia e sociedade Karajá. 1992. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, 1992.

Publicado
2018-08-20