O teatro sem máscaras das meninas Truká

Palavras-chave: tribo Truká, justiça ambiental, agência das jovens, autodeterminação, performance teatral.

Resumo

No Brasil, após 500 anos de colonização, as populações tradicionais no sertão pernambucano ainda são vistas como descendentes, caboclos, não legítimos indígenas, como os povos da Amazônia ou Cerrado. Mas se percebem como índios e lutam para manter-se como tal. Esse artigo é resultado de uma pesquisa desenvolvida na Ilha Assunção, no do Rio São Francisco, em Cabrobó, onde se construiu a obra da transposição do rio. Nessa região conhecida como o Polígono da Maconha, vive a tribo Truká, ameaçada pelo tráfico, a construção de usinas e a transposição. Pretendemos demonstrar como as jovens indígenas assumem um protagonismo na luta pela manutenção da terra e a preservação da identidade étnica através do teatro. Destacamos a forma como superam as normas tradicionais de gênero com a resistência política e a arte de representar.

Biografia do Autor

Loreley Gomes Garcia, PPGS/UFPB

Professora Titular PPGS/UFPB

Doutora em Sociologia

Referências

BATISTA, Mércia Rejane Rangel. Descobrindo e recebendo heranças: as lideranças Truká. 2005. Tese (Doutorado em Antropologia) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, 2005.

GARCIA, L.; WANDERLEY, M. M.; GIOVANNINI Jr., O. From enchanted waters to the waters of illusion: the transposition case of the São Francisco River. Rockville: Global South Press, 2017.

KEELER, Ward. Speaking of Gender in Java. In: ATKINSON, Jane; ERRINGTON, Shelly (Ed.) Power and difference: gender in Island Southeast Asia. Stanford: Stanford University Press, 1990.

LASMAR, Cristiane. Mulheres indígenas: representações. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 7, n. 1, 1999.

MOORE, Henrietta. Understanding sex and gender. In: INGOLD, Tim. (Ed.) Companion encyclopedia of Anthropology. Londres: Routledge, 1997.

ORGANIZAÇÃO DOS PROFESSORES INDÍGENAS TRUKÁ (OPIT). No reino da Assunção, reina Truká. Belo Horizonte: FALE/UFMG; SECAD/MEC, 2007.

STRATHERN, Marilyn. Dealing with inequality: analyzing gender relations in Melanesia and beyond. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

TAUSSIG, Michel. Xamanismo, colonialismo e o homem selvagem. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1993.

Publicado
2018-08-20