A representação do indígena no discurso de estudantes de Psicologia: possíveis impactos sobre a escuta do sofrimento psíquico indígena

Palavras-chave: Indígena, representação, escuta

Resumo

Este artigo é um dos frutos do projeto de pesquisa documental “Contribuições para afirmação dos direitos indigenistas no ensino superior: uma experiência de extensão e pesquisa na UFRGS”. Para tanto, focamos nas respostas dos participantes dos seminários “O que é ser índio?” realizados no curso de Psicologia da UFRGS, refletindo acerca das representações sobre os indígenas e os possíveis impactos na escuta do sofrimento psíquico desses coletivos. Além disto, entendemos que a análise dos significados atribuídos aos indígenas pode contribuir com a defesa dos direitos indigenistas e a afirmação indígena no ambiente acadêmico.

Biografia do Autor

Rafael Filter Santos da Silva, UFRGS
Mestre em História e graduando em Psicologia
Rosa Maria Castilhos Fernandes, UFRGS
Professora do PPG de Serviço Social
Rejane Nunes de Carvalho, UFRGS
Aluna indígena do curso de Psicologia

Referências

ACHATZ, Rafaela Waddington; SOUSA, Flaviana Rodrigues; BENEDITO, Marília Antunes; GUIMARÃES, Danilo Silva. Considerações sobre o trabalho com comunidades indígenas a partir do serviço “rede de atenção à pessoa indígena”. In: CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DE SÃO PAULO. Povos indígenas e psicologia: a procura do bem viver. São Paulo: CRP-SP, 2016. p. 189-98.

ACOSTA, Alberto. O bem viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos. São Paulo: Autonomia Literária: Elefante, 2016.

BATAILLE, Laurence. O umbigo do sonho. Por uma prática da Psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1988.

BRASIL. Lei n. 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso em universidades federais e instituições federais de ensino técnico de nível médio. Brasília, 2012.

CAMINHA, Pero Vaz de. A carta de Pero Vaz de Caminha: reprodução fac-similar do manuscrito com leitura justalinear, de Antônio Geraldo da Cunha, César Nardelli Cambraia e Heitor Megale. São Paulo: Humanitas, [1500]1999

CARBONI, Florence; MAESTRI, Mário. A linguagem escravizada: língua, história, poder e luta de classes. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

FERNANDES, Rosa Maria Castilhos. Contribuições para afirmação dos direitos indigenistas no ensino superior: uma experiência de extensão e pesquisa na UFRGS. Projeto de Pesquisa. Porto Alegre: UFRGS, 2017.

FERNANDES, Rosa Maria Castilhos; AMES, Valesca; DOMINGOS, Angélica. Encontros e desencontros das ações afirmativas no ensino superior: as resistências dos estudantes indígenas. O Social em Questão, Porto Alegre, RS, ano XX, n. 37, p. 71-90, jan./abr. 2017.

GONÇALVES, Lucila de Jesus M. Psicologia e povos indígenas: encontros na encruzilhada. In: CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DE SÃO PAULO. Povos indígenas e psicologia: a procura do bem viver. São Paulo: CRP-SP, 2016. p. 217-26.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Liv Sovik (Org.). Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2013.

LAPLANTINE, François. Aprender Etnopsiquiatria. São Paulo: Brasiliense, 1998.

MIGNOLO, Walter D. “Aiesthesis decolonial”. Calle 14, v. 4, n. 4, p. 10-25, jan./jun. 2010.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

MUNDURUKU, Daniel. Banquete dos deuses: conversa sobre a origem da cultura brasileira. São Paulo: Global, 2009.

NINHPRYG, Angélica Domingos. O bem viver Kaingang: perspectivas de um modo de vida para construção de políticas sociais com os coletivos indígenas. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Serviço Social) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS, 2016.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS. Declaração americana sobre os direitos dos povos indígenas. Santo Domingo, República Dominicana: OEA Documentos Oficiais, 2016.

PASTORE, Elisabeth Passero. Psicologia e povos indígenas: reflexões iniciais sobre a participação do psicólogo na construção do plano de gestão territorial e ambiental da terra indígena Kaxixó In: CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DE SÃO PAULO. Povos indígenas e psicologia: a procura do bem viver. São Paulo: CRP-SP, 2016. p. 209-16.

PIMENTEL, Spensy. O índio que mora na nossa cabeça. São Paulo: Prumo, 2012.

POUTIGNAT, Philippe; STREIFF-FENART, Jocelyne. Teorias da etnicidade: seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth. São Paulo: Ed. UNESP, 2011.

RODRIGUES, Edinaldo dos Santos. O lugar da psicologia nas questões indígenas. In: CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DE SÃO PAULO. Povos indígenas e psicologia: a procura do bem viver. São Paulo: CRP-SP, 2016. p. 227-34.

SANTOS, Boaventura de Souza. Para além de um pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SILVEIRA PETTER DAMÁZIO, Eloise da. Multiculturalismo versus interculturalismo: por uma proposta intercultural do Direito. Desenvolvimento em Questão, Ijuí, RS, v. 6, n. 12, p. 63-86, jul./dez. 2008.

TIBURI, Márcia. Lugar de fala e lugar de dor. Revista Cult, São Paulo, mar. 2017 Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/lugar-de-fala-e-etico-politica-da-luta/. Acesso em: 22 jun. 2018.

ZAMBONI, Marcio. Marcadores sociais. Sociologia Especial, São Paulo, 2014. Disponível em: https://assets-dossies-ipg-v2.nyc3.digitaloceanspaces.com/sites/2/2018/02/ZAMBONI_MarcadoresSociais.pdf. Acesso em: 6 mar. 2016.

Publicado
2019-11-27