Encontros interculturais entre um indígena Kaingang e não indígenas: enlaces em um pensar perspectivista e sincrônico

Palavras-chave: educação, sincronicidade, escrita colaborativa, interculturalidade

Resumo

O diálogo entre pesquisadores indígenas e não indígenas, em espaços acadêmicos, pode acolher novas formas de pensar a educação e a pesquisa. Mudanças metodológicas apresentam-se na forma de fazer ciência, considerando os movimentos sincrônicos que aproximam os pesquisadores e que potencializam as pesquisas e publicações oriundas dessas mudanças. A escrita deste texto, que tem a participação de um indígena Kaingang, mestrando em Educação, de uma pesquisadora de doutorado em Educação e da orientadora, é um exercício que metamorfoseia pensamentos e ações, em uma aproximação com o estar ameríndio. A conjunção de reflexões apresentadas tem ampliado os sentidos de aprendizagem, procurando desenvolver no campo educativo a convivência e a integração do que aparentemente não se junta: o mundo indígena e o não indígena no âmbito do pensar simbólico.

Biografia do Autor

Ana Luisa Teixeira de Menezes, Universidade de Santa Cruz do Sul

Pós-doutora no Programa de Pós-Graduação em Educação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com bolsa de Pós-Doutorado CNPQ, sob orientação da professora Dra. Maria Aparecida Bergamaschi. Doutora em Educação pela UFRGS. Mestre em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professora do Departamento de Psicologia e professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação e de Psicologia Profissional da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Vice-líder do grupo de pesquisa no CNPQ PEABIRU: Educação Ameríndia e Interculturalidade (UFRGS/UNISC). Tem pesquisas na área de Psicologia e Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação guarani, psicologia comunitária, psicologia analítica e espiritualidade. Coordena o projeto de pesquisa Aprendizagens Interculturais com os Guarani: Produção de Conhecimentos Ameríndios para a Educação das Infâncias. Integra a Rede Interdisciplinar de Pesquisa (RIMP) no Instituto Latino-Americano de Estudos Avançados (UFRGS), com o projeto denominado Povos Originários e Diaspóricos: Epistemologias e Territorialidades. Integra a rede Alec − Brasil/França.

Onorio Isaías de Moura, Universidade de Santa Cruz do Sul

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Graduado em Comunicação Social − Habilitação Relações Públicas e graduando em Relações Internacionais pela Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA).

Maria Cristina Graeff Wernz, Universidade de Santa Cruz do SulUniversidade Federal do Pampa

Doutoranda em Educação pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Mestre em Educação e especialista em Informática na Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Especialista em Literatura pela UNISC. Graduada em Letras pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Alegrete. Secretária executiva na Coordenadoria de Educação a Distância, na Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA). Tem experiência na área de Educação, principalmente no que se refere aos seguintes temas: educação-tecnologia-inclusão; literatura-tecnologia; inclusão digital, curso normal, formação de leitores e educação a distância, interculturalidade.

Referências

CAMBRAY, Joseph. Sincronicidade: natureza e psique num universo interconectado. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

GUTIÉRREZ, Luz Myriam; TORRES, Manuel Alberto. Vuelo mágico de orión y los animales mitológicos: un estudio de arte simbólico precolombino de Colombia. Bogotá: Viento Ediciones, 2011.

JUNG, Carl Gustav. O livro vermelho. Liber Novus. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

KUSCH, Rodolfo. Geocultura del hombre americano. Rosario, Argentina: Fundación Ross, 2012.

KUSCH, Rodolfo. América profunda. Rosario, Argentina: Fundación Ross, 2009 (Obras Completas, Tomo II).

MENEZES, Ana Luisa Teixeira de; RICHTER, Sandra Regina Simonis; SILVEIRA, Viviane Fernandes. Nhandereko Kue Kyringue’í Reko Rã: nossa história para as crianças. Porto Alegre: Imprensa Livre, 2015.

MATO, Daniel. No hay saber “universal”, la colaboración intercultural es imprescindible. Alteridades, México, v. 18, n. 35, p. 101-16, jan./jun. 2008. Disponível em: http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0188-70172008000100008. Acesso em: 4 nov. 2018.

MOURA, Onorio Isaías de; WERNZ, Maria Cristina Graeff. A vivência e a escrita da cultura indígena na academia: o (re)conhecimento das águas puras. In: ANPED SUL, 12., 23-26 julho 2018, Porto Alegre, RS. Anais [...]. Disponível em: http://anais.anped.org.br/regionais/sites/default/files/trabalhos/2/1655-TEXTO_PROPOSTA_COMPLETO.pdf. Acesso em: 10 fev. 2019.

TASAT, José Alejandro. La naturaleza de la cultura: la convivencia de los antagonismos. Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, RS, v. 26, n. 3, p. 82-90, set./dez. 2018.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. O recado da mata. In: KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A inconstância da alma selvagem − e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2002.

Publicado
2020-03-09