Pedagogia da contextualização e interculturalidade na formação de professores indígenas: entrevista com Maria do Socorro Pimentel da Silva

Palavras-chave: interculturalidade, educação escolar indígena, decolonialidade

Resumo

Entrevista com a professora Maria do Socorro Pimentel da Silva.

O curso de Educação Intercultural do Núcleo Takinahakỹ de Formação Superior Indígena, da Universidade Federal de Goiás, é uma licenciatura específica para a formação de professores indígenas, iniciada em 2007. O curso atende, atualmente, estudantes de 27 povos indígenas, dos estados de Goiás, Maranhão, Mato Grosso e Tocantins, sendo um exemplo da possibilidade de realização de uma educação escolar indígena verdadeiramente intercultural, bilíngue, específica e diferenciada e, antes de tudo, com o objetivo de romper com o histórico de educação assimilacionista e colonizadora.

Maria do Socorro Pimentel da Silva esteve à frente da criação do curso de Educação Intercultural. Devido à sua extensa experiência como docente na educação escolar indígena, Maria do Socorro pode, há 12 anos, conceber, juntamente com representantes indígenas e docentes da UFG, um projeto pedagógico inovador, no sentido de não somente se preocupar com a formação de professores, mas, sobretudo, de se lançar na aventura de compor uma nova base epistêmica para as escolas indígenas e para a própria universidade.

Maria do Socorro Pimentel da Silva é pedagoga, mestra em Letras e Linguística pela UFG e doutora em Linguística Aplicada ao Ensino de Línguas pela PUC-SP. Tanto no mestrado quanto no doutorado realizou pesquisas junto ao povo Karajá. Fez seu estágio de pós-doutorado na Unicamp e, em fevereiro de 2019, se tornou professora titular da Faculdade de Letras da UFG. Com o projeto Maurehi, na aldeia Buridina do povo Karajá (GO), foi uma das pioneiras nos estudos e pesquisas de revitalização linguístico-cultural no Brasil. Também demonstrou postura visionária, ao criar a Revista Articulando e Construindo Saberes cujo escopo é a publicação de pesquisas relacionadas à decolonização de saberes e às práticas pedagógicas pluriepistêmicas e interculturais.

 

Biografia do Autor

Lilian Abram dos Santos, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Mestre em Linguística. Doutora em Linguística Aplicada. Docente da área de Linguagens do Núcleo Takinahakỹ de Formação Superior Indígena, da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Publicado
2020-11-12
Seção
Entrevista