Os Kambeba, a escola e seus significados

Palavras-chave: Kambeba, escola indígena, identidade

Resumo

A Educação Escolar Indígena se constitui em um processo de enfrentamento dos grupos étnicos em vivenciar, dentro das aldeias, um modelo de escola diferenciada dos padrões não indígenas. Essa luta se torna possível com a promulgação da Constituição Federal de 1988, que destina um artigo para lhes possibilitar a apropriação dessa reivindicação. A escola entre os Kambeba da Terra Indígena da Barreira da Missão, Comunidade Betel Tefé (AM), foi incorporada e vivenciada pela comunidade a partir desse período. Diante disso, esse texto traz como objetivo central analisar como os Kambeba da Comunidade Betel Tefé (AM) percebem a função da Escola Municipal Rural Indígena Padre Augusto Cabrolié no fortalecimento cultural e identitário do grupo étnico. O caminhar metodológico utilizou o método hermenêutico-dialético, pela possibilidade de discutir os dados, percebendo os enfrentamentos e tensões intrínsecos desse processo. Os resultados nos mostraram que esse grupo de Kambeba percebe a escola como elo que fortalece a comunidade, sendo o lugar onde o resgate das crenças, das tradições e dos costumes está sendo desenvolvido pelos professores nas salas de aula, e o aluno Kambeba tem se apropriado de elementos singulares da cultura e construído novos significados que são necessários para o fortalecimento identitário. As conclusões evidenciam que a escola que um dia foi palco para homogeneização e negação das diferenças étnicas é, atualmente, o lugar de novaspossibilidades, pois procura atender às expectativas e aos anseios do grupo, culminando para o fortalecimento da cultura do povo Kambeba.

Biografia do Autor

Kácia Neto de Oliveira Fonseca, Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

Mestre em Educação pela Universidade Federal do Amazonas (UFA), com pesquisa em andamento na Educação Escolar Indígena. Especialista em Gestão de Currículo pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Graduada em Pedagogia pela UFA. Professora na Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino. Experiência na área de Educação, com ênfase em Educação.

Jaspe Valle Neto, Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

Doutorando em Educação na Faculdade de Educação da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). Mestre em Educação pela Ufam. Graduado em Pedagogia pela Universidade Paulista. Servidor público exercendo a função de assessor pedagógico, junto ao Núcleo Pedagógico do Centro de Mídias de Educação do Amazonas (Cemeam-Seduc/AM). Experiência na área de docência em Educação junto aos alunos de graduação e pós-graduação (lato sensu) em Ciências Humanas, com ênfase em Educação e Multiculturalismo, Educação Escolar Indígena, Orientação de Estágio Supervisionado, Metodologia da Pesquisa e da Produção Científica, Projeto de Pesquisa, Filosofia da Educação, Psicologia da Educação, Gestão Educacional, Sociologia da Educação, História da Educação, Educação Infantil, Orientação de Trabalhos de Conclusão de Curso, entre outros.

Valeria Augusta Cerqueira de Medeiros Weigel, Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

Doutora em Ciências Sociais (Antropologia) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Mestre em Educação pela Universidade de São Paulo. Graduada em Letras e Artes pela Universidade Federal do Pará.Professora associada IV da Universidade Federal do Amazonas. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Antropologia Educacional, atuando principalmente nos seguintes temas: educação indígena, educação amazônica, educação e cultura, educação e meio ambiente e identidade étnica.

Referências

ALBUQUERQUE, Marcos Alexandre dos Santos; GRANDO, Beleni Salete. Introdução: sobre noções nativas e antropológicas em educação indígena. In: TASSINARI, Antonella Maria Imperatriz; GRANDO, Beleni Saléte; ALBUQUERQUE, Marcos Alexandre dos Santos. Educação indígena: reflexões sobre noções nativas de infância, aprendizagem e escolarização. Florianópolis: UFSC, 2012. p. 7-14.

ALMEIDA, Eliene Amorine; SILVA, Rosa Helena Dias. A política de educação escolar indígena na década de 90. Amazônida: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação da Ufam, ano 8, n. 1,jan./jun.2003.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.Brasília, 5 de outubro de 1988. Disponível em:www.planalto.gov.br/legislação. Acesso em: 1º mar. 2019.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996.Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília-DF, 1988. Disponível em:www.planalto.gov.br/legislação. Acesso em: 10 mar. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial. Referencial Curricular Nacional para Educação Indígena. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental – Coordenação Geral de Apoio às Escolas Indígenas. Referenciais para a formação de professores indígenas. Brasília-DF, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Documento Final da I Conferência Nacional de Educação Escolar Indígena. Brasília: Secadi, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução n. 5, de 22 de junho de 2012. Brasília-DF: MEC,2012.

CONSELHO INDÍGENA MISSIONÁRIO (CIMI). Regional Norte I. Encontro dos professores do Amazonas e Roraima. Manaus, 1990.

GERSEN BANIWA. Índios defendem identidade étnica. In: SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA DO ESTADO DO AMAZONAS, 1., Educação Escolar Indígena do Estado do Amazonas Projeto Pira-Yawara. 1998, Manaus. Relatório [...]. Manaus: Instituto de Educação Rural do Amazonas, 1998.

GRUPIONI, Luís Donisete B. (Org.). As leis e a educação indígena: Programa Parâmetros em Ação de Educação Escolar Indígena. Brasília: Ministério da Educação,Secretaria de Educação Fundamental, 2002.

LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da escola pública: a pedagogia crítico-social dos conteúdos. São Paulo: Loyola, 1985.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8.ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

SACRISTÁN, José Gimeno. A educação obrigatória: seu sentido educativo e social. Tradução de Jussara Rodrigues. Porto Alegre: Artmed, 2011.

SOUSA, Maria Lucimar Jacinto; CARVALHO, Maria de Lurdes Dias. Educação escolar indígena:legislação, currículo e organização. Pará de Minas, MG: VirtualBooks Editora, 2017.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SILVA, Rosa Helena Dias. A autonomia como valor e articulação de possibilidades: o movimento dos professores indígenas do Amazonas, de Roraima e do Acre e a construção de uma política de educação escolar indígena. Cadernos Cedes, ano XIX, n. 49, dez. 1999.

WEIGEL, Valéria. Educação, cultura e globalização: um debate sobre a identidade étnica e a escola. Contexto & Educação, Ijuí, ano 9, n. 38, p. 40-5, 1995.

Publicado
2020-11-12