Letramento em línguas indígenas na retomada de saberes ancestrais

Palavras-chave: letramento, línguas indígenas, Educação

Resumo

Neste estudo, buscarei discutir o impacto e a funcionalidade do letramento em línguas indígenas na retomada de saberes ancestrais. Para isso, coloco em pauta alguns desafios que se apresentam à prática social de letramento em línguas indígenas: (1) ela pode contribuir com a movimentação do seu uso oral? (2) Pode contribuir com a retomada de saberes ancestrais? (3) Pode combater a extinção das línguas indígenas? E (4) qual é o papel da educação escolar na valorização das línguas indígenas? De acordo com a UNESCO (2003, p. 2), “a extinção de uma língua significa a perda irrecuperável de saberes únicos, culturais, históricos e ecológicos”. Hinton (2001), em seus estudos, lembra que há no mundo atualmente cerca de 250 nações, em que são faladas em torno de 6.000 línguas. Observa-se a desproporção entre o número de países e o de línguas. Isso revela que apenas uma minoria das línguas do mundo pode ser caracterizada como língua de governo, de comércio, de educação, de conhecimento ou de comunicação mais ampla. A globalização dos valores econômicos, sociais e culturais, impulsionada pelo desenvolvimento tecnológico, acaba por impor suas línguas em detrimento daquelas consideradas minoritárias. Em decorrência dessa realidade e da ameaça de extinção das línguas indígenas brasileiras, tenho buscado construir bases epistêmicas coteóricas de indicação de paradigmas inovadores no campo da educação intercultural crítica e problematizadora. 

Biografia do Autor

Maria do Socorro Pimentel da Silva, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Pós-doutora em Linguística pela Universidade Estadual  de Campinas (UNICAMP). Doutora em Linguística Aplicada ao Ensino de Línguas pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Mestrado em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Graduação em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Tuiuti. Professora Titular da Faculdade de Letras (FL) e do Núcleo Takinahak de Formação Superior Indígena (NTFSI) da UFG.

Referências

ALBÓ, Xavier. Interculturalidad en el desarrollo rural sostenible - el caso de Bolivia: pistas conceptuales y metodológicas. La Paz: Centro de Investigación y Promoción del Campesinado, 2012. (Cuadernos de Investigación, 75).

BANIWA, Gersem. Educação escolar indígena no século XXI: encantos e desencantos. Rio de Janeiro: Mórula/Laced, 2019. Disponível em: https://acervo.socioambiental.org/sites/default/files/documents/F3L00006.pdf. Acesso em: 24 nov. 2019.

CABIXI, Olivia. A língua Oro Win: uma experiência de revitalização. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Educação Intercultural) – Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Campus de Ji- Paraná, RO, 2015.

CÓRDOVA GASTIABURU, Paula. Hacia la diversidad: educación, democracia e interculturalidad. In: CÓRDOVA GASTIABURU, Paula (Ed.). Cambio o muerte de las lenguas? Reflexiones sobre la diversidad lingüística, social y cultural del Perú. Lima: UPC, 2006.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 42. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003. (Coleção Leitura).

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

HERBETTA, Alexandre Ferraz; LANDA, Mariano Báez (Org.). Educação indígena e interculturalidade: um debate epistemológico e político. In: HERBETTA, Alexandre Ferraz; LANDA, Mariano Báez (Org.). Educación indígena y interculturalidad: un debate epistemológico y político. Goiânia: Editora da Imprensa Universitária, 2017. p. 9-13.

HINTON, Leanne. Language revitalization: an overview. In: HINTON, Leanne; HALE, Ken. (Org.). The green book of language revitalization in practice. New York: Academic Press, 2001.

IAKYMYTYWYGY, Cleberson Tapirapé. Relatório da Especialização em Educação Intercultural e Transdisciplinar: Gestão Pedagógica. Goiânia: UFG/Núcleo Takinahakỹ de Formação Superior Indígena, 2016.

JAVAÈ, Iólò. Relatório da Especialização em Educação Intercultural e Transdisciplinar: Gestão Pedagógica. Goiânia: UFG/Núcleo Takinahakỹ de Formação Superior Indígena, 2016.

KARAJÁ, Manaijé. Relatório da III Reunião da Ação Saberes Indígenas na Escola. Goiânia: UFG/Núcleo Takinahakỹ de Formação Superior Indígena, 2014.

LUCIANO, Gersem José dos Santos. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: ME/SECAD; LACED/Museu Nacional, 2006. (Coleção Educação para Todos, 12).

MATTOS, Luiz Alves de. Primórdios da educação no Brasil: o período heroico (1549-1570). Rio de Janeiro: Gráfica e Editora Aurora, 1958.

MIGNOLO, Walter. Histórias locais - projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Tradução de Solange Ribeiro de Oliveira. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

PIMENTEL DA SILVA, Maria do Socorro. Possíveis caminhos para a autonomia da educação escolar indígena. In: PIMENTEL DA SILVA, Maria do Socorro; NAZÁRIO, Maria de Lurdes; DUNCK-CINTRA, Ema Marta (Org.). Diversidade cultural indígena brasileira e reflexões no contexto da educação básica. Goiânia: Espaço Acadêmico, 2016. (Série Educação).

PIMENTEL DA SILVA, Maria do Socorro. Impactos da educação na vitalidade do patrimônio epistêmico Iny. Goiânia: Kelps, 2015.

PIMENTEL DA SILVA, Maria do Socorro. A pedagogia da esperança na construção de práticas pedagógicas contextualizadas e emancipatórias. In: PIMENTEL DA SILVA, Maria do Socorro; BORGES, Mônica Veloso (Org.). Educação intercultural, experiências e desafios políticos pedagógicos. Goiânia: Prolind/Secad-MEC/Funape, 2013.

PIMENTEL DA SILVA, Maria do Socorro. Ensino e aprendizagem de línguas numa perspectiva bilíngue intercultural. In: PIMENTEL DA SILVA, Maria do Socorro; BORGES, Mônica Veloso; ROCHA, Leandro Mendes (Org.). Cidadania, interculturalidade e formação de docentes indígenas. Goiânia: PUC/GO, 2010. p. 85-102.

PIMENTEL DA SILVA, Maria do Socorro. Reflexões sociolinguísticas sobre línguas indígenas ameaçadas. Goiânia: Ed. da UCG, 2009.

PIMENTEL DA SILVA, Maria do Socorro. As línguas indígenas na escola: da desvalorização à revitalização. Signótica, Goiânia, v. 18, n. 2, p. 381-95, jul./dez. 2006.

RAPPAPORT, Joanne. Más allá de la escritura: la epistemología de la etnografía en colaboración. Revista Colombiana de Antropología, Bogotá, 43, p. 197-229, 2007.

ROCHA, Leandro Mendes. Da proteção fraternal ao integracionismo harmonioso: aspectos da política indigenista (1930-1967). Brasília: FUNAI, 1993.

SANTOS, Boaventura de Sousa; ALMEIDA FILHO, Naomar (Org.). A universidade no século XXI: para uma universidade nova. Coimbra: Almedina, 2008.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina, 2009.

TAPIRAPÉ, Bismarck. Relatório de Estágio Pedagógico do Curso de Educação Intercultural. Goiânia: UFG/Núcleo Takinahakỹ de Formação Superior Indígena, 2011.

TAPIRAPÈ, Fábio Tuilari. Relatório de Estágio Pedagógico do Curso de Educação Intercultural. Goiânia: UFG/Núcleo Takinahakỹ de Formação Superior Indígena, 2013.

TUBINO, Fidel. La interculturalidad crítica como proyecto ético-político. In: ENCUENTRO CONTINENTAL DE EDUCADORES AGUSTINOS, 1., Lima, 2005. Anais […]. Lima: Universidad Andina, 2005.

UNESCO. Education for the Twenty-First Century. Paris: França, 2003. Disponível em: www.unesco.org/education. Acesso em: 24 mar. 2019.

WALSH, Catherine (Ed.). Pensamiento crítico y matriz (de)colonial: reflexiones latinoamericanas. Quito: Univ. Andina Simon Bolívar/Abya-Yala, 2005.

Publicado
2021-04-26
Seção
Dossiê - Produção de material em línguas indígenas e saberes ancestrais