A política de alfabetização bilíngue: histórico, ações para a formação de professores indígenas e a produção didática

Resumo

Seguindo estratégias internacionais desenhadas desde o início do século XX, há no Brasil uma política de Educação Escolar Indígena, fundamentada na interculturalidade, com foco na alfabetização bilíngue. Porém, considerando a diversidade sociolinguística do país, a histórica política de integração e, mais recentemente, o reconhecimento aos processos próprios de aprendizagem, os programas de alfabetização bilíngue requerem iniciativas locais, articuladas com a formação de professores que resulta em produção de recursos pedagógicos diferenciados. Neste texto, apresentamos um histórico da política de alfabetização bilíngue discutindo documentos e encaminhamentos que culminaram na criação da ação Saberes Indígenas na Escola, inaugurando uma produção didática elaborada pelos professores. Os resultados mostram que a produção de materiais nas próprias comunidades, além de considerar as variações dialetais, oportuniza a criação de fecundos espaços de diálogos e pesquisas dos professores indígenas entre si, com sábios mais velhos, envolvendo jovens e crianças sobre questões culturais e ensejando, ainda, diálogos sobre ensino e aprendizagem escolar na comunidade.

Biografia do Autor

Rosangela Célia Faustino, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Pós-Doutora em Conhecimento e Inclusão Social em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre em Fundamentos da Educação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Graduada em Pedagogia pela Faculdade Instituto Superior de Educação do Paraná (FAINSEP) e em História pela UEM. Professora das licenciaturas de Pedagogia na UEM e Pedagogia Indígena na Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). Atua no Programa de Pós-Graduação em Educação da UEM (Mestrado e Doutorado), Linha: Políticas e Gestão da Educação.

Marcos Gehrke, Universidade Estadual do Centro Oeste (UNICENTRO)

Doutor e mestre em Educação pela Universidade Federal do Paraná. Graduado em Pedagogia pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Professor adjunto da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO) e do Programa de Pós-Graduação em Educação. Coordenador do Curso de Pedagogia para Indígena.

Maria Simone Jacomini Novak, Universidade do Paraná (UNESPAR)

Doutora e mestre em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Graduada em História pela UEM e em Pedagogia pela Faculdade Instituto Superior de Educação do Paraná (FAINSEP). Pró-reitora de Ensino de Graduação da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). Professora Adjunta C/TIDE do curso de Pedagogia na UNESPAR. Pesquisadora do Programa Interdisciplinar de Estudos de Populações/Laboratório de Arqueologia, Etnologia e Etno-História (CCH-UEM).

Referências

AMADIO, Massimo; D’EMILIO, Anna Lucía (Comp.) Recopilación de materiales didácticos en educación indígena. Santiago-Chile: UNESCO/OREALC, 1990.

AMARAL, Luiz. Bilinguismo, aquisição, letramento e o ensino de múltiplas línguas em escolas indígenas no Brasil. Cadernos de Educação Escolar Indígena, Cáceres, v. 9, n. 1, p. 13-32, 2011.

APPLE, Michael W. Política cultural e educação. São Paulo: Cortez, 2001.

BANCO MUNDIAL. Llegando a los pobres de las zonas rurales: estrategia de desarrollo rural para América Latina y el Caribe. Washington: Banco Mundial, 2002.

BARROS, Maria Cândida D. M. Linguística missionária: Summer Institute of Linguistics. 1993. Tese (Doutorado em Filosofia e Ciências Sociais) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP,1993.

BARROS, Maria Cândida Drumond Mendes. A missão Summer Institute of Linguistics e o indigenismo latino-americano: história de uma aliança (décadas de 1930 a 1970). Revista de Antropologia, São Paulo, v. 47, n. 1, p. 45-85, 2004.

BENGOA, José. Desarrollo con identidad: la cuestión del desarrollo indígena en America Latina. In: UQUILLAS, Jorge E.; RIVERA, Jean-Carlo. Pueblos indígenas y desarrollo en America Latina. Washington: Banco Mundial, 1993. p.73-82.

BERNARDINO, Mariana Mendonça. Educação Escolar Indígena: política, debates e ações para a alfabetização na Perspectiva da Teoria Histórico-Cultural. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, 2015.

BITTAR, Marisa; FERREIRA JR., Amarilio. Ativismo pedagógico e princípios da escola do trabalho nos primeiros tempos da educação soviética. Revista Brasileira de Educação, v. 20, n. 61, abr./jun. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena na Educação Básica. Brasília-DF: Ministério da Educação; Conselho Nacional de Educação; Câmara de Educação Básica, 2012. Disponível em: http://mobile.cnte.org.br:8080/legislacao-externo/rest/lei/86/pdf. Acesso em: 23 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer 14/1999. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Escolar Indígena. Brasília-DF: Ministério da Educação, 1999.

BRASIL. Lei n. 6.001. Estatuto do Índio. Diário Oficial da União, Brasília, p. 13.177, seção I, 21 de dezembro de 1973.

BRASIL. Ministério da Educação. Referencial Curricular Nacional para as Escolas indígenas. Brasília-DF: MEC/SECADI, 1998.

BRASIL. Alfabetização como liberdade. Brasília-DF: UNESCO/MEC, 2003. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ue000001.pdf. Acesso em: 13 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. In: CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA,1., Brasília, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Anais [...]. Brasília-DF: SECADI, 2009.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Estatísticas sobre educação escolar indígena no Brasil. Brasília-DF: INEP, 2007. Disponível em: http://www.publicacoes.inep.gov.br/arquivos/%7B7BF2B332-7B8F-44A5-9F2A-282D5E57FB24%7D_2educacaoindigenabrasil.pdf. Acesso em: 14 set. 2019.

CAVALCANTI, C. Marilda. Estudos sobre educação bilíngue e escolarização em contextos de minorias linguísticas no Brasil. D.E.L.T.A., v. 15, n. especial, p. 385-417, 1999. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/delta/v15nspe/4023.pdf. Acesso em: 19 jun. 2020.

COLLET, Celia Letícia Gouvêa. Interculturalidade e educação escolar indígena: um breve histórico. Formação de professores indígenas repensando trajetórias. Brasília-DF: MEC/SECAD-UNESCO, 2006.

COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA [CEPAL]; FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA [UNICEF]. Pobreza infantil en pueblos indígenas y afrodescendientes en America Latina. Santiago de Chile: ONU, 2012. Disponível em: https://www.cepal.org/es/publicaciones/3981-pobreza-infantil-pueblos-indigenas-afrodescendientes-america-latina. Acesso em: 25 mar. 2015.

DESHERIEV, Yunus D. Progreso social y sociolinguística. Revista Internacional de Ciencias Sociales, v. XXXVI, n. 1, [s.p.], 1984.

EAGLETON, Terry. A ideia de Cultura. Tradução de Sandra Castello Branco. São Paulo: Editora da Unesp, 2005.

FAUSTINO, Rosângela C. Política educacional nos anos de 1990: o multiculturalismo e a interculturalidade na educação escolar indígena. 2006. 335 f.Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2006.

FAUSTINO, Rosangela Celia; NOVAK, Maria Simone Jacomini; RODRIGUES, Isabel Cristina. O acesso de mulheres indígenas à universidade: trajetórias de lutas, estudos e conquistas. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 12, n. 29, [s.p.], 2020.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. Tradução de Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves. 13. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010: características gerais dos indígenas – resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/95/cd_2010_indigenas_universo.pdf Acesso em: 26 mar. 2020

LEITE, Yonne. O Summer Institute of Linguistics: estratégias de ação no Brasil. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, n. 7, 1981.

LISBÔA, Flavia Marinho. Interculturalidade, letramento e alternância como fundamentos para a educação indígena. Trabalho em Linguística Aplicada, Campinas, v. 56, n. 2, p. 669-88, maio/ago. 2017.

MERIAM, Lewis et al. The problem of indian administration. The Institute for Government Research. Studies in Administration. U.S.A.: The Johns Hopkins Press

Baltimore Maryland, 1928. Disponível em: https://files.eric.ed.gov/fulltext/ED087573.pdf. Acesso em: 12 mar. 2020

NOVAK, Maria Simone Jacomini. Os organismos internacionais, a educação superior para indígenas nos anos de 1990 e a experiência do Paraná: estudo das ações da Universidade Estadual de Maringá. 2014. 342f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, 2014.

ONU. Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos. Adotado pela Resolução n. 2.200 A (XXI) da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, em 16 de dezembro de 1966. Disponível em: http://www.rolim.com.br/2002/_pdfs/067.pdf. Acesso em: 22 ago. 2020.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Convenção 107 da OIT, concernente às populações indígenas e tribais. Genebra, 26 de junho de 1957. Disponível em: https://www.oas.org/dil/port/1957%20Conven%C3%A7%C3%A3o%20sobre%20Povos%20Ind%C3%ADgenas%20e%20Tribais.%20(Conven%C3%A7%C3%A3o%20OIT%20n%20%C2%BA%20107).pdf. Acesso em: fev. 2020.

RAMOS, Alcida Rita. Constituições nacionais e povos indígenas. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2012.

RIES, Nicholas M; HUGUES, John.; SAER, D. J. El bilinguismo y la educación: ediciones, la lectura. Madrid: Espasa Calpe, 1932.

SOUSA, Neimar Machado; SOUZA, Teodora. Saberes indígenas: vivência e convivência. Humanidades & Inovação, Palmas, v. 4, n. 3, 2017. Disponível em: https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/388. Acesso em: 15 jun. 2020.

TOWNSEND, Guillermo C. El aspecto romántico de la investigación lingüística. Peru Indígena, Lima, v. 1, n. 2, p. 39-43, 1949.

UNESCO. Informe de la reunión de especialistas organizada por la UNESCO en 1951. Empleo de las lenguas vernáculas en la enseñanza. Santiago: UNESCO, 1954.

UNESCO. A declaração das raças da UNESCO. [S.l.]: UNESCO, 18 jul. 1950. Disponível em: http://www.achegas.net/numero/nove/decla_racas_09.htm. Acesso em: 15 jun. 2020.

UNESCO. Convenção relativa a luta contra a discriminação no campo do ensino. UNESCO, 1960. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000132598_por. Acesso em: 12 jun. 2020.

UNESCO. Declaración de Ciudad de México. In: CONFERENCIA REGIONAL DE MINISTROS DE EDUCACIÓN Y DE MINISTROS ENCARGADOS DE LA PLANIFICACIÓN ECONÓMICA DE LOS ESTADOS MIEMBROS DE AMÉRICA LATINA Y EL CARIBE. México, 4-13 de diciembre de 1979. México: UNESCO, 1979. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0015/001599/159987S.pdf Acesso em: 12 mar. 2020.

UNESCO; CONFITEA. Los derechos universales, la alfabetización y la educación básica: alfabetización multilingüe e intercultural. Alemania: [s.n.], 1997. Disponível em: http://www.unesco.org/education/uie/confintea/pdf/3e_span.pdf. Acesso em: 15 jun. 2020.

UNESCO; OREALC. Educação intercultural bilíngüe. In: UNESCO; OREALC. Balanço dos 20 anos do Projeto Principal de educação na América Latina e no Caribe In: REUNIÃO DO COMITÊ REGIONAL INTERGOVERNAMENTAL DO PROJETO PRINCIPAL DE EDUCAÇÃO, 7., Documento de trabalho, 2001. Anais [...]. UNESCO, 2001

UNESCO. OREALC. Materiales de apoyo para la formación docente en educación bilingüe intercultural: Lengua. Santiago: UNESCO, set. 1989. 139 p.

VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2009.

WAHUKA, Sinvaldo de Oliveira. Saberes Indígenas na Escola. Revista Articulando e Construindo Saberes, v. 1 n. 1, 2016. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/racs/article/view/43004. Acesso em: 15 jun. 2020.

WIESEMANN, Ursula. Children of mixed marriage in relation to Kaingang society. Revista do Museu Paulista, São Paulo, v. XV, p. 315-7, 1964.

WIESEMANN, Ursula. Semantic categories of “good” and “bad” in relation to Kaingang personal names. Revista do Museu Paulista, São Paulo, n. 12, p. 177-84, 1960.

WIESEMANN, Ursula. Notas sobre Proto-Kaingáng: um estudo de quatro dialetos. Tradução de Miriam Lemle. Rio de Janeiro: SIL, 1959. [Comunicação apresentada à 4ª Reunião da ABA, Curitiba, manuscrito].

ZINSSER, Judith P. Una nueva colaboración: la de los pueblos autóctonos y el sistema de las Naciones Unidas. Museum Internacional, Paris, UNESCO, v. 56, n. 224, p. 69-83, dez. 2004.

Publicado
2021-04-26
Seção
Dossiê - Produção de material em línguas indígenas e saberes ancestrais