Estudantes Tikuna em Manaus: entre o protagonismo na escola indígena e o silenciamento de identidades na escola não-indígena

Palavras-chave: escola diferenciada, estudantes Tikuna, Wotchimaücü, identidade, Manaus

Resumo

O artigo resulta de uma análise qualitativa realizada a partir de pesquisa de campo na escola diferenciada do povo Tikuna, da Comunidade Wotchimaücü, localizada na periferia de Manaus. Objetivou-se analisar as repercussões das práticas educativas diferenciadas no processo de afirmação/ ressignificação da identidade étnica de seus estudantes junto à sociedade circundante, especialmente nas escolas formais em que efetivam sua escolarização, a fim de compreender como se dão tais processos e o papel das escolas formais nesse construto. O aporte teórico metodológico utilizado foi a pesquisa qualitativa ancorada na fenomenologia e na hermenêutica, utilizando a observação direta e entrevistas semiestruturadas. Os resultados do estudo apontam que as práticas educativas diferenciadas têm contribuído, mesmo com limitações, no processo de conhecimento dos saberes tradicionais da cultura do povo Tikuna e na ressignificação da identidade étnica de seus estudantes no contexto citadino. Estes apresentam posicionamentos divergentes em relação à questão da afirmação de sua identidade étnica nas escolas formais em que estudam. Alguns afirmam sua identidade étnica, outros a silenciam, numa estratégia de invisibilidade sociocultural frente ao cenário de preconceitos e discriminações. O estudo também evidenciou que as escolas formais ainda não concretizam práticas interculturais eficientes para a promoção da alteridade, do respeito às diferenças, e valorização das culturas subalternizadas do contexto amazônico, contribuindo para um processo de invisibilidade sociocultural e silenciamento de identidades de seus estudantes Tikuna. Entretanto, tais estudantes buscam na escola diferenciada indígena a resistência e a resiliência para o bem viver na cidade.

Biografia do Autor

Jucinôra Venâncio de Souza Araújo, Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

Doutoranda em Educação pela Universidade Federal do Amazonas. Professora da Secretaria Municipal de Educação de Manaus.

Valéria Augusta Cerqueira de Medeiros Weigel, Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

Doutora em Antropologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Amazonas.

Altaci Corrêa Rubim, Universidade de Brasília (UnB)

Doutora em Linguística pela Universidade de Brasília. Professora do Departamento de Linguística Português e Línguas Clássicas da Universidade de Brasília.

Referências

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno. Terras tradicionalmente ocupadas: processos de territorialização, movimentos sociais e uso comum. In: ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno. Terras de quilombo, terras indígenas, “babaçuais livres”, castanhais do povo, faxinais e fundos de pasto: terras tradicionalmente ocupadas. Manaus: PPGSCA-UFAM, 2006.

ARAÚJO, Jucinôra Venâncio de Souza. Centro Cultural Tikuna: práticas pedagógicas e identidade étnica no contexto urbano. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus, AM, 2015.

ARQUIDIOCESE DE MANAUS. Pastoral Indigenista. Covid 19: igreja de Manaus denuncia negligência no atendimento aos indígenas da cidade. Portal Vatican News, [s.l.], [s.d.]. Disponível em: http: www.vaticannews.va. Acesso em: 28 abr. 2020.

BARTH, Frederik. Grupos étnicos e suas fronteiras. [s.l.]: [s.n.], 1969. [Editado como apêndice na obra: POUTIGNAT, Philippe; STREIFF-FENART, Jocelyne. Teorias da etnicidade. São Paulo: Editora UNESP, 1998].

BERNAL, Roberto Jaramillo. Índios Urbanos: processo de reconformação das identidades étnicas indígenas em Manaus. Tradução de Evelyne Marie Therese Mainbourg. Manaus: Editora da UFA/Faculdade Salesiana Dom Bosco, 2009.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2007.

BRASIL. Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Fundação Nacional do Índio-FUNAI. Educação. Brasília-DF, 2019. Disponível em: http://www.funai.gov.br/index.php/educacao. Acesso em: 20 mar. 2019.

BRASIL. Resolução CNE/CEB n. 1/2015. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores Indígenas em curso de formação. Brasília-DF, 2015.

BRASIL. Resolução CNE/CEB n. 5, de 22 de junho 2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena na Educação Básica. Brasília-DF: MEC/CNE/CEB, 2012.

BRASIL. Decreto 5.051, de 19 de abril de 2004. Promulga a Convenção n. 169 da Organização Internacional do Trabalho – OIT sobre Povos Indígenas e Tribais. Brasília-DF: Senado Federal, 2004.

BRASIL. Parecer CNE/CEB n. 14/1999. Dispõe sobre Diretrizes Nacionais para o funcionamento das escolas indígenas. Brasília-DF, 1999.

BRASIL. Resolução CNE/CEB n. 3, de 10 de novembro de 1999. Diretrizes Nacionais para o funcionamento das escolas indígenas e dá outras providências. Brasília-DF: 1999. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/1999/pceb014_99.pdf. Acesso em: 19 abr. 2017.

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Brasília-DF: MEC, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 9.394/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília-DF, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 3 maio 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília-DF: Senado, 5 de outubro de 1988.

BRITO, Rosa M. Um localismo universalizado: a formação de professores, mestres e doutores na FACED/UFAM. Manaus: EDUA, 2015.

CANCLINE, Nestor Garcia. Culturas híbridas. São Paulo: EDUSP, 2008.

CANDAU, Vera Maria (Org.). Didática crítica intercultural: aproximações. Petrópolis-RJ: Vozes, 2012.

CANDAU, Vera Maria; KOFF, Adélia Maria N. S. Conversas sobre a Didática e a perspectiva multi/intercultural. In: CANDAU, Vera Maria (Org.). Educação intercultural e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006.

D’ANGELIS, Wilmar da R. Contra a ditadura da escola. In: GRUPIONI, Luís Donisete Benzi (Org.). Formação de professores indígenas: repensando trajetórias. Brasília: Ministério da Educação / Unesco, 2006. (Coleção Educação para Todos).

FONSECA, K. N. O; NETO, J. V; WEIGEL, V. A. C. M. Os Kambeba, a escola e seus significados. Revista Tellus, Campo Grande, MS, ano 20, n. 42, p. 137-52, maio/ago. 2020. Disponível em : https://www.tellus.ucdb.br/tellus/article/view/698. Acesso em: 4 fev. 2020.

FREIRE, Maria do Céu Bessa. A criança indígena na escola urbana. Manaus: Editora da UFAM, 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 33. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

GHEDIN, Evandro. Professor reflexivo: da alienação da técnica à autonomia da crítica. In: PIMENTA, S. G.; GHEDIN. E. (Org.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

GRUPIONI, Luís Donisete Benzi. Contextualizando o campo da formação de professores indígenas no Brasil. In: GRUPIONI, Luís Donisete Benzi (Org.). Formação de professores indígenas: repensando trajetórias. Brasília: Ministério da Educação / Unesco, 2006. (Coleção Educação para Todos).

HALL, Stuart. A identidade cultural na Pós-Modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva, Guracira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2011.

HOBSBAWN, Eric. Era dos extremos: o breve século XX: 1914 a 1991. Tradução de Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

LUCIANO, Gersem dos Santos. Educação para o manejo do mundo: entre a escola ideal e a escola real no Alto Rio Negro. Rio de Janeiro: Contra Capa / LACED, 2013.

LUCIANO, Gersem José dos Santos. Educação para o manejo e domesticação do mundo: entre a escola ideal e a escola real – os dilemas da educação escolar indígena no Alto Rio Negro. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade de Brasília, 2011.

LUCIANO, Gersem dos Santos. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade / LACED/Museu Nacional, 2006.

LUCIANO, Rosenilda R. F; SIMAS, Helen Cristina P.; GARCIA, Fabiane M. Políticas públicas para indígenas: da educação básica ao ensino superior. Revista Interfaces da Educação, Paranaíba, v. 11, n. 32, p. 571-605, 2020.

MOREIRA, Antonio Flavio B.; TADEU, T. (Org.). Sociologia e teoria crítica do currículo: uma introdução. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso. Identidade, etnia e estrutura social. São Paulo: Pioneira, 1976.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Terra à vista – discurso do confronto: Velho e Novo Mundo. 2. ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2008.

PAREDES, José Bolivar Burbano. Educação indígena e identidade. In: ASSIS, Eneida (Org.). Educação Indígena na Amazônia: experiências e perspectivas. Belém: Associação de Universidades Amazônicas / Universidade Federal do Pará, 1996.

SACRISTAN, Gimeno. A educação obrigatória: seu sentido educativo e social. Porto Alegre: ARTMED, 2001.

SANTOMÉ, Jurjo Torres. As culturas negadas e silenciadas no currículo. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Alienígenas na sala de aula. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela Mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 11. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

SILVA, Aldenor M. A inserção dos Tikuna no tecido social urbano de Manaus. Dissertação (Mestrado em Sociedade e Cultura na Amazônia) – Universidade Federal da Amazônia, Manaus, AM, 2013.

SMITH, Linda Tuhiwai. Descolonizando metodologias: pesquisa e povos indígenas. Tradução de Roberto G. Barbosa. Curitiba: Ed. UFPR, 2018.

TASSINARI, A. M. I. Escola indígena: novos horizontes teóricos, novas fronteiras de educação. In: LOPES DA SILVA, Aracy; FERREIRA, Mariana K. L. Antropologia, História e Educação: a questão indígena e a escola. 2. ed. São Paulo: Global, 2001.

WEIGEL, Valéria Augusta C. de M. Escolas de branco em malokas de índio. Manaus: EDUA, 2000.

Publicado
2021-12-22