O <em>Capitão</em> na visão dos Kaiowá e Guarani do Tekoha Guapo’y/Reserva de Amambai

Resumo

O artigo aborda a visão dos kaiowá e Guarani sobre o conceito de Capitão, forma de liderança imposta, entre 1915 e 1929, pelo Órgão Indigenista Serviço de Proteção ao Índio para administrar as reservas dos Kaiowá e Guarani na região do Cone Sul de Mato Grosso do Sul. Tendo como referência teórica a denominada “história dos conceitos”, o foco do estudo é refletir como o conceito de capitão interferiu na política de organização social do Kaiowá e Guarani, assim como captar a visão dos moradores acerca dessa posição social, comparando a administração do Ñande Ru nos tekoha e a administração do Capitão nas reservas Kaiowá e Guarani.

Biografia do Autor

Makiel Aquino Valiente, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
Acadêmico do Curso de História na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade Universitária de Amambai - MS. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-9546-1541.
Rogerio da Palma, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
Graduou-se em Ciências Sociais (2007) pela Universidade Federal de São Carlos. Possui mestrado (2010) e doutorado (2014) em Sociologia pela mesma instituição. Através de uma bolsa de doutorado sanduíche ofertada pela CAPES, foi Visiting Scholar na University of Michigan (EUA) durante o ano de 2013. Desde 2015, é Professor Adjunto da UEMS/Amambai, lecionando e orientando pesquisas nos cursos de Ciências Sociais (presencial e Ead) e no ProfHistória desta Unidade. Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em sociologia histórica, atuando principalmente nos seguintes temas: relações étnico-raciais, racismo, migrações, pós-abolição, mercados de trabalho

Referências

BRAND, A. O bom mesmo é ficar sem capitão: o problema da “administração” das reservas indígenas Kaiowá/Guarani, MS. Tellus, Campo Grande, MS, ano 1, n. 1, p. 67-88, 2001.

CAVALCANTE, T. L. V. Lideranças indígenas e a luta pela terra como expansão da organização sociopolítica Guarani e Kaiowá. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 9, n. 1, p. 182-205, jan./jun. 2015.

CUNHA, Manuela Carneiro. História dos índios no Brasil. Companhia das Letras: São Paulo, 2009.

DELGADO, L. A. N. História oral e narrativa: tempo, memória e identidades. História oral, v. 6, p. 9-25, 2003.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Amambai. Brasília, DF: IBGE, 2012. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ms/amambai/historico. Acesso em: 10 set. 2018.

JASMIN, M. G. História dos conceitos e teoria política e social: referências preliminares. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, 2006.

KOSELLECK, R. Uma história dos conceitos: problemas teóricos e práticos. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 134-46, 1992.

MELIÀ, B. (Ed.). Guarani Continental: povos Guarani na Argentina, Bolívia, Brasil e Paraguai. Campo Grande: EMGC, 2016.

MORAES, J. A. S. O pentecostalismo entre os índios da reserva indígena de Dourados, da década de 1980 aos dias atuais. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA, 12., Seção Mato Grosso do Sul, 2014. Anais [...] Campo Grande: UFMS, 2014. disponível em: http://www.encontro.ms.anpuh.org/resources/anais/38/1412825204_ARQUIVO_comunicacao-anpuhms 2014_jose-augusto-santos-moraes.pdf. Acesso em: 8 de setembro de 2018, às 14 horas.

PERRONE-MOISÉS, B. Índios livres e índios escravos: os princípios da legislação indigenista do período colonial (século XVI a XVIII). In: CUNHA, M. C. (Org.). História dos índios no Brasil, São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

PEREIRA, L. M. Mobilidade e processos de territorialização entre os Kaiowá atuais. Revista Eletrônica História em Reflexão, Dourados, MS, v. 1, n. 1, 2007.

Publicado
2019-11-27