Críticas e preconceitos ocidentais em contraposição às formas de aculturação e concepções ameríndias

  • Matheus Moreira da Silva
  • José Pedro Machado Ribeiro
Palavras-chave: Etnologia. Professores indígenas. Diversidade Cultural.

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar uma interpretação dos preconceitos
ocidentais direcionados aos povos indígenas em contraposição às formas de aculturação e as
formas distintas de como se concebem o poder. Lançamos mão de análises antropológicas às
reflexões próprias, à luz da condição atual e passada dos povos ameríndios e de histórias que
traduzem as influências, preconceitos e articulações frente as reflexões com posicionamentos
críticos de Pierre Clastres e Viveiros de Castro, acerca da “sociedade contra o Estado”.
Percorreremos a acepção de cultura, a crise do termo “aculturação”, a colonialidade do ser e
do saber indígena e as transformações sociais, a partir de debates de caráter ocidental e
diferentes formas de conhecimentos (etnoconhecimentos). Pois, há uma crítica antiga ao
termo “aculturação” na antropologia, todavia os povos indígenas se ressentem de processos
considerados como aculturativos, já que a aculturação é vista como a opressão, desde o início
da colonização a partir de 1500 até o presente, de subalternização, espoliação e inferiorização
dos povos indígenas.

Referências

CLASTRES, P. A sociedade contra o Estado. São Paulo: Cosac Naify, 1962.

CLASTRES, P. Arqueologia da violência: ensaios de Antropologia política. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

GALVÃO, E. Estudos sobre aculturação dos povos indígenas no Brasil. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 67-74, 1957.

GOLDMAN, M. Os tambores do antropólogo: antropologia pós-social e etnografia. Ponto Urbe, Revista do Núcleo de Antropologia Urbana da USP, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 1-11, 2014.

LÉVI-STRAUSS, C. História da Lince. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

LÉVI-STRAUSS, C. Guerra e comércio entre os índios da América do Sul. In: SCHADEN, E. (Org.). Leituras de etnologia brasileira. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1974. p. 325-39.

MELLO, C. C. A. Devir-afroindígena: então vamos fazer o que a gente é. Cadernos de Campo, São Paulo, n. 23, p. 223-39, 2014.

NUNES, E. S. O constrangimento de forma: transformação e (anti-)hibridez entre os Karajá de Buridina (Aruanã-GO). Revista de Antropologia, São Paulo, v. 57, n. 1, p. 303-45, 2014.

OVERING, J. Elogio do cotidiano: a confiança e a arte da vida social em uma comunidade amazônica. Mana, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 81-107, abr. 1999.

LOWIE, R. Some aspects of political organization among the American aborigines. Great Britain: IA, 1948.

RUSSELL, B. O conhecimento humano: sua finalidade e limites. São Paulo: Editora ND, 2011.

SCHADEN, E. Aspectos fundamentais da cultura guarani. São Paulo: EPU, 1974.

SILVA, M. M. Etnomatemática e relações comerciais na formação de professores indígenas. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática, Universidade Federal de Goiás, 2018.

VALLE, J. C. Da matemática à paz. São Paulo: BT Academia, 2016.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Atualização e contra-efetuação do virtual: o processo de parentesco. In: VIVEIROS DE CASTRO, E. (Org.). A inconstância da alma selvagem. São Paulo: Cosac Naify, 2002. p. 280-319.

Publicado
2019-11-27