Sofrimento acadêmico e violência epistêmica: considerações iniciais sobre dores vividas em trajetórias acadêmicas indígenas

Palavras-chave: estudantes indígenas, sofrimento, universidade, políticas educacionais

Resumo

O objetivo deste texto é ressaltar a importância do tratamento do sofrimento psíquico em discentes pertencentes a populações indígenas em suas trajetórias acadêmicas na Universidade Federal de Goiás (UFG). Para tanto, foram realizadas análises a partir da experiência vivenciada por parte dos estudantes indígenas no curso de Educação Intercultural e nos demais cursos de graduação e pós-graduação da UFG. Na última década, tais contingentes populacionais têm acessado cada vez mais a academia, onde antes eram apenas excluídos. Desta forma, para que suas trajetórias acadêmicas, importantes para eles, suas comunidades, a universidade e o país, concluam-se com bem- estar e saúde, torna-se fundamental explorar todos os aspectos das políticas de permanência na universidade, como o sofrimento psíquico. Tendo em vista as abordagens presentes nos referenciais teóricos e metodológicos do grupo modernidade/colonialidade/decolonialidade, a hipótese presente em nosso estudo é de que há uma relação direta entre o sofrimento psíquico e a violência epistêmica.

Biografia do Autor

Alexandre Ferraz Herbetta, Universidade Federal de Goiás

Doutor em Antropologia Social pelo Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). É bolsista de Produtividade em Pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Mestre em Antropologia Social e graduado em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). É professor associado da Universidade Federal de Goiás (UFG), onde atua no Núcleo Takinahakỹ de Formação Superior Indígena e no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Tem experiência nas áreas de Antropologia, Educação e Interculturalidade, com ênfase em Metodologias Participativas, Processos de Descolonização e Etnologia Indígena. É vice-coordenador do Curso de Especialização em Educação Intercultural, vice-coordenador do Estágio Docência Supervisionado do Curso de Educação Intercultural e membro da Sociedad Latinoamericana de Estudios Interculturales.

Elias Nazareno, Universidade Federal de Goiás

Pós-doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade de Brasília (UnB). Pós-doutor em Sociologia com bolsa do CNPq pela Universidade de Barcelona (UB). Doutor em Sociologia pela UB. Mestre em História pela UnB. Graduado em História pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO). Professor associado I do Programa de Pós-Graduação em História e do Curso de Educação Intercultural para Formação de Professores Indígenas da Universidade Federal de Goiás (UFG). Coordenador de Área do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência − Pibid/UFG e coordenador do Grupo de Pesquisa do DGP/CNPq, História Indígena e História Ambiental: Interculturalidade Crítica e Decolonialidade da UFG. Pesquisador associado sênior vinculado ao Laboratório e Grupo de Estudos em Relações Interétnicas (LAGERI) do Departamento de Antropologia da UnB e professor visitante da Universidade de Jujuy, Argentina. Integrante do GT de História Ambiental da ANPUH. Tem experiência nas áreas de Etno-História, História, Sociologia e em Relações Internacionais, atuando principalmente nos seguintes temas: educação intercultural indígena, história indígena e educação quilombola. 

Referências

AMARAL, Wagner Roberto; BAIBICH-FARIA, Tânia Maria. A presença dos estudantes indígenas nas universidades estaduais do Paraná: trajetórias e pertencimentos. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 93, n. 235, p. 818-35, set./dez. 2012.

ANDRADE, Antonio dos Santos; ANTUNES, Natália Amaral; ZANOTO, Pedro Alves; TIRABOSCHI, Gabriel Arantes; VIANA, Paulo Vinícius Bachette Alves; CURILLA, Rafael Trebi. Vivências acadêmicas e sofrimento psíquico de estudantes de Psicologia. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 36, n. 4, p. 831-46, out./dez. 2016.

BERGAMASCHI, Maria Aparecida; DOEBBER, Michele Barcelos; BRITO, Patrícia Oliveira. Estudantes indígenas em universidades brasileiras: um estudo das políticas de acesso e permanência. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 99, n. 251, p. 37-53, jan./abr. 2018.

CARVALHO, José Jorge de; SEGATO, Rita Laura. Uma proposta de cotas para estudantes negros na Universidade de Brasília. Brasília; [s.n.], 2002. Série Antropologia 314. CHILISA, Bagele. Indigenous research methodologies. [S.l.]: SAGE Publications, 2012.

COLECTIVO SITUACIONES. Prólogo. Sobre el método. In: MTD SOLANO; COLECTIVO SITUACIONES. Hipotesis 891: Mas allá de los piquetes. Buenos Aires: Tinta Limón Ediciones, 2002.

CRUZ, Felipe Sotto Maior. Indígenas antropólogos e o espetáculo da alteridade. Revista de Estudos e Pesquisas sobre as Américas, Brasília, v. 11, n. 2, p. 93-108, 2017.

DAMSOKEKWA, Ercivaldo. Os Direitos Humanos e a diversidade cultural a partir da experiência de um acadêmico indígena Akwê / Xerente, no mestrado em direitos humanos da UFG. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS SOCIAIS, 4., Grupo de Trabalho: Universidade democrática? Impactos epistemológicos e político com a entrada de coletivos diferenciado promovido. Comunicação Oral. Goiânia: Faculdade de Ciências Sociais – UFG,

FERNANDES, Joana; RATTS, Alecssandro; HERBETTA, Alexandre. Programa da disciplina Epistemologias Indígenas e Negras. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Universidade Federal de Goiás, 2019.

GORDON, Lewis. Shifting the geography of reason in an age of disciplinary decadence. Transmodernity: Journal of Peripherical Cultural Production of the Luso-Hispanico World, Merced, v. 1, n. 2, p. 95-103, 2011.

HABER, Alejandro. Nometodología Payanesa: notas de metodología indisciplinada. Revista Chilena de Antropología, Santiago, Chile, n. 23, p. 9-49, 1º sem. 2011.

HERBETTA, Alexandre Ferraz. Políticas de inclusão e relações com a diferença: considerações sobre potencialidades, transformações e limites nas práticas de acesso e permanência da UFG. Horizonte Antropológico, Porto Alegre, ano 24, n. 50, p. 305-33, jan./abr. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico 2010 – Características gerais dos indígenas: resultados do universo. Rio de Janeiro, 2010.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. Tradução de Beatriz Perrone-Moisés; prefácio de Eduardo Viveiros de Castro. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

KRAHÔ, Letícia Jôkàhkwyj. Pjê Ita jê kâm mã itê ampô kwy jakrepej: das possibilidades das narrativas na educação escolar do povo Krahô. 2019. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) − Faculdade de Ciências Sociais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2019.

MIGNOLO, Walter. El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Compiladores Santiago Castro-Gómez y Ramón Grosfoguel. Bogotá: Siglo del Hombre Editores: Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos: Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007.

MUNDURUKU, Daniel A escrita e a autoria fortalecendo a identidade. 2017. Disponível em: https://pib.socioambiental.org/pt/A_escrita_e_a_autoria_fortalecendo_a_identidade. Acesso em: 12 mar. 2019.

NAZARENO, Elias. O Estado e as políticas linguísticas adotadas como estratégica na formação da nação brasileira a partir do século XVI. In: XAVIER, Lídia de Oliveira; AVILA, Carlos F. Domínguez; FONSECA, Vicente (Org.). A qualidade da democracia no Brasil: questões teóricas e metodológicas da pesquisa. 4. ed. Curitiba: CRV, 2019. v. 4, p. 299-317.

NAZARENO, Elias; ARAUJO, Ordália C. G.; PEREIRA, Tamiris M. G. Tempo, lugar e interculturalidade na perspectiva dos estudantes indígenas do curso de educação intercultural da UFG. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 87-113, jan./jun. 2019.

NAZARENO, Elias. História, tempo e lugar entre o povo indígena bero biawa mahãdu (javaé): a partir da interculturalidade crítica, da decolonialidade e do enfoque enactivo. In: OLIVEIRA, Marcos de Jesus (Org.). Direitos humanos e pluriversalidade: conexões temáticas. 1. ed. Curitiba: Prismas, 2017a. v. 1, p. 85-118.

NAZARENO, Elias. PIBID-diversidade: construção de bases epistemológicas na formação de professores indígenas. Crítica Educativa, Sorocaba, SP, v. 3, n. 2, Especial. p. 493-506, jan./jun. 2017b.

PECHINCHA, Monica. Aportes da etnografia sul-americanista ao entendimento dos suicídios indígenas: uma tentativa de síntese a partir de noções divergentes de “psique”/“alma”. Anuário Antropológico, Brasília, v. 43, n. 1, p. 223-56, 2018.

PIMENTEL DA SILVA, Maria do Socorro; HERBETTA, Alexandre. Atualizando, juntando e esticando a universidade: considerações sobre a possibilidade de uma pluriversidade. PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP, Macapá, AP, v. 11, n. 1, p. 11-26, jan./jun. 2018.

QUINTILIANO, Marta. Redes afroindígenoafetivas: uma autoetnografia sobre trajetórias, relações e tensões entre cotistas da pós-graduação stricto sensu e políticas de ações afirmativas na Universidade Federal de Goiás. 2019. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística) − Faculdade de Ciências Sociais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2019.

QUINTILIANO, Marta; JOKAKWYJ, Letícia. Epistemologias que curam. In: SIMPÓSIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS – DEMOCRACIA E DIREITOS HUMANOS: CRISES E CONQUISTAS, 4., 11 set. 2019, Goiânia. Comunicação Oral [...]. Goiânia: Faculdade de Ciências Sociais-UFG, 2019.

SAMPAIO TUKANO, Daiara Hori Figueroa. Ukushe kiti niishe. Direito à memória e à verdade na perspectiva da educação cerimonial de quatro mestres indígenas. 2018. Dissertação (Mestrado em Direitos Humanos e Cidadania) - Universidade de Brasília (UnB), Brasília, 2018.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Da ideia de universidade à universidade de ideias. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 27/28, p. 11-62, jun. 1989.

SINHA, Chris; SINHA V. Silva; ZINKEN, Jörg; SAMPAIO, Wany. When time is not space: the social and linguistic construction of time intervals and temporal event relations in an Amazonian culture. Language and Cognition, v. 3, n. 1, p. 137-69, 2011.

TASSINARI, Antonela. Resultados e desafios da inclusão de estudantes indígenas pela política de ações afirmativas da UFSC. In: OLIVEIRA, Lucia Alberta Andrade de (Org.). A questão indígena na educação superior. Rio de Janeiro: FLACSO: GEA: UERJ: LPP, 2016. (Cadernos do GEA n. 10, jul./dez. 2016).

TLOSTANOVA, Madina V.; MIGNOLO, Walter D. Learning to unlearn: decolonial reflections from Eurasia and the Americas. Columbus: The Ohio State University Press, 2012.

Publicado
2019-10-14