Memória e (re)existência: a trajetória intercultural da Ação Saberes Indígenas na Escola

Palavras-chave: saberes indígenas, educação escolar indígena, escola, (re)existência, interculturalidade

Resumo

A Ação Saberes Indígenas na Escola produz movimentos importantes na direção da escola indígena sonhada. O presente texto narra a intensidade, as contradições, alegrias e dores da relação entre agentes da universidade e das comunidades Kaingang e Guarani que participam deste programa. A reflexão, de autoria de um professor formador Kaingang e de duas professoras não indígenas coordenadoras institucionais da Ação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, permeou também as vivências aqui relatadas e suas contribuições para compreender os sentidos da interculturalidade nos diálogos, no trabalho nas escolas indígenas, nas comunidades e na universidade. O debate sobre a afirmação/recuperação das línguas, a elaboração dos materiais didáticos, as reflexões sobre a escola indígena e a organização das lutas por meio do espaço desta Ação reverberam em aprendizagens aqui narradas, como memória e (re)existência da caminhada intercultural.

Biografia do Autor

Bruno Ferreira Kaingang, Instituto Estadual de Educação Indígena Angelo Manhká Miguel

Doutor em educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Integra a coordenação da Ação Saberes Indígenas na Escola, núcleo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professor de História no Instituto Estadual de Educação Indígena Angelo Manhká Miguel, Terra Indígena Inhacorá, São Valério do Sul, RS, Brasil.

Magali Mendes de Menezes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutora em Filosofia. Professora e pesquisadora no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Coordenadora da Ação  Saberes Indígenas na escola/UFRGS.

Maria Aparecida Bergamaschi, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutora em educação. Professora e pesquisadora na Faculdade de Educação e no Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Líder do Grupo de Pesquisa PEABIRU: Educação Ameríndia e Interculturalidade (CNPq). Integra a coordenação da Ação Saberes Indígenas na Escola, núcleo UFRGS.

Referências

ALBAN ACHINTE, Adolfo. Pedagogías de la re-existencia: artistas indígenas e afrocolombianos. In: WALSH, Catherine (Org.). Pedagogías Decoloniales – prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Quito/Ecuador: Abya-Yala, 2017. p. 443-68. (Série Pensamento decolonial, Tomo I e II).

BRASIL. Ministério de Educação. Portaria n. 1.061, de 30 de outubro de 2013. Institui a Ação Saberes Indígenas na Escola. Brasília-DF, 2013.

FORNET-BETANCOURT, Raúl. Filosofar para nuestro tiempo en clave intercultural. Concordia, Reihe Monographien, Band 37, Aachen, 2004.

IBGE. Indígenas. Brasília-DF: IBGE, 2010. Disponível em: https://indigenas.ibge.gov.br/graficos-e-tabelas-2.html. Acesso em: 15 mar. 2020

KUSCH, Rodolfo. El Pensamiento Indígena y Popular en America. Provincia de Santa Fé, AR: Editorial Fundación Ross, 2000. p. 255-546. [Obras completas, Tomo II].

KUSCH, Rodolfo. Geocultura del hombre americano. Buenos Aires: Colección Estudios Latinoamericanos, [s.l.], 1976.

LUCIANO, Gersem José dos Santos. Educação para o manejo do mundo: entre a escola ideal e a escola real. Os dilemas da educação escolar indígena no Alto Rio Negro. Rio de Janeiro: Contra Capa: Laced, 2013.

MATO, Daniel. No hay saber “universal”, la colaboración intercultural es imprescindible. Alteridades, México, v. 18, n. 35, p. 101-116, 2008.

RAPPAPORT, Joanne; PACHO, Abelardo Ramos. Una historia colaborativa: retos para el diálogo indígena-académico. Revista Historia Crítica, Bogotá, n. 29, jan./jun. 2005.

SANTOS, Boaventura de Souza. Descolonizar el saber, reinventar el poder. Montevideo: Ediciones Trilce, 2010.

WALSH, Catherine. Notas pedagógicas a partir das brechas decoloniais. In: CANDAU, Vera Maria (Org.). Interculturalizar, descolonizar, democratizar: uma educação “outra”? Rio de Janeiro: 7Letras, 2016. p. 64-75.

Publicado
2021-04-26
Seção
Dossiê - Produção de material em línguas indígenas e saberes ancestrais