Para além do “pachamamismo”: Pachamama e Sumak Kawsay como potência cosmopolítica andina

  • José Carlos Gomes dos Anjos Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Tércio Jacques Fehlauer Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer)
Palavras-chave: diferença andina, cosmopolítica andina, Pachamama, Sumak Kawsay.

Resumo

Na multiplicidade gramatical que irrompe de uma experiência cartográfica em meio ao pensamento andino-indígena, enfocaremos principalmente dois conceitos de passagem necessários à paisagem conceitual da diferença andina, Pachamama e Sumak Kawsay. a) Pachamama como o mundo vivo em nosso corpo sob o modo de afetos e perceptos (englobante e transcendente à “natureza”); b) Sumak Kawsay como estética andina da “esplêndida existência” e seus critérios para uma vida intensa. Afirmação do sensível que engendra outra relação com o corpo, um saber-do-corpo e um atuar micropolítico em um mundo-vivo. Na composição e desdobramento desses conceitos (em meio à multiplicidade da vida andina) se apresentam elementos éticos, estéticos e políticos da resistência andino-indígena.

Biografia do Autor

José Carlos Gomes dos Anjos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Possui doutorado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1998). Pós-doutorado em Ecole Normale Superieure de Paris (2007). Atualmente é professor da UFRGS atuando na Pós-Graduação em Sociologia e Desenvolvimento Rural.Trabalha com Sociologia de elites e Relações Interétnicas, atuando principalmente nos seguintes temas: mediação político-cultural no mundo rural, etnodesenvolvimento, identidades étnica e nacional, intelectuais, desigualdade racial.
Tércio Jacques Fehlauer, Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer)
Possui doutorado em Desenvolvimento Rural pela UFRGS (PGDR-UFRGS), atualmente é Pesquisador da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural de MS (Agraer), atuando nas áreas de Etnodesenvolvimento, Extensão Rural Indígena e Quilombola, Cosmopolítica e Sociobiodiversidade.

Referências

BERGSON, Henri. Ensaio sobre os dados imediatos da consciência. Lisboa: Edições 70, 2011.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 2006.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs. Capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995. v. 2.

______. Mil Platôs. Capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1997. v. 5.

ENRIQUEZ, Fernando. Pachasofia y Runasofia. Lima: Universo, 1987.

ESPINOSA, Baruch. Pensamentos metafísicos. In: ESPINOSA. Coleção os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

ESTERMANN, Josef. Filosofia andina. Quito: Abya-Yala, 1998.

FEHLAUER, Tércio Jacques. El pensamento andino de la diferencia. Campo Grande, MS: Clube de Autores, 2016.

GUATTARI, Félix. O inconsciente maquínico. Campinas, SP: Papirus, 1988.

GUATTARI, Félix. Revolução molecular: pulsações políticas do desejo. São Paulo: Brasiliense, 1981.

GUILLEMOT, Y. Para leer Qhapaq Kuna: un nuevo paradigma? In: LAJO, J. Qhapaq Ñan: la ruta inka de sabiduría. Quito: Editorial Abya Yala, 2006.

______. Interculturalidad paritária, o kuti-sicologia? Lima, 2009. Disponível em <http://emanzipationhumanum.de/downloads/interculturalidad.pdf>. Acesso em: 8 set. 2013.

LAJO, Javier. Qhapaq Ñan: aa ruta inka de sabiduría. Quito: Editorial Abya Yala, 2006.

______. Sumaq Kawsayninchik, o Nuestro Vivir Bien. Revista de Integracion de la Comunidad Andina (CAN), n. 5, 2010.

LAPOUJADE, David. Potências do tempo. São Paulo: N-1 Publicações, 2013.

MAIA, Leonardo. A interpretação deleuziana de Proust: aprendizado e subjetividade. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em <http://www.fundepe.com/.../3202%20-%20Leonardo%20Maia%20Bastos%20Machado.doc>. Acesso em: 9 set. 2015.

MEDINA, Javier. Aportes al diálogo sobre cultura y filosofia andina. La Paz, Consejal del saber qulla: Goethe Institut, 2000.

PELBART, Peter Paul. Vida capital. São Paulo: Iluminuras, 2003.

______. O tempo não reconciliado. São Paulo: Perspectiva, 2010.

PICOTTO, Diego; SZTULWARK, Diego. Contra la tentación política. In: COMITE INVISIBLE. A nuestros amigos. Buenos Ayres: Heck, 2016.

ROLNIK, Suely. Cartografia sentimental. Porto Alegre, RS: Sulina, 2006.

ROLNIK, Suely; GUATTARI, Félix. Micropolíticas: cartografias do desejo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1986.

SIMONDON, Gilbert. L’Individu et sa Genèse Physicobiologique. Paris: PUF, 1964.

STENGERS, I. ¿Nomadas y sedentarios? Revista Nómadas, Colombia, n. 10, 1999.

ZOURABICHVILI, François. O vocabulário de Deleuze. Rio de Janeiro: Sinergia-Relume Dumará, 2009.

Publicado
2017-04-24